Coalização de Ongs solicita que recomecem do zero a discutir o acordo sobre comércio na Rio+10

A Coalizão de organizações não-governamentais Eco Igualdade acredita que o documento em discussão relativo a comércio e globalização é abismal. Está tão longe dos objetivos em termos de garantir o desenvolvimento sustentável que ele deve ser jogado no lixo.

A Coalizão (formada pela Northern Alliance for Sustainability, Consumers International, Danish 92 Group, Amigos da Terra, Greenpeace, Oxfam e WWF) está convocando os ministros presentes à Rio+10 a admitirem que o pacote econômico que está na mesa de negociações é totalmente inadequado, e pede que eles recomecem a discutir do zero o acordo sobre comércio.

De acordo com Analuce Freitas, coordenadora de Políticas Públicas do WWF-Brasil, a recusa dos países da Europa em discutir a retirada de subsídios para atividades ambientalmente danosas está emperrando as negociações.

Os subsídios prejudicam as nações em desenvolvimento e com isso colocam em risco as metas de proteção de biodiversidade já aprovadas em outros encontros. Os países em desenvolvimento abrigam a maior biodiversidade do planeta, e eles não terão como cumprir essas metas se os subsídios não forem suspensos.

Eles também pedem um compromisso com a transferência de tecnologia e recursos - outro ponto que os países da Europa não querem aprovar. "Os europeus recusam-se a colocar a retirada dos subsídios no texto", disse Analuce, que está acompanhando as negociações.

Em uma carta aberta enviada a todos os ministros na tarde de hoje, a Coