Pontes e Lacerda



A região onde hoje situa-se o município de Pontes e Lacerda era inicialmente habitada por índios, representados pelos Nambikwara. Foram praticamente dizimados pelas sucessivas incursões dos bandeirantes paulistas na região (século XVIII) e pelo ciclo do garimpo (séculos XVIII-XIX), que acompanhou a exploração aurífera de Vila Bela da Santíssima Trindade. Já no século XX, sofreram com a exploração da madeira, dos seringueiros e a disputa de terras com fazendeiros e grileiros estabelecidos na região em meados da década de 70. Receberam guarida do padre jesuíta Antônio Iasi Júnior, que lutou pela criação da Terra Indígena Sararé, uma área de 67.420 hectares onde vivem atualmente cerca de 71 índios.

A origem do nome remete ao ano de 1784, quando dois cartógrafos e astrônomos formados pela Universidade de Coimbra, Portugal, desenharam os primeiros esboços da carta geográfica dos rios das bacias Amazônica e do Prata. Eram Antonio Pires da Silva Pontes, um mineiro, e Francisco José de Lacerda e Almeida, um paulista.

Em 1906, foi contruído o Posto Telegráfico de Pontes e Lacerda (hoje restaurado), na ocasião do levantamento etnológico, cartográfico geográfico e biológico iniciado no ano seguinte pela Comissão de Linhas Telegráficas e Estratégicas de Mato Grosso ao Amazonas. Liderada pelo Marechal Cândido Rondon, a Comissão Rondon, como era conhecida, esquadrinhou milhares de quilômetros de terras, rios e coordenadas geográficas até o Amazonas, e logo depois até o Acre. Os trabalhos foram concluídos em 1915. Em 19 de Julho de 1909 o então governador do Estado Sr. Pedro Celestino Correa da Costa através do Decreto 227, reserva uma área de 3.600 has., para futura povoação na margem esquerda do Rio Guaporé, tendo como referência a Estação Telegráfica. Somente em 1947 é que chega para a localidade o Sr. Mariano Pires de Campos, sertanista mato-grossense acompanhado de alguns índios da etnia Pareci, a procura de Poaia (Cephaelis Ipecacuanha)e permanece em um barraco por ele construído ao lado da "Estação Telegráfica". Em 1954 a serviço da Companhia Sul do Brasil que vendia terras no vale do Guaporé/Jauru chega à localidade o engenheiro Ariel acompanhado do picadeiro Jorge Lemes que após concluidos os trabalhos, permanece residindo próximo a estação telegráfica. Em 1960 com a construção da estrada de rodagem rodovia BR 174, chega na localidade uma equipe do DNER com as respectivas máquinas e veículos, e acampa nas proximidades da Estação Telegráfica para a necessária comunicação com Cáceres e Cuiabá. Ao término da construção, o Chefe de Máquinas Sr. Dorvalino e o Cozinheiro Sr. Manoel Basão, permancem morando na localidade, dando inicio a um pequeno povoado que começava receber migrantes de outras partes do Estado e outras localidades do Brasil. Em 1963 chegam as famílias Azambuja e Fagundes da Costa para "abertura das matas" e formação de fazendas para criação de bovinos e cultivo de lavouras para sustento das famílias e suas propriedades. Em 1967 a Família Podolan oriunda de Campo Mourão no Estado do Paraná instala uma serraria de grande porte e constrói cerca de 50 casas para os funcionários da empresa, além das construções para abrigo dos departamentos administrativos, máquinas, caminhões e demais equipamentos, fazendo surgir um novo núcleo populacional ha cerca de 02 km da estação telegráfica. Nos anos seguintes, continua a migração de pessoas de outras regiões do Estado e do Brasil, para a localidade de Pontes e Lacerda, ocupando-se das diversas atividades regionais; Extração da madeira, formação de fazendas, serrarias, pequenos estabelecimentos comerciais, mão-de-obra qualificada e de serviços gerais etc. Em 1971 a extinta CODEMAT - Companhia Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso, instala escritório no povoado para regularização fundiária do que seria a parte urbana e rural, no entorno desta, tendo como responsável pelo estabelecimento o Sr. Moacir Ferreira da Silva.

Até 1976, Pontes e Lacerda era um aglomerado pertencente à cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade, tornando-se um distrito desta àquele ano, através da Lei Estadual 3.813. Finalmente em 1979, através da lei estadual 4.167, foi criado o município de Pontes e Lacerda, desmembrando para si parte do território pertencente à Vila Bela da Santíssima Trindade.

Localização

Pontes e Lacerda está localizada a 450km da capital do estado.







Hotéis e Pousadas em Pontes e Lacerda

Hotel Periquito
Rua Angelo Gajardoni, 1462, Centro
Hotel Periquito
A partir de: R$ 35
Estrelas: 2 estrelas
Ver fotosHotel Periquito - Rua Angelo Gajardoni, 1462, Centro
Preços e Reservas Online
Reserva Online Hotel Periquito no Booking






Agências de viagens e turismo em Pontes e Lacerda