Cidreira



Em 1767 a Coroa de Portugal doou a sesmaria de Cidreira para o Almoxarife-Mor Manuel Pereira Franco. Possuia de frente 4,5 léguas (29.700m), com 2,5 léguas de orla marítima (16.500m) e era composta pelas fazendas Cidreira, Rondinha, Roca Velha, Ponta do Mato e Porteira. Posteriormente, devido à sonegação de impostos, a Coroa confiscou as terras para serem leiloadas.

Em 1819 a Sesmaria de Cidreira foi comprada por Luiz José Ferreira Saraiva, legando ao filho Francisco Pereira Saraiva as terras do Norte: Roca Velha, Rondinha e Cidreira.

Somente após 1860 começaram a vir para Cidreira os primeiros veranistas, ficando em casas de palha, com chão de areia batida. Dentre os pioneiros encontravam-se as famílias Pilla, Boppe, Mostardeiro, Chaves Barcellos, Alberto Bins, J.H.Santos e outras.

Devido ao difícil acesso não havia moradores, o que passou a ocorrer após a construção do primeiro farol, destacando-se João Neves, Fiscal do Governo Estadual, que passou a residir aqui para impedir a construção de casas sem a autorização do Governo.

A partir de 1930 começaram a surgir as primeiras casas de madeira, sendo construída (em madeira) a Igreja Nossa Senhora da Saúde, surgindo, também, os Hotéis Atlântico (no local onde hoje é a Estação Rodoviária), Farroupilha (atualmente Edifício Alvorada), Castelo, Farol, Cidreira e outros.

Em 1950 foi iniciada a construção da estrada ligando Porto Alegre ao litoral (concluida em 1958), desenvolvendo-se o processo de urbanização de Cidreira/Pinhal. Em 1954 a CEEE instalou o primeiro gerador de energia elétrica, seguindo-se na década de sessenta o primeiro posto telefônico e o serviço de tratamento da água, pela Corsan.

O município teve a sua origem em Santo Antonio da Patrulha, passando mais tarde a pertencer a Osório e, por fim, a Tramandaí – até que, em maio de 1988, foi emancipado.

Cidreira dispõe de:

* Dunas: considerada uma das maiores reservas de dunas da América Latina;

* Lagoas: voltadas às práticas dos esportes náuticos;

* Praia: sol, mar, banho, surf, pesca, esporte, lazer;

* Plataforma de pesca;

* Farol, situado entre Nazaré e Salinas, que auxilia as embarcações em seu curso, com seu facho de luz com 30 km de alcance, no sentido norte - sul;

* Estádio Municipal, com capacidade para 15.000 espectadores;

* Concha Acústica e Calçadão à beira-mar;

* Gastronomia.

Após janeiro de 1996, com a emancipação do Balneário Pinhal, a área do município de Cidreira ficou restrita a 235 km, compreendendo os bairros de Salinas, Nazaré, Centro, Zona A, Costa do Sol e Fortaleza (zona rural).

A economia gira em torno da construção civil, comércio e serviços, agricultura, pecuária e pesca (em especial a do camarão, cuja abundância originou o Festival do Camarão, hoje denominado “Festa Estadual do Camarão e Frutos do Mar”).

A cidade conta com pronto socorro 24 horas, Casa da Mulher, três postos de saúde, quatro escolas municipais e duas escolas estaduais (acolhendo cerca de 3.300 alunos), três creches, uma unidade da Universidade Estadual do RGS, além de destacamento da Brigada Militar, guarnição do Corpo de Bombeiros e Delegacia de Polícia; agência bancária do Banrisul, agência postal do Bradesco (junto aos Correios) e postos de atendimento eletrônico automático do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.

A população fixa hoje é de aproximadamente 10.000 pessoas, chegando na alta temporada à média de 150.000 pessoas.

Regiões Turísticas

Localização

Cidreira está localizada a 120km da capital da capital do estado.

Acesso

Por terra: o acesso pode ser feito através da RS-040

Hotéis e Pousadas em Cidreira