Comendador Levy Gasparian



Localizada entre montanhas, Levy Gasparian tem como principal característica a tranqüilidade e a natureza que permitem aos turistas aproveitarem os dias com passeios, prática de trecking, rapel, rafting, camping e pesca. O circuito histórico de Levy Gasparian começa no distrito de Paraibuna, onde encontramos relíquias da historia do Brasil Colônia, como a Casa do Registro, a Igreja Nossa Senhora de Mont Serrat, o Cemitério dos Barões, um trecho original do Caminho Novo e único Museu Rodoviário do País.

Relaxe em um hotel-fazenda que, além de localização privilegiada e muito ar puro, oferece atividades de lazer como piscinas, banhos de cachoeiras, cavalgadas, criação de animais, e pesca em geral. Para aventureiros, o rafting proporciona momentos inesquecíveis junto a natureza.

Igreja de Nossa Senhora de Mont Serrat

O atual templo de Nossa Senhora de Mont Serrat é uma construção dos primeiros anos da segunda metade do século XIX, com linhas arquitetônicas de inspiração neo-gótica. Sua inauguração foi em meados de 1869, e contou com a presença do Imperador D. Pedro II, que na ocasião esteve acompanhado pelo seu genro, o Duque de Saxe.

Na sua construção uniu-se a então comunidade de Paraibuna, que contou com o apoio vital do Barão de Santa Justa e dos irmãos Hilário Joaquim de Andrade (Barão de Piabanha), Cristóvão Rodrigues de Andrade, Antônio José Barbosa de Andrade e Lauriano Rodrigues de Andrade.

O atual templo sucedeu a outro, erguido na segunda metade do século XVIII, a mando do Guarda-Mor das Minas Pedro Dias Paes Leme que, por sua vez, substituiu o primitivo, erguido pelo bandeirante paulista Garcia Rodrigues Paes nos primeiros anos daquele século.

Atualmente, apesar da beleza arquitetônica e de algumas peças decorativas, o templo encontra-se remodelado em muitos aspectos. Exemplo este no altar-mor, cujo original foi substituído por um dito “moderno”, o que levou a descaracterizá-lo.

A igreja de Nossa Senhora de Mont Serrat abriga ainda a belíssima imagem da padroeira, que pertenceu à conhecida família paulista de origem flamenga dos Leme. Quase em tamanho natural e em estilo barroco, a imagem é dotada de rica pintura, inclusive a ouro.

Museu Rodoviário

Construção datada de 1860, em estilo chalé francês, com estrutura de madeira e alvenaria, tijolos maciços e telhado em folhas de metal de cor clara, o prédio é tombado como patrimônio histórico nacional. Encontra-se em muito bom estado de conservação, conforme laudo técnico expedido pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

È a única das doze estações de muda de cavalos que existiam ao longo da Estrada União e Indústria, primeira rodovia brasileira construída atendendo a preceitos técnicos e modernos. Esta rodovia e as respectivas estações foram oficialmente inauguradas em 23 de junho de 1861, pelo imperador D. Pedro II e grande comitiva. Foi reinaugurado, agora como museu, em 23 de junho de 1972, com a presença do então Príncipe Imperial e herdeiro do trono do Brasil D. Pedro Henrique de Orleans e Bragança, diretores do DNER e autoridades públicas municipais da região. É o único museu em sua categoria em nosso país e sexto do gênero em todo o mundo.

Seu acervo está disposto tanto no interior do prédio quanto em sua parte externa, e é composto de diversificadas peças que formam um conjunto que conta a história das rodovias brasileiras. Abriga seu acervo desde antigas máquinas movidas à vapor e utilizadas na abertura e conservação das primeiras rodovias brasileiras até medalhas e chafarizes de pedra. Sua principal peça é a diligência denominada Mazeppa, que em 1861 fazia a ligação Petrópolis - Juiz de Fora, e que, segundo a tradição, teria servido ao imperador D. Pedro II na viagem inaugural da Estrada União e Indústria.
Há também ônibus, jeeps, tratores, marcos de pedra, placas de inauguração das principais estradas brasileiras, quadros de personalidades históricas como D. Pedro II, Getúlio Vargas, Mariano Procópio e Tiradentes, dentre outros.

Pedra de Paraibuna

Ao lado das corredeiras do rio Paraibuna, a grande formação rochosa em granito existente em Mont Serrat, 2° distrito do município, denominada Pedra de Paraibuna, é uma das mais belas atrações turísticas naturais da região.
Segundo dados fornecidos pelo IBGE, a pedra possui aproximadamente 890 metros de altitude a partir do nível do mar e, em vão livre, possui um imenso paredão vertical com cerca de 400 metros de altura. Do seu cume tem-se uma visão panorâmica do Vale do Rio Paraibuna, chegando, em dias pouco nublados, a avistar o Centro de Comendador Levy Gasparian e a vizinha cidade de Simão Pereira e arredores.

Por ser situada em área particular, o Governo Municipal tem desenvolvido entendimentos junto a seus proprietários, com o objetivo de franquear o acesso de turistas e de moradores de nossa comunidade ao cume da pedra.

Corredeiras do Rio Paraibuna

Internacionalmente conhecidas, as corredeiras do Rio Paraibuna são hoje, sem dúvida, a principal e mais requisitada atração turística não somente de Comendador Levy Gasparian, como de toda a região. Com início da descida em Levy Gasparian e término em Três Rios, e com um percurso de aproximadamente seis quilômetros, as corredeiras são grandemente exploradas por agências de turismo especializadas, algumas do próprio município.

O Governo Municipal, dentro de suas possibilidades, tem proporcionado todo o apoio necessário à prática de canoagem no rio Paraibuna, colaborando assim para a divulgação do município e aumento do número de empregos em Levy Gasparian.

Prédio do Colégio Coronel Antônio Peçanha

Situado no coração de Levy Gasparian, é uma construção da segunda metade do século XIX. Seu estilo é neo-clássico, cujos detalhes de sua ornamentação em grande parte se perderam. Entretanto, conserva suas linhas arquitetônicas básicas, em ótimo estado de conservação.

Os dois extremos do prédio são dotados de ricos e raros vasos policromados em porcelana de Santo Antônio do Porto, procedência também das três imagens (das quatro originais), que representam as estações do ano, situadas na fachada principal, sobre a cobertura do segundo andar.

A sua construção foi determinada por Hilário Joaquim de Andrade, Barão de Piabanha, fundador da cidade de Comendador Levy Gasparian. Inicialmente, era destinado a residência em sua parte superior, e comercial na inferior, onde eram comercializados os produtos oriundos de sua Fazenda de Serraria, principalmente café.

Após a morte do Barão de Piabanha em 1865, seus filhos e herdeiros, atendendo a uma de suas últimas vontades, uniram-se e transformaram o palacete em uma escola pública. Sua inauguração ocorreu em 1873, sendo portanto uma das escolas públicas mais antigas existentes em nosso estado, e suas atividades têm sido ininterruptas nestes mais de 125 anos.

Regiões Turísticas

Localização

Comendador Levy Gasparian está localizada a 160km da capital do estado.

Acesso

Por terra: o acesso pode ser feito através da rodovia BR-040

Hotéis e Pousadas em Comendador Levy Gasparian








Agências de viagens e turismo em Comendador Levy Gasparian

Leilatour

Rua Geraldo Duarte 85
Santo Antônio da Cachoeira - (24) 2611-4540

Leilatour

Rua Geraldo Duarte 85
Santo Antônio da Cachoeira - (24) 2611-4540