Mesquita



Há 500 anos, a cidade de Mesquita era habitada por “jacutingas”, apelido dado aos índios pelos colonizadores. Acredita-se que o nome possivelmente surgiu porque se enfeitavam com penas de jacu branco (um tipo de ave parecida com a galinha e muito comum na região naquela época).

A decadência dos jacutingas começou quando passaram a participar, junto com outras nações indígenas, de um movimento chamado Confederação de Tamoios. O motivo deste movimento foi a revolta dos índios diante da ação violenta dos portugueses, provocando mortes e escravidão.

Na língua do Tupinambás "Tamuya" quer dizer "o avô, o mais velho, o mais antigo", por isso essa Confederação de chefes chamou-se Confederação dos Tamuya, que os portugueses transformaram em Confederação dos Tamoios.

A guerra entre índios e portugueses, seguida de doenças, contraídas pelo contato com o branco, dizimou centenas de índios, que lutaram para resistir à escravidão. O bairro de Jacutinga é o único em toda a Baixada Fluminense que ainda preserva a memória dos valorosos indígenas.

Fazendo uma viagem de volta ao tempo descobriremos que nossas terras já foram verdes, laranjas: verde dos canaviais, depois a cor que passou a predominar foi a dos laranjais. Por volta de 1700 um engenho já funcionava na descida da Serra da Cachoeira, produzindo açúcar e aguardente com mão-de-obra escrava.

O engenho era situado onde hoje temos o Parque Municipal e seu proprietário era o Capitão Manoel Correa Vasques. As terras de Cachoeira passaram por vários donos, até que foram parar nas mãos de Jerônimo José de Mesquita, o primeiro Barão de Mesquita, e, mais tarde, nas mãos de seu herdeiro, Jerônimo Roberto de Mesquita, que viria a ser o segundo Barão de Mesquita.

Em 1884, quando a Estrada de Ferro chegou às terras, a parada de trem passou a se chamar Barão de Mesquita. Nessa época as fazendas começaram a não dar mais lucros, principalmente por conta da abolição dos escravos, e a fazenda da Cachoeira foi vendida e transformada em chácaras de plantio de laranjas. No início do século XX surgiram as olarias, atraídas pela qualidade do barro e por áreas alagadas da região

Durante muitos anos a paisagem de Mesquita foi formada por laranjais, olarias e poucas residências. Por volta de 1940 a população atingia cerca de 9.109 mil habitantes, mas a decadência na produção de laranjas provocou a venda das chácaras e começaram a surgir os primeiros loteamentos, entre o pé da Serra e a Estrada de Ferro.

Gleba

A Gleba é uma área de lazer em meio a muito verde que atrai visitantes de vários municípios da baixada. Com 1.100 hectares de natureza, cultura e história. Em junho de 2004 foi oficializado o primeiro geoparque do Brasil. Localizado no Maciço do Gericinó, entre as serras de Madureira e do Mendanha o Parque abriga um vulcão extinto com 72 milhões de anos virando atração para os curiosos.

O casarão destinado ao Centro de Visitantes foi sede de fazenda no século XIX e é considerado o prédio mais antigo deNova Iguaçu. Para sua construção, com paredes de taipa-de-pilão e alicerces de pedra, foi usada a madeira tapinhoã, extinta há mais de 150 anos.

O Parque foi criado em 1998 para proteger a fauna, desde então sua beleza vem atraindo as pessoas que procuram tranqüilidade em meio à natureza. Lagos naturais, jequitibás, jacarandás, samambaiaçus, cedros, ipês, cachorro-do-mato, preguiças, saguis, tudo isso compõe a bela paisagem que o parque oferece. Na mata há quem afirme que ainda são encontrados madeiras do tipo cedro e o raro pau-brasil e que a Gruta da Pedra da Contenda, ou Pedra do Quilombo, que possivelmente serviu de esconderijo para escravos fugitivos. Coleiros, sanhassos, marias-pretas e caxinquelês voam pela mata que guarda um pouco da magia que encantou os portugueses na época do descobrimento do Brasil.

