Gov. Celso Ramos SC - Um paraíso para ser visitado o quanto antes!

Governador Celso Ramos é parada obrigatória para quem viaja pelo litoral norte de Santa Catarina. Distante apenas 50km de Florianópolis, Governador Celso Ramos “ainda” tem praias tranqüilas e visuais de tirar o fôlego de qualquer turista.

  
  

Governador Celso Ramos é parada obrigatória para quem viaja pelo litoral norte de Santa Catarina. Distante apenas 50km de Florianópolis, Governador Celso Ramos “ainda” tem praias tranqüilas e visuais de tirar o fôlego de qualquer turista.

Belas paisagens de Governador Celso Ramos

Belas paisagens de Governador Celso Ramos
Foto: Marcelo Maestrelli

Digo “ainda”, porque infelizmente alguns dos paraísos que visitamos estão em propriedades particulares e já têm projetos aprovados para serem loteados e, daqui a alguns anos, a paisagem verde será substituída por casas de luxo e a tranqüilidade de algumas praias desertas será substituída pelo vai-vem de jet-skis e lanchas.

Mas... bem, vamos ao que interessa: o fato é que Governador Celso Ramos AINDA é bela e tranqüila e, por isso, merece ser visitada o quanto antes!

Chegando lá

Para se chegar lá é bem fácil: no km 180 da BR-101 há uma saída para Gov. Celso Ramos. A partir daí são mais 20km pela SC-410 até Ganchos de Meio, que é o centro. Ao chegar, paramos na Secretaria de Turismo e lá fomos muito bem recebidos pelo Rudi Lange, da operadora Risco Zero Aventuras, que logo nos apresentou o potencial turístico do município e os passeios que iríamos fazer nos próximos dias.

Ganchos do Meio

Nosso primeiro passeio foi uma curta caminhada pelo centro até o “Mercado do Pescador”, onde conhecemos a loja de artesanato da Dna Tereza. Ali foi nosso primeiro contato com o Crivo, um estilo de bordado que é característico da região e permanece ativo passando de geração para geração desde a época da colonização portuguesa. Dna Tereza, que também é criveira, nos mostrou com orgulho suas toalhinhas de crivo, e nos contou um pouco de como se faz para bordar neste estilo.

Subimos num mirante construído acima do “Mercado do Pescador” e, do alto, pudemos ver uma amostra das conseqüências de um crescimento urbano mal planejado: muito lixo nas ruas, esgoto doméstico lançado no canal e no mar, mal-cheiro...

Pegamos o carro e seguimos em frente. Assim que saímos do centro já fomos presenteados com uma vista recompensadora da Praia de Palmas que, apesar de tranqüila, é uma das mais agitadas da cidade. O Rudi nos acomodou no Palmas Parque Hotel, almoçamos e, como o tempo estava meio nublado, fomos conhecer um pouco da histórica de Governador Celso Ramos.

Armação da Piedade

Tudo começou em Armação da Piedade, há mais de 250 anos, quando os portugueses chegaram e ali instalaram grande um núcleo de captura e industrialização de baleia, que foi o 2º. maior do Brasil, e o maior de Santa Catarina. Em frente à Capela Nossa Senhora da Armação da Piedade, o Rudi nos contou toda a história do local. A igreja foi construída pelos escravos com óleo de baleia, e ainda existem ruínas da senzala. Vale muito a pena ir lá, mas não deixe de ir com um guia para poder conhecer a história.

Depois fomos conversar com um pescador, nascido ali na Armação mesmo: o Seo Tonho. Foi uma delícia conversar com ele e ouvir suas histórias – aliás, recomendamos a todos que experimentem seus peixes no “Restaurante do Tonho”, no fim da Praia da Armação. Ele também nos levou para conhecer sua rede de pesca, que era gigantesca... com 450m de extensão. Na ocasião, o filho dele estava fazendo os reparos na rede e preparando-a para a próxima saída do barco.

Ainda nas imediações da Armação, o Rudi nos levou para conhecer uma criveira: a Dna. Rosália, que nos recebeu com muita simpatia. Ela adora fazer bordados em crivo, e nos mostrou um pouco do seu trabalho. Adoramos!

Bem, chegou o fim de tarde, e voltamos pro Palmas Parque Hotel para descansar, jantar, e trabalhar.

Baía dos Golfinhos e Ilha de Anhatomirim

No dia seguinte acordamos cedo e fomos fazer o passeio de barco à Baía dos Golfinhos (aliás, absolutamente imperdível). Quem nos levou foi o Paulo, do barco “Rei Sol”, que é especializado neste passeio e já sabe direitinho onde encontrar os golfinhos. Durante a ida pudemos observar o cultivo de ostras e mariscos – muito presente em Governador Celso Ramos; e a medida que íamos avançando, passando perto de ilhas ou outros pontos interessantes, o Paulo ia nos contando histórias e apresentando os locais – o que enriqueceu nosso passeio.

Estávamos junto com um grupo de turistas, e reparamos quando uma mulher se encantou com uma fragata ao vê-la mergulhar e sair da água com um peixe no bico. Ela chamou todos os amigos para compartilhar sua emoção.

