Reserva Ecológica RASO DA CATARINA!

Sertão que guarda ricas histórias!

  
  
Belíssima Paisagem

Desvendar o Raso da Catarina estava ficando cada vez mais difícil... Quando montamos o nosso último roteiro pelo Brasil, colocamos como condição sine qua non visitar o Raso, sertão que guarda muitas histórias. E a mais instigante delas é a de que o famoso cangaceiro Lampião havia se escondido por ali, entre os grotões e talhados de pedras. Chegamos à cidade de Paulo Afonso e começamos a via sacra atrás de informações sobre tal misterioso e “inacessível” lugar. Encontrado o posto de informações turísticas, ficamos perplexos ao saber que para visitá-lo teríamos que comprar 12 cestas básicas e dar a cada uma das famílias que ali vivem, ou seja, só entra no local com permissão dos índios, com guia autorizado por eles mesmos e, ainda, uma soma significativa de donativos, a tal explícita nas linhas anteriores. Ficamos indignados, fizemos as contas e vimos que era um preço um tanto exorbitante para tal visita. Bem, pensamentos confusos, porém certos de que não desistiríamos. A mente dizia: -“alguma outra forma deve existir!” Foi, então, que nos indicaram um jipeiro amigo da tribo e que tinha passe livre no local.

Grande César

Ufa, a esperança voltou a tomar conta. Fomos em busca do César, pessoa maravilhosa que prontamente deixou tudo agendado para irmos até o famoso esconderijo de Lampião e sua tropa. E, melhor, não precisaríamos levar absolutamente nada, nenhum agrado, a não ser, é claro, pagar a diária do guia. Quando chegamos ao Raso e dissemos que éramos amigos do César, a pequena e exótica população esbanjava felicidade, ele era o “Deus” da tribo, diga-se de passagem, a idéia dos donativos e cestas básicas partiu dele, já que estavam querendo proibir a visitação no local.

A caminho do Raso
No caminho
Dentro do Raso
Grande expectativa
Uma de suas moradias

O caminho seco, puro areal, porém verdejante até o Raso é bastante difícil, sem guia, diria que é impossível chegar.

Fomos muito bem recepcionados, o calor humano é contagiante, as crianças são as mais curiosas, elas te acompanham a cada passo.

Bem acompanhados
Brincando nos pequenos cânions
Belíssimo lugar

Chegamos num dia de festa, Seu Lino, o cacique da tribo dos Pankararés, havia acabado de matar um boi e o estava destroçando, ali mesmo, em cima de folhas de bananeiras, como que uma criança brincando de fazer comidinha. Arrepiante a cena, inclusive, enquanto ele limpava o animal, as mulheres fritavam ao ar livre partes dele e nos ofereciam. Não tivemos coragem!!!

Liberdade
Destroçando um boi
Seu Lino limpando o animal
Pele do boi
Colocando a carne para secar
Colocando para fritar
Seu Lino
Bela caminhada
O Castelo
Água de beber, de todos!
Pequena e bela índia

Caminhamos por todo o vale na presença de rochas gigantes riscando o céu azul de laranja. O Raso é uma região muito grande, por um pouco mais de 2 horas atravessando o Canion, percebemos o quanto é difícil viver neste santuário ecológico de uma aridez extremada, é a região mais seca do estado da Bahia. Praticamente não chove e não há rios perenes, as areias tragam as poucas águas que correm. Mas, incrivelmente há moradores e felizes moradores. O Seu Lino conta com um certo orgulho que ficou até 6 anos sem ver uma gota de água, banho nem pensar!

Todos, homens e animais, convivem no mesmo metro quadrado e compartilham das mesmas coisas, inclusive água. Mesmo neste ambiente hostil, eles aprendem a conviver com o pouco que a Natureza reserva e, ainda, constatamos, a cada pessoa que chegava para o grande dia de festa, a alegria e capacidade de sobreviver naquele especial ecossistema. E, não são só eles que sobrevivem, há cobras, escorpiões, aranhas gigantes, lacraias, catitus, veados, tatus, preás, onças e a belíssima e ameaçada de extinção arara-azul-de-lear. E, também uma rica flora, como os cactos: xiquexique, facheiro, mandacaru e a coroa-de-frade, entre outras, como o pinhão, as orquídeas e bromélias. Todos esses animais e plantas são muito importantes para a sobrevivência do homem neste habitat, sem eles, isto não seria possível. Ainda assim, o deserto é cheio de luz e vida! Estar ali por poucos momentos é uma profusão de sentimentos desde a sensação de liberdade, beleza nos azuis, laranjas, verdes, vermelhos das flores, sorriso das crianças, simplicidade da Vida no sertão, ao pavor da falta de água, comida e altas temperaturas. Mesmo que por algumas horas, viver momentos únicos com pessoas únicas e sentir na pele a capacidade que eles têm de sobreviver, é inexplicável!!!

Doces pássaros
Hora de brincar

CURIOSIDADES

O Cangaceiro Virgulino Ferreira, o LAMPIÃO!

Vaqueiro

Enquanto caminhávamos pelo Raso (relevo em forma de tabuleiro, que é recortado por ravina e cânions), estávamos na expectativa de ver um “vaqueiro” com aqueles trajes de Lampião; chapéu e cinta de couro, cantis, botas, camisas quadriculadas, lenço de seda ao pescoço, mas sem as armas, é claro. A história do Virgulino despertou muita curiosidade a respeito da forma de vida do sertanejo. Histórias espalhadas em cada canto da nossa Terra e conhecida internacionalmente. Eram os bandidos do sertão nordestino enfrentando a agressividade da Caatinga. Para nossa surpresa, nos deparamos com vários destes vaqueiros, com uma indumentária um pouco diferente, mas não tão longe do original. Uma sensação indescritível, como voltar no tempo e estar fazendo parte da história lida em muitos livros. Felizmente, os vaqueiros não estavam armados e nos pareciam pacíficos. Afinal, Lampião aterrorizou os poderosos fazendeiros do Nordeste nas décadas de 20 e 30. O cangaceiro vivia fugindo com o seu bando e, nesta região do Raso, se sentia seguro, os índios Pankararés o ajudavam a se enfurnar nos vales e cânions. Por mais de uma década Lampião teve um território seguro para se esconder, até tombar morto, em 1938, vítima de uma emboscada na grota do Angico, em Sergipe.

Conhecendo o lugar
Linda flora
Pequena índia
Inocência
Curiosos
Apreciando tamanha beleza

GPS – Terra sem Fronteiras

Como Chegar
De Salvador a Paulo Afonso/BA são aproximadamente 500km. A partir de Paulo Afonso são 60 km até o Raso da Catarina.

Onde ficar
Na cidade de Paulo Afonso há ótimos hotéis e outros pontos turísticos interessantes a serem visitados, aproveitem para conhecê-la.

O que levar
Um calçado bem confortável, tênis de preferência. O clima é de deserto, muito calor durante o dia e frio a noite. Então, levem roupas leves e agasalho, boné, câmera fotográfica e muito protetor solar. E não se esqueçam de que estão numa área de proteção – ajudem a preservar o nosso Sertão.

O que ver
O belíssimo Raso da Catarina. Na entrada do cânion seco, na chamada Baixa do Chico, vivem as famílias dos índios Pankararés. Eles são muito receptivos se respeitados. O lugar apresenta belíssimas formações rochosas esculpidas pelo vento parecendo castelos, torre e bispo do tabuleiro de xadrez. Uma outra, lembra uma grande catedral gótica.
Os passeios são feitos sempre com a presença de guia local e precisam ser agendados com antecedência para atender a normas do Ibama e da Funai.

Quando ir
Qualquer época do ano.

Até a próxima!
  
  

Publicado por em

Malu toledo

Malu toledo

04/02/2013 17:26:32
boa tarde, que matéria linda. Gostaria de visitar o raso da catarina para ver as ararinhas. Vcs a viram? Abraços
Malu

Joyce e Cláudio Guimarães

Joyce e Cláudio Guimarães

Boa tarde Malu, infelizmente, não a vimos, mas pretendemos retornar. Abraços.
Geórgia

Geórgia

08/04/2012 20:53:09
Oi, pretendo ir ao Raso também. Gostaría muito do contato do César. Favor me repassar, Grata.

Joyce e Cláudio Guimarães

Joyce e Cláudio Guimarães

Bom dia Geórgia, Não possuímos o contato do César, mas chegando a Paulo Afonso é só perguntar pelo César do jeep clube, o corretor de imóveis. Sucesso! Abraços, Joyce e Cláudio.
Verley

Verley

15/08/2011 16:03:00
fotos lindas....

Joyce e Cláudio Guimarães

Joyce e Cláudio Guimarães

Valeu!!!!
Augusto

Augusto

16/02/2011 09:25:11
Adoraria conhecer o Raso. Ainda vou até lá e publicar os relatos de minha viagem no meu blog. Mas já tem muitos relatos interessantes, de viagens pelo Brasil e exterior, publicados no blog. Fiquem à vontade> Leiam, comentem, divulguem: http://viajantesustentavel.blogspot.com/

Joyce e Cláudio Guimarães

Joyce e Cláudio Guimarães

Maravilha Augusto!!!! Abraços do Terra sem Fronteiras!!!
Marcos

Marcos

01/12/2010 20:59:29
Prezados Joyce e Cláudio, bela matéria..Parabéns pelo texto e pelas imagens registradas.
Pretendo visitar o Raso da Catarina no carnaval/2011 e gostaria de saber se vocês têm o telefone do César que os levou até ao Raso. Caso tenham, por gentileza, envie para o meu e-mail: marcosj70@hotmail.com
Muito obrogado.

Joyce e Cláudio Guimarães

Joyce e Cláudio Guimarães

Olá Marcos, Obrigada! Quanto ao Cesar não temos o telefone, mas é fácil localizá-lo na cidade. Procure por César Seguros. O próprio rapaz da Info Turística pode ajudá-lo. Abraços e ótima viagem! Joyce e Cláudio Guimarães www.terrasemfronteiras.com