São Joaquim de Bicas



A ocupação e o povoamento de Minas Gerais, só aconteceram a partir da descoberta do ouro, no final do século XVIII. Até esta época, algumas expedições Bandeirantes percorreram o território procurando ouro e pedras preciosas. Foram os Bandeirantes que fundaram os primeiros povoados em Minas Gerais. Eles seguiam os cursos dos rios, abrindo e procurando o ouro de aluvião.

Foi seguindo o curso do Rio Paraopeba que aqui chegaram os Bandeirantes, como Manuel Borba Gato e Francisco Duarte Meireles. As terras próximas ao Rio Paraopeba eram férteis e próprias para a prática agrícola e a criação de gado. Assim, iniciou-se o povoamento da região.

A Religião
A religião foi um fato marcante na história do arraial. As capelas construídas eram pontos de convergência entre os habitantes e tropeiros que por aqui passaram. Os primeiros moradores construíram uma capelinha para a realização de novenas e orações como terço ao cair do crepúsculo. A construção foi nas proximidades do local onde hoje é o cemitério.

Uma imagem de São Joaquim foi esculpida em madeira e colocada no topo do altar, marcando a fé e a religiosidade do povo do nosso município. A imagem de São Joaquim e a vegetação deram o primeiro nome ao arraial: São Joaquim do Campo Verde. Com o passar dos anos, o lugar passou a ser chamado de São Joaquim de Bicas, porque a busca de minerais no leito do Rio Paraopeba englobava a dragagem dos cascalhos que depois eram lavados com jatos de água (bicas).

Festa do Mês de Agosto
A festa mais aguardada pela comunidade é a de nossos padroeiros São Joaquim e Sant’Ana, São Sebastião, Divino Espírito Santo e São Vicente. Essa festa tão tradicional vem sendo modernizada, acompanhando as mudanças sociais e econômicas da região. Às vezes essa festa era atração. Acontecia até dos fazendeiros se mudarem para a praça a fim de participar de todos os eventos. Na praça da igreja havia um “estacionamento” para cavalos e carroças, e normalmente as missas eram celebradas às 10:00h com procissões às 15:00h. As barracas de comes e bebes eram feitas de bambus e cobertas com folhas de piteiras. Eram tradicionais as barracas do “Mané Caetano”, que vendia suco (capilé) em potes de barro e queijo; “Dona Zefa” vendia biscoitos e “Dona Marieta” que além dos biscoitos e bolinhos, vendia um delicioso leite caramelizado. Havia também a presença de barraqueiros de outras regiões que por vezes montavam cinemas em casas de tábuas e circo de tourada.

Era comum ver “mulinha” feita de balaio correndo pelas ruas e assustando as mocinhas que de braços entrelaçados, acertavam os passos e davam voltinhas pela praça, encantando os corações dos rapazes. Hoje, a festa acontece no final do mês de julho, com a realização de novenas, procissões, celebrações, levantamento de bandeiras, leilões, barraquinhas, show pirotécnico, apresentação de conjuntos musicais entre outros acontecimentos. Esse evento tão expressivo em nosso município conta com a participação de todas as pastorais, movimentos religiosos, políticos, comerciantes e toda a comunidade, juntamente com a equipe de festeiros e o pároco. Vale a pena participar!

A Praça
A praça era rodeada de casas e algumas árvores, não existiam bancos, nem jardins, só a igreja de madeira ao centro. Esta igreja precisava de uma reforma e atendendo as necessidades e solicitações dos habitantes do já distrito, o Arcebispo de Mariana, Dom Silvério Gomes Pimenta, criou a paróquia de São Joaquim, criando uma grande inveja e revolta à nossos vizinhos.

A Pedra Fundamental
São Joaquim de Bicas era Distrito pertencente à Pará de Minas, e a paróquia de Mariana. Naquela época, era considerado distrito, aquele povoado que possuísse um cartório de registros. Em 1880, foi instalado aqui esse cartório, permanecendo até 1931, quando segundo alguns depoimentos, por razões e conflitos políticos, ele foi transferido para o povoado do Barreiro (atual Igarapé). Dizem que esse fato ocorreu na calada da noite para que o povo daqui não se manifestasse. Assim, São Joaquim de Bicas voltou à condição de simples povoado. Perdeu regalias políticas, mas na questão religiosa, continuou sendo a sede da paróquia.

Na medida que o povoado foi crescendo, a igrejinha de madeira já não comportava o grande número de fiéis, era preciso construir uma nova igreja. Para erguê-la era necessário a bênção da pedra fundamental por uma autoridade eclesiástica: o bispo de Mariana. O povo se mobilizou em constantes peregrinações à Mariana até conseguir. Outras comunidades também acalentavam o sonho de construir uma igreja para ser a sede da paróquia. Dando vazão a este sonho um grupo de homens de Igarapé, foi enviado à São Joaquim de Bicas para roubar a pedra fundamental. Segundo o depoimento de Dona Maria, casada com Sr. Antônio de Almeida e de outras pessoas que vivenciaram naquele período, por volta das 10 horas, horário em que as mulheres faziam o almoço, o Sr. Sidney, irmão do saudoso Osvaldo entrou gritando que estavam roubando a pedra fundamental. Apavorada, ela pegou um cabo de enxada e saiu juntando senhoras, pois todos os homens estavam trabalhando.

Então subiram Dona Maria, Dona Jerovina, Dona Divina e outras mulheres armadas de foices, pedaços de pau, cabos de enxada e vassouras, contando somente com a companhia do Sr. Sidney. Por razões inexplicáveis e até sobrenaturais, os homens não encontraram forças suficientes para carregar a pedra e a deixou perto de onde eles à retiraram. Ao verem as mulheres e o Sr. Sidney chegando, os homens fugiram assustados e o Sr. Sidney colocou a pedra nas costas com a maior facilidade e a trouxe de volta guardando-a na casa do Sr. João Maria. Temendo nova ameaça, os moradores daqui, armados de foices, enxadas e facões, montaram piquetes nos limites do povoado. Mas o fato não se repetiu. Os moradores construíram a nova igreja e enterraram a pedra fundamental debaixo do altar. Reformaram também a antiga igreja de madeira. Com o passar dos anos, a praça da igreja foi só melhorando e no ano de 1966, o prefeito de Igarapé do qual éramos distrito, reformou a praça da matriz, criando jardins e construindo bancos com nomes de pessoas importantes que contribuíram para a construção da nova praça.

Localização

São Joaquim de Bicas está localizado a 45km da capital do estado.

Acesso

Por terra: o acesso pode ser feito através da rodovia BR-381







Hotéis e Pousadas em São Joaquim de Bicas








Notícias, Reportagens e Artigos sobre São Joaquim de Bicas

Notícias > Turismo > Encontros e eventos de turismo

Atrativos turísticos de Minas Gerais serão apresentados na 6ª Edição do Salão Nacional do Turismo

Minas Gerais participa, entre os dias 13 e 17 de julho, do 6º Salão Nacional do Turismo – Roteiros do Brasil

 

Agências de viagens e turismo em São Joaquim de Bicas