Em seguida, acendeu um cigarro e, quando acabou de fumar, adivinhem: atirou a bituca no mar! Ahhhh... que coisa feia, hein! A Lyanne não resistiu e disse:
- Você jogou a bituca no mar"" Com o lixo aqui na sua frente"
Ela simplesmente respondeu
- Joguei.
A Lyanne ficou atônita. Não acreditava no que estava vendo. E ainda completou em tom mais alto para que os amigos dela ouvissem:
- Você sabia que a fragata que acabou de te encantar morre porque mergulha e pega bitucas de cigarro achando que são peixinhos"
Bom... nessa hora a mulher queria sumir de vergonha... Ela parou... pensou... e resolveu arriscar:
- É que eu estava com medo de pegar fogo na lixeira...
É claro que a Lyanne respondeu que era só ela apagar o cigarro; mas ainda completou dizendo com ironia:
- Mas tenho certeza de que você não fez por mal... e que da próxima vez vai jogar sua bituca no lixo.
Nossa... É incrível como as pessoas se encantam com a beleza da natureza, se revoltam em ver as notícias de agressões à natureza, reclamam dizendo que “ninguém faz nada”, e parecem não conseguir controlar seus atos quando deixam ou jogam lixo na natureza.
Bem... mas... depois de um tempo de passeio, a “nossa amiga” acendeu outro cigarro e, claro, ficamos de olho nela... Quando terminou ela foi até a lata do lixo, pegou uma latinha de refrigerante já finalizada, jogou sua bituca dentro da latinha, e devolveu a latinha pro lixo. Olhem só... que bonito... Espero que ela tenha percebido que não há nada de mal em jogar sua bituca no lixo, e que esta atitude dela é super bem-vista por todos.

Massss......
“Paulo, cadê os golfinhos"”
Neste dia eles estavam mais longe, mas chegamos lá e pudemos vê-los de perto. Foi muito legal! Era dorso de golfinho aparecendo pra todo lado ao redor do barco - o difícil era mirar a câmera, ajustar o zoom, e tirar a foto antes que eles voltassem a afundar...

Depois dos golfinhos, na volta, paramos na Ilha de Anhatomirim para conhecer a Fortaleza de Santa Cruz. Quem conduziu a visita foi o Rudi da Risco Zero e o Paulinho, que é guia e historiador – aliás, não recomendo que você vá sem um guia conhecedor de todas as histórias, pois são extremamente interessantes e, sem o acompanhamento de um guia, todas aquelas ruínas, celas, paredes de fuzilamento, e canhões, não fazem sentido algum...

Fortaleza de Santa Cruz - Ilha de Anhatomirim - Foto: Lyanne Rehder

O Paulinho, que já morou na ilha, nos explicou tudo sobre a construção das fortalezas, a invasão dos espanhóis, e até sobre os fantasmas dos condenados que dizem que vagam por ali... aliás, ele mesmo tem histórias pessoais sobre este assunto!

O passeio todo dura em torno de 4 horas e, como eu disse no início, é absolutamente imperdível!

Hora do almoço – retornamos ao Palmas Parque Hotel. Neste dia reservamos o período da tarde para divulgar os conceitos do Turismo Responsável aos proprietários de outros meios de hospedagens e à proprietária do hotel onde estávamos hospedados.

Hospedagens
Aliás, vou aproveitar a oportunidade pra dar umas dicas sobre os meios de hospedagem da região:

O Palmas Parque Hotel, onde ficamos, é um dos melhores hotéis, e lá ficamos muitíssimo bem instalados e bem atendidos.

Fomos conhecer o Hotel Águas de Palmas, que também nos pareceu bastante agradável e com ótima infra-estrutura, inclusive um parque aquático.

Não tivemos a oportunidade de conhecer o Resort ponta dos Ganchos, e soubemos que os passeios oferecidos aos hóspedes de lá são sempre exclusivos.

Além destes, há várias pousadas espalhadas pelas praias, mas a informação que tivemos foi que a grande maioria delas só abre no verão e, como fomos em maio, já estavam fechadas. Ainda assim, tivemos a oportunidade de conhecer a Pousada Alamandas, que é uma das poucas que atendem o ano todo.

Casa de Cultura

Já no fim do dia o Rudi nos levou para conhecer a Casa de Cultura, mantida pelo Hotel Águas de Palmas, e quem nos contou um monte de histórias lá foi o Paulinho - o mesmo guia que nos acompanhou na Fortaleza Santa Cruz.

Nossa... aprendemos muita coisa ali. O Paulinho nos apresentou cada peça da Casa de Cultura, que rendeu conversas sobre o crivo (artesanato local de origem açoriana), o boi-de mamão (apresentação folclórica), a farra-do-boi (brincadeira tradicional entre os nativos, que é uma das maiores polêmicas da região), a época de caça às baleias francas, o funcionamento dos engenhos de farinha, a forma como os escravos moldavam as telhas das casas ("nas coxas"), os costumes, lendas, e objetos de uso dos moradores antigos. Ainda falamos sobre as prováveis origens do nome "Ganchos", que é o antigo nome de Governador Celso Ramos, e atual nome da praia central: "Ganchos do Meio"; e o processo de Maricultura (criação de mariscos) e Mitilicultura (criação de Mariscos e Ostras).

