Viaje quase de graça com Milhas Aéreas

Irati



As terras que compreendem a região de IRATI, em passado distante, além de mil anos, pertenciam aos ÍNDIOS. Esses índios, mestres em cerâmica e em lapidar pedra, eram os CAINGANGUES, ramo dos tupis.

Vestígios dessa antiga civilização, pedaços de vasos de barro, machados de pedra, tigelas ou pilões, braços de pilão, pontas de flechas, ainda, embora raramente, são encontrados na sede do município e outras regiões, acentuadamente em Itapará, Rio do Couro, Riozinho, Gonçalves Júnior, Rio Bonito, tendo existido uma tribo denominada COROADOS nas proximidades do Rio Água Quente, em Guamirim.

A denominação IRATI ocorreu em 1829 ou 1830, escolhida por PACÍFICO DE SOUZA BORGES e CIPRIANO FRANCISCO FERRAZ, que vieram da região onde se situa a cidade de Teixeira Soares, conhecer o sertão, batizar as terras e os rios.

Em 1839 chegaram ao território hoje IRATI, duas bandeiras procedentes de Sorocaba: a bandeira de JOSÉ DOMINGUES DA TRINDADE deu origem ao povoado Bom Retiro, hoje Guamirim; e a bandeira de JOÃO PEREIRA DE JESUS seguiu adiante pelo sertão e localizou-se nas terras onde fundou o povoado de PIRAPÓ.

As primeiras famílias que habitaram IRATI, depois IRATI-VELHO e hoje VILA SÃO JOÃO, teriam vindo de Palmeira, Imbituva, Lapa, Itaicoca, Assungui (hoje Cerro Azul) e Curitiba desde 1860. FRANCISCO DE PAULA PIRES, grande líder de COVALZINHO, depois IRATI, fixou residência aqui antes de 1890.

Em 1882, MANOEL DA CRUZ DO NASCIMENTO, antigo morador de Irati, na região que hoje é a Vila São João, doou suas terras, quatorze alqueires, ao santo protetor São João Batista, através de escritura pública lavrada em Imbituva. São pioneiros de Covalzinho: PACÍFICO DE SOUZA BORGES, FRANCISCO DE PAULA PIRES, JOSÉ MONTEIRO, JOÃO THOMAZ RIBAS, LINO MARIANO ESCULÁPIO e JOSÉ PACHECO PINHEIRO.

Em 1899, ano em que foram fixados em Covalzinho os trilhos da Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande e inaugurada a estação em dezembro do mesmo ano, além do arranchamento dos construtores da ferrovia, existiam apenas algumas rústicas moradias. Covalzinho não era sequer quarteirão policial, estando subordinado a IRATI (hoje Vila São João), distante 3 Km ao sul, mais desenvolvido em população. Toda a região pertencia ao município de IMBITUVA. A estação recebeu, então, o nome IRATI, escolhido pelo engenheiro JOÃO VISINONI, responsável técnico pelas obras da ferrovia.

A denominação Covalzinho começou a desaparecer e a ferrovia, facilitando o transporte, o comércio e as comunicações, atraiu novos habitantes. Entre os construtores da ferrovia estavam alguns destacados construtores da paisagem física e humana de Irati: JOÃO VISINONI, BASÍLIO FLORIANI, ANTONIO BUDEL, JOÃO GALICIOLI, ANTONIO BORAZO, BENEDITO DA CRUZ, BORTHOLO VICTORIO BENATO, THOMAZ MALANSKI, ANTONIO OLKOSKI, CÂNDIDO CORDEIRO e outros.

Entre os novos habitantes em 1899 e início do século XX são citados: PEDRO LAURENTINO DO BONFIN, BASÍLIO SAPLA, MANOEL GRACIA, EMÍLIO BAPTISTA GOMES, ANTONIO TEIXEIRA SABOIA, BENEDICTO DE MORAIS, BRAZ CALDERARI, FRANCISCO RIBEIRO DE MACEDO, FIRMINO JOSÉ DA ROCHA, MANOEL VASCONCELLOS SOUZA, JULIO VIEIRA LISBOA, LUIZ SCHLEIDER, DAVID JUSTUS SOBRINHO, ARCÉLIO BAPTISTA TEIXEIRA e outros.

O desenvolvimento se intensificou em todos os setores. Foram destocados os caminhos, que tinham como eixo a antiga RUA VELHA, hoje 15 DE JULHO. Através dos cargueiros, único meio de transporte existente na época, chegavam os produtos agrícolas, erva-mate, farinha de milho, toucinho, charque e outros. A ferrovia fez de IRATI um grande entreposto comercial, onde moradores de longínquos lugares vinham vender e embarcar seus produtos. No retorno, esses cargueiros levavam sal, tecidos, ferramentas e mercadorias necessárias à produção e sobrevivência no sertão. A estação de Irati tornou-se centro comercial de grande expressão. Os pinheiros e as erveiras dominavam a paisagem e seriam a força de dois ciclos da economia de IRATI.

