Pela Cordilheira dos Andes, uma parada em Copiapó e Antofagasta

Às vezes nos perguntamos? O que mais poderemos encontrar pelo caminho... a natureza é tão perfeita, como pode o homem destruí-la?

  
  

Foi um dia maravilhoso, lindo de viajar, céu completamente azul, um frio seco gostoso de sentir, e a paisagem de cair o queixo. Saímos de Tinogasta e continuamos subindo, era impossível não parar para fotografar, aquelas montanhas pareciam nos dizer algo...

Vulcão 'El Pissis'

Cruzamos o segundo maior Corredor internacional, Paso de San Francisco, que representa uma via singular de integração e intercâmbio econômico, turístico e cultural com o Pacífico. Passar por seus estreitos corredores com mais de 14 picos que superam os 6.000 msnm foi de tirar o fôlego, ele só perde, em altitude, para o Corredor do Himalaya (Ásia).

Laguna Verde

Foram 596 km de Cordilheira (por causa deste trajeto, colocamos um tanque de combustível extra), apesar de ter bastante comida no carro, não paramos para comer, fomos beliscando... não dava fome, não queríamos pegar noite, mas foi impossível, pois no caminho iam surgindo paisagens fascinantes, como os vulcões: "El Pissis", um dos mais altos do mundo com 6.882 msnm, e o vulcão "Ojos del Salado" o maior em altitude ativo do mundo com 6.893 msnm, a "Laguna Verde" há 4.325 msnm, um verde esmeralda, e, ao seu redor, cristais de sal, depósitos de lavas e cinzas vulcânicas, e para tornar único o espetáculo, ela está simplesmente rodeada por seis vulcões nevados. Quase não conseguíamos sair do carro para fotografar tamanha era a força do vento, e que vento... Mas, não muito satisfeitos, é claro que aquela paisagem toda bastava, quase caindo a noite, resolvemos sair um pouco do caminho (70km ida e volta) e visitar a "Laguna Santa Rosa", inclusive pensamos em dormir ali, realmente era demasiadamente bela, mas dormir ali deu um friozinho, pois era totalmente deserta e estava bastante frio já àquela hora, imaginem de madrugada!! Que pena não podemos curti-la mais tempo, mas foi fantástico! Durante todo o percurso encontramos muita neve, inclusive havia um pouco na estrada, vimos rios e lagoas congelados, impressionante...

O Thor na Laguna Verde

Visitar o "Paso San Francisco" é um passeio único, uma beleza impressionante, sem falar da altitude, o que praticamente não temos no Brasil, inclusive durante o nosso trajeto chegamos a uma altitude de 4.726 msnm, por isso é considerado o mais alto "Paso" Fronteiriço da América e um dos maiores do mundo, devido ao ar extremamente seco, o permite que fique aberto o ano inteiro.
Seguimos adiante, mais uma fronteira no nosso caminho, agora, a do Chile, andamos um bom pedaço sem nação... o espaço entre uma aduana e outra é bastante grande, quase uns 100km. Sem problemas, fizemos toda a documentação necessária, identidade, documento do carro, inspeção fito sanitária - ocorreu tudo ok. Um dos fiscais nos disse que aquela madrugada, por volta das 5h havia feito só 18ºC negativos, nossa quando ele disse isto, demos Graças de não ter ficado na Laguna Santa Rosa, iríamos virar pingüins... Inclusive, ficamos sabendo que não poderíamos ter ido a ela, pois primeiro deveríamos ter feito a imigração, sorte a nossa! Poderíamos ter sido pegos ilegalmente!

Enfrentamos um caminho sinuoso e bastante ruim até Copiapó, o pior era enfrentar a escuridão com os faróis nada favoráveis... precisamos regulá-los para maior alcance, assim que possível.
Para nossa infelicidade, chegamos em Copiapó quase 23h (horário de Brasília, pois no Chile é uma hora menos), paramos no posto para pedir informação sobre hotel, um frentista nos indicou alguns, fomos e todos estavam lotados, depois achamos outros no guia do Chile, fomos buscando, terrivelmente cansados, não falávamos coisa com coisa, andávamos que nem "perus tontos", dando voltas e mais voltas no mesmo lugar, até que fomos num que havia vaga... vocês não têm noção...

...O Cláudio foi ver e achou que estava limpinho, bem acreditei, quando entrei no quarto, pela primeira vez, me deu uma vontade louca de chorar, me segurei, respirei fundo e vi que não havia outro remédio, pois não havia vaga em nenhum outro, só mesmo naquele pulguento, e o Cláudio percebeu que realmente estava imundo, o que o cansaço não faz! Não preguei o olho a noite toda, senti um nojo terrível e, ainda, havia barulho de pessoas andando pelos corredores, onde estávamos nós? No dia seguinte levantamos cedo e já estávamos preparados para ver como era o café da manhã... não foi nada diferente do que pensávamos, saímos sem café. Além do péssimo atendimento, sujeira e café indecente, tivemos que pagar super caro por tudo isto, ainda bem que sabemos que viajar vale a pena e que temos que tirar o melhor de tudo... estamos aprendendo!!!!

Saímos do hotel pulguento (Archi Hotel)! O Cláudio foi trocar o dinheiro, numa casa de câmbio, para pagar o hotel pulguento que, ainda, nos saiu 25.000, vocês estão achando muito caro? Calma, são 25.000 Pesos Chilenos, mas ainda sim, é muito caro, transformando para o Real são exatamente 96,00 Reais. Aproveitou e pegou informações sobre outro hotel e almoço, enquanto isto, eu, no carro, estava trabalhando no site. Dali mesmo a mulher reservou um hotel e explicou que os hotéis ficam sempre lotados em função dos negócios, que azar o nosso, hein? Então, fomos lavar o Thor, que estava simplesmente tomado de pó da Cordilheira, depois, fomos almoçar num bom restaurante e seguimos para o Hotel Maray, este sim, era maravilhoso, ficamos o restante do dia trabalhando no site, nossa que luta... agora era só atualizar...

Fomos fazer um lanchinho, antes de atualizarmos o site, outro susto, um pão com queijo custou 1.100 Pesos Chilenos, fomos converter e vimos que pagamos 4,30 Reais por um simples sanduíche.
No hotel havia conexão "WIFI", mas não conseguíamos conectar de jeito algum, O Cláudio ficou mais ou menos duas horas para conseguir configurar o computador, pois ele havia esquecido como o fazia. Enfim, conseguimos! IUhUh! E, do nosso quarto mesmo, fizemos todas as atualizações, a página de apoio, os preparativos finais e partida e últimas notícias. Agora, acho que será mais fácil!

Para Viajantes: muito cuidado ao abastecer no Chile, na bomba de combustível, o número de litros vem expresso com três dígitos depois da vírgula, isto pode gerar confusão entre o valor total a pagar e a quantidade de litros. Em duas oportunidades, nos cobraram o valor a pagar como sendo o de litros, isto é quase o dobro do valor correto, mas, em ambos os casos, percebemos a tempo de recuperarmos o dinheiro. É importante sair do carro e mostrar-se atento, não se pode ficar distraído com mapas e guias enquanto o carro é abastecido. O diesel no Chile está, em média, 480 pesos chilenos o litro, isto equivale a R$ 1,82, já a gasolina 50% mais cara.

Esclarecimento: em nossa logomarca, utilizamos a imagem de uma outra Laguna Verde, a boliviana, que se localiza aos pés do Vulcão Lincancabur, chega-se a ela através do Paso Jama (San Pedro de Atacama), viagem que realizamos em 2004 e que pode ser vista em Viagens Anteriores.

Cotação: U$1 = 529,00 Pesos Chilenos.

Tenha todos os tipos de adaptadores para os diversos formatos de tomadas dos países, com dois pinos redondos, dois pinos achatados, três pinos e que um se interligue no outro, sob pena de não conseguir ligar um aparelho eletrônico ou ter que ir em busca de um adaptador, que não é nada fácil.

Naquela noite dormimos feito anjos, e acordamos maravilhosamente bem. Passamos a manhã no hotel resolvendo algumas coisas no computador, depois fomos ao mercado comprar pão para o nosso lanche no carro e seguirmos viagem.

Percebíamos que toda vez que saíamos de um centro urbano a estrada se embrenhava num grande deserto, muito interessante como a transição é abrupta, do nada... depois de horas no deserto... uma cidade surge.

A força do Deserto

Agora, definitivamente, a bússola nos aponta rumo Norte, o nosso destino é Antofagasta, fomos parando, fotografando e como já era meio tarde para seguir viagem, resolvemos dormir ao lado da polícia "Carabinera", o Cláudio perguntou se podíamos e o policial foi bastante simpático. Armamos a nossa barraca, o segundo melhor lugar do mundo para dormir, o primeiro é a nossa casa, em Jaraguá, também armamos o vestiário, pois o vento era muito forte, para fazermos uma massinha. Foi uma noite muito especial, estávamos livres, que sensação. Comemos a nossa massinha regada a um vinho argentino maravilhoso e fomos dormir novamente como anjos.

Tomamos um belo café da manhã, preparado por nós. De manhã o frio era grande, pois a sensação térmica devido ao vento, era cortante, mas, conforme o sol ia brilhando, a temperatura ia aumentando, num intervalo de três horas a temperatura já estava beirando os 30ºC, e o vento já mudava de direção. Partimos sentido Iquique, porém o caminho era muito bonito, muitas paradas para fotos, com destaque ao monumento "Mano del Desierto", escultura do artista Mario Irarrázabal instalada em 1992, onde já estivemos em 2004 quando fomos a San Pedro de Atacama (ver Viagens Anteriores).

'La Portada', Antofagasta

Resolvemos fazer uma foto diferente neste monumento, mas queríamos sair juntos, aí começou a dificuldade... O Cláudio queria que tirássemos esta foto em cima do carro, detalhe, a máquina só programa o timer em até 10 segundos, ou seja, ele teve que correr muito para chegar a tempo de tirarmos a foto, até conseguirmos fazer a foto, foram mais de 5 tentativas.

Chegamos em Antofagasta, cidade grande, a quinta maior em população (285.255) e a principal do deserto, seguimos pela bela "Avenida Costanera" admirando a beleza dos pássaros, inclusive os Pelicanos, que não existem no Brasil, novamente visitamos o monumento natural "La Portada" e passamos pelo marco do trópico de capricórnio (ver Educação sem Fronteiras), por fim, resolvemos dormir em Tocopila, cidade portuária com 23.000 habitantes. Achamos um hotelzinho "meia boca" e ali mesmo ficamos. Saímos para jantar e mais uma vez, comemos massa, a comida no Chile, em geral, é muito bem servida, pelo menos isto para justificar o preço.

  
  

Publicado por em