Viu quanta coisa interessante" Pois é... por isso que sempre incentivo as pessoas a conhecerem a história e a cultura dos locais que estão visitando e, a melhor foma de absorver este conhecimento, é com o acompanhamento de um guia local, como o Paulinho em Governador Celso Ramos!

Rapel na Pedra do Tinguá

Paisagem do alto da Pedra do Tinguá - Foto: Marcelo Maestrelli

No último dia o Rudi nos convidou para um Rapel na Pedra do Tinguá. Saímos bem cedinho e pegamos uma luz ótima! Paramos o carro na estrada, vestimos as cadeirinhas, e caminhamos até a Pedra. A trilha é curtinha e em 10 minutos chegamos lá. O Rudi colocou uma corda para nos auxiliar no último lance, que leva ao topo da pedra. Noooossa! De lá a vista é de tirar o fôlego de qualquer um!

Antes de iniciar o rapel, o Rudi chama os turistas e explica todo o esquema de segurança. A primeira a entrar na corda foi a Lyanne, que estava estreiando no Rapel. No começo ela teve medo, mas com a assessoria do Rudi (e o acompanhamento dele ao lado dela durante o rapel), desceu e curtiu. Depois chegou minha vez e adorei! O que mais impressiona neste rapel é a belíssima paisagem que se tem lá do alto. Vale muito a pena!

Neste dia o Rudi nos convidou para almoçar no Restaurante Raízes. Fomos super bem recebidos pelo proprietário e a comida estava ótima! Depois do almoço ainda conversamos bastante com ele e ouvimos várias histórias. Ele é nativo de lá, e era pescador profissional antes de abrir o restaurante. Nos contou sobre a rotina destes pescadores, que ficam de 20 a 40 dias embarcados em alto mar até conseguirem completar a capacidade de carga de seus barcos, chegando a até 120 toneladas de peixe.

Cavalgada às Praias do Sissial e Ilhéus

Bem, a convite do Palmas Parque Hotel, no período da tarde fomos fazer um passeio a cavalo. Quem nos conduziu foi o Ademir, um funcionário do hotel nascido em Governador Celso Ramos, e conhecedor de muitas histórias. O passeio foi tranqüilo.

Saindo do hotel, cavalgamos subindo um morro até um local de onde pudemos avistar toda a Praia de Caravelas – vale muito a pena chegar a esse lugar; porém, lamentei em saber que aquele local onde estávamos é de um grupo de empreendedores que já possui um projeto aprovado para a construção de um condomínio de casas luxuosas.... em breve o verde ali será só nos jardins das casas ou nos canteiros das ruas, e para se ver aquela paisagem linda que víamos será necessário subir no terraço da casa mais alta.

Continuando nossa cavalgada, descemos o morro até a Praia do Sissial: linda e deserta! Ali também em breve será um condomínio e, consequentemente, não será mais tão linda, muito menos deserta; portanto, a dica é: vá logo!

Depois ainda pegamos uma trilha pela mata que nos conduziu até a Praia dos Ilhéus, e aí já estava no fim da tarde e era hora de voltarmos ao hotel. O passeio foi ótimo!

Indo embora...
Bem, e assim finalizamos nossos trabalhos em Governador Celso Ramos. Nossa impressão final é de que o local é lindo e tem enorme potencial turístico; porém, está sendo tomado por grandes grupos e empresários que se preocupam muito mais com seus lucros do que com a preservação do meio ambiente e a sustentabilidade da região. Portanto, reforço a dica: quanto antes você for visitar Governador Celso Ramos, melhor!!!

_______________

Multimídia:
Clique no botão [PLAY] no centro da imagem abaixo e assista ao vídeo que fizemos em Governador Celso Ramos:

_____________

________________

Serviços:

Divulgamos aqui os serviços de algumas empresas que tivemos a oportunidade de conhecer:

  • Risco Zero Aventuras : (48) 3262.8411 e (48) 9991.4703
    - Proprietário atuante em ações que buscam o desenvolvimento organizado do turismo no município, a preservação do meio ambiente e a valorização da cultura e da comunidade local
    - Oferece serviços de qualidade e tem excelente atendimento

  • Palmas Parque Hotel: (48) 3262.8044
    - Os funcionários são nativos da região
    - Investiu em uma estação ecológica de tratamento do esgoto

  • Restaurante Raízes: (48) 3262.8025
    - Um dos mais tradicionais e antigos da cidade
    - O proprietário é nativo, e foi pescador por muitos anos antes de abrir o restaurante
    - Serve pratos típicos

  • Barco Rei Sol: (48) 3262.9103
    - Promove passeios à Baía dos Golfinhos e Ilha de Anhatomirim
    - Barco conduzido pelo proprietário, que é super atencioso e gentil com os passageiros
    - Ao longo do passeio o proprietário explica fatos históricos e curiosos aos passageiros

____________

  
  

Publicado por em

Maurício

Maurício

09/12/2008 20:53:30
Parabéns pela matéria. Vou pra lá neste verão.