Em 1899, inaugurada a Estação da Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande instalou-se o serviço de TELÉGRAFO. COVALZINHO passou a chamar-se IRATI. Em 1900 instalou-se a AGÊNCIA POSTAL e o DISTRITO POLICIAL.

Com a afluência de grande número de famílias, IRATI começa a crescer e transformar-se em centro de convergência de toda região. Em 1901 instala-se a primeira ESCOLA, sendo professora D. ROSALINA CORDEIRO DE ARAÚJO, chamada DONA NOCA.

Em 1903 é criado o DISTRITO JUDICIÁRIO DE IRATI, instalado somente em 1904. Foram eleitos os JUÍZES DISTRITAIS e dois CAMARISTAS para representar o povo na Câmara Municipal de Imbituva. Ainda em 1904 foi inaugurada a CAPELA NOSSA SENHORA DA LUZ, onde se situa a PRAÇA DA BANDEIRA. Em 1904 é criado o DISTRITO JUDICIÁRIO DE BOM RETIRO.

As viagens a IMBITUVA por caminhos difíceis, picadas, banhados e taquarais, para pagamento de impostos, atos judiciais, casamentos e regularização de papéis, no lombo de animais, tornou-se sacrifício que o povo não queria admitir e suportar e que a prosperidade geral se opunha. Nasce o movimento pela autonomia do Distrito Judiciário de Irati, então pertencente ao município de IMBITUVA. Os camaristas eleitos, Coronel FRANCISCO DE PAULA PIRES e Coronel EMÍLIO BAPTISTA GOMES renunciaram seus mandatos e iniciam, apoiados pela comunidade nascente, o esforço visando a criação do MUNICÍPIO DE IRATI.

Em 1907, com apoio do vice-presidente de Estado, Dr. JOÃO CANDIDO FERREIRA, no dia 2 de abril, é sancionada a LEI nº 716, criando o MUNICÍPIO DE IRATI, instalado no dia 15 de JULHO de 1907, constituído pelos Distritos Judiciários de IRATI, BOM RETIRO e IMBITUVINHA.

No ano seguinte, 1908, o MUNICÍPIO DE IRATI recebia o primeiro contingente de colonos HOLANDESES que se fixaram no NÚCLEO IRATI, hoje COLÔNIA GONÇALVES JÚNIOR. UCRANIANOS E POLONESES no mesmo ano ocuparam terras em ITAPARÁ, alcançando as nascentes do Rio dos Patos através de picadas e caminhos quase intransponíveis, orientados por líderes do município de PRUDENTÓPOLIS.

Em 1909 vieram para o NÚCLEO IRATI os imigrantes ALEMÃES. De 1910 a 1912 chegaram os POLONESES E UCRANIANOS. Esse movimento migratório foi iniciado e dirigido pelo GOVERNO FEDERAL. Proveniente da região de CAMPO LARGO, desde 1913, começaram a fixar-se em MATO QUEIMADO, RIO DO COURO, na sede municipal e outras áreas, os ITALIANOS.

Outro núcleo expressivo, porém espontâneo, formou-se na SERRA DOS NOGUEIRAS, constituído por colonos POLONESES, desde 1904. E, apesar da evasão que se verificou após esse primeiro desbravamento colonizador, em virtude das péssimas condições de vida e sobrevivência no sertão, as endemias, a falta de mercado para seus produtos, os colonos holandeses, alemães, ucranianos, poloneses, italianos e seus descendentes, na fusão de raças com os portugueses, espanhóis e nacionais, disseminados em todas as áreas do município, tornaram-se a grande força e motivação da economia de Irati.

Regiões Turísticas

Localização

Irati está localizada a 138km da capital do estado (em linha reta) e a 1.105 Km de Brasília, Distrito Federal.

Acesso

Por terra: o acesso pode ser feito através das rodovias BR-277 e BR-153

Hotéis e Pousadas em Irati

Hotel Monte Libano

Hotel Monte Libano

São Francisco 1 - Irati/PR

 

Hotel Monte Libano

Av. José Galicioli, 1205 BR 153
Irati - 4234221177

Hotel Monte Libano

Av. José Galicioli, 1205 BR 153
Irati - 4234221177

Agências de viagens e turismo em Irati

Dionir Turismo

Rua Antônio Budel, 65
Canisianas - (42) 3422-3015

Estela Mara Rosa & Cia. Ltda

Rua Doutor Munhoz da Rocha, 469 Sala 08
Centro - (42) 3422-3268

Irati Viagens e Turismo

Rua Doutor Munhoz da Rocha, 509
Centro - (42) 3422-2458

Satitur

Rua XV de Julho, 355
Centro - (42) 3423-3255

Veja todos as agências de turismo