Ao lado da sede da Fazenda Dona Eugênia, encontra-se uma das mais belas paisagens da Gleba, a Cachoeira Véu da Noiva, também conhecida como Cachoeira Grande que deságua na Baía de Guanabara.

O principal acesso a Gleba Modesto Leal, é pela Avenida Brasil, que tem inicio em Mesquita e termina no alto da serra, ao lado da casa em ruínas do Conde Modesto Leal que construí a casa, que possuía até uma piscina feita de cimento, que hoje é utilizada por posseiros como tanque para criação de peixes. Caminhadas ecológicas, excursões, esportes radicais, passeios com a escola ou visitas com a família podem revelar grandes surpresas como mirantes com belas vistas. A Gleba fica aberta de terça a domingo das 8:00h às 16h.

Cinema Popular

A Sala Popular Zelito Viana, inaugurada em junho de 2004, é mais uma opção de lazer e entretenimento através de um convênio entre a Secretaria Estadual de Cultura e a Prefeitura Municipal de Mesquita. A Sala Popular localizada na Sede da Prefeitura de Mesquita funciona de quinta a domingo, exibindo filmes famosos nacionais e internacionais sendo bastante freqüentado.

O batismo da Sala com o nome Zelito foi importante já que se trata de um patrono, cujo nome está ligado intimamente à atividade cinematográfica em nosso país, quer como produtor, quer como diretor. Nascido em 1938, no Ceará vindo de uma família de classe média. Zelito desde cedo foi envolvido pela cultura brasileira, vários de seus irmãos se destacaram em atividades artísticas: Chico Anísio, Elano de Paulo, Lupe Gigliotti, além de filho e sobrinho, Marcos Palmeira, Bruno Mazzeo, Niseo de Paula, Cininha de Paula e Betsé de Paula.

Além da programação, a Sala Popular Zelito Viana realiza sessões extraordinárias previamente agendadas com o Departamento de Cultura. A novidade para o ano de 2009 é o Projeto Cine Escola, que tem como objetivo sensibilizar para os conteúdos dados em sala de aula, tendo a linguagem cinematográfica como mecanismo de sensibilização. Seguem também as atividades com o Cineclube Goteira, que acompanha as atividades do Cinema desde o início. Segundo o produtor cultural e Diretor do Ascine-RJ – Associação do Cineclube do Rio de Janeiro -, Flávio Machado a idéia é levar o projeto Cine Clube para mais espaços na Baixada Fluminense.

“A Sala Popular Zelito é um ótimo lugar para realizarmos as exibições e debatermos não somente o assunto do filme, mas também outras linhas de assuntos que acabam surgindo durante o debate”, afirmou.

De acordo com o Secretário de Cultura Delmar Cavalcante, a Sala Popular Zelito Viana continua exibindo em suas programações filmes comercias, porém o Cineclube Zelito Viana é direcionado para as pessoas que fogem da programação comercial e de filmes facilmente encontrados em locadoras. No final de cada exibição do Cineclube, os próprios freqüentadores, que variam entre jovens e adultos, sugerem os filmes para a próxima exibição. Uma programação continuada e diversificada em estilos está disponível à população, gratuitamente, desde a seção Sugoi, que projeta filmes de animação orientais, passando por uma programação infantil ou clássica, propiciando uma diversidade que pode agradar a todos os gostos.

Regiões Turísticas

Localização

Mesquita está localizada a 24km da capital do estado.

Acesso

Por terra: Sentido São Paulo - Rio
Rodovia: Pela Av. Presidente Dutra utilizar a saída de Belford Roxo

Hotéis e Pousadas em Mesquita








Agências de viagens e turismo em Mesquita

Hélio Barbosa da Silveira - Agênciamento de Viagens

Rua Roberto Figueira 116 Casa Parte
Rocha Sobrinho - (33) 0000-0000

Hélio Barbosa da Silveira - Agênciamento de Viagens

Rua Roberto Figueira 116 Casa Parte
Rocha Sobrinho - (33) 0000-0000