Pimenta Bueno



A denominação dada ao rio, ao lugarejo e, oportunamente, à estação Telegráfica de “Pimenta Bueno”, pelo chefe da Comissão Rondon, deve-se a homenagem que o mesmo estaria prestando ao ilustre homem público, Francisco Antônio Pimenta Bueno, nascido em Cuiabá, aos 10 de novembro de 1836 e falecido no Rio de Janeiro em 07 de dezembro de 1888.

Francisco era filho do Dr. José Antônio Pimenta Bueno, Visconde e Marquês de São Vicente e da Marquesa Dona Balbina Henriqueta de Faria e Albuquerque.

Francisco Antônio Pimenta Bueno, de excelente formação moral, descendente de nobre família, desde muito cedo, abraçara a carreira militar tornando-se Coronel do Estado Maior de Primeira Classe.

Laureado em Ciências Matemáticas pela antiga Academia Militar, foi Pimenta Bueno distinguido pelo governo imperial com diversas e importantes comissões de caráter civil, destacando-se, dentre elas, a de exercer a Presidência da Província do Amazonas, no ano de 1888, quando D. Pedro II dirigia os destinos da nação, quase ao final do segundo reinado.

A sua reconhecida competência técnica o colocara sempre em posição de relevo entre os seus colegas, sendo-lhe atribuída a execução de obras militares da mais alta importância, tendo-as desempenhado sempre com inteligência e patriotismo. Entre essas obras, merece menção a “Carta da Província de Mato Grosso” que por si só seria suficiente para recomendar a sua competência profissional, uma vez que nela evidencia o largo conhecimento adquirido no sertão mato-grossense, por ele explorado e desbravando.

Rondon, quando partiu no desempenho da magnânima obra (traçado da linha telegráfica), municiou-se de todos os dados e informações disponíveis a respeito do vasto sertão que iria devassar. Como ele próprio registra, especialmente quando se reporta ao fato de iria “descobrir” o rio Jurema, porquanto, na ocasião apenas vagas e antigas indicações documentais faziam alusão sobre ele, dentre as referências, destaca “cidade de Mato Grosso”, de Taunay e registros cartográficos, dos tempos coloniais, dentre as quais as anotações de Pimenta Bueno.

Há referências que em 1926, o vilarejo contava com a população de 24 pessoas. Até a década de 1940, o pequeno povoado viveu em função do posto telegráfico e a economia girava em torno da extração da borracha e garimpo de diamantes. Nos anos 1960 com a abertura da BR-364 pelo quinto batalhão de engenharia e construção (5.º BEC) a vila se expandiu.

Em 1969, com a implantação do projeto integrado de colonização pelo Incra, começaram a chegar os migrantes, vindos especialmente do sul, para promover o crescimento e o progresso do então território federal do Guaporé, posteriormente território federal de Rondônia. Ainda hoje, segundo pesquisadores, residem no Município, descendentes daqueles pioneiros.

Elevado a condição de município, por meio do decreto n.º 6.448, artigo 47 de 11 de outubro de 1977 foi criado o Município de Pimenta Bueno, sua emancipação político-administrativa aconteceu em 24 de novembro de 1977, data em que comemora o aniversário do Município e a posse do primeiro prefeito nomeado pelo governador Humberto da Silva Guedes (Coronel do Exército), Vicente Homem Sobrinho.

Regiões Turísticas

Localização

Pimenta Bueno está localizada a 438km da capital do estado.

Acesso

Por terra: o acesso pode ser feito através da rodovia BR-364

Hotéis e Pousadas em Pimenta Bueno








Notícias, Reportagens e Artigos sobre Pimenta Bueno

Notícias > Turismo > Gastronomia

Festival gastronômico agita interior de Rondônia

Festival gastronômico agita interior de Rondônia

O evento já é tradição no Estado; em 2009 12 restaurantes participam com novos pratos

 

Agências de viagens e turismo em Pimenta Bueno

Pimenta Tur

Avenida Castelo Branco, 1031 Sala 05
Pioneiros - (69) 3451-7196

Pimenta Tur

Avenida Castelo Branco, 1031 Sala 05
Pioneiros - (69) 3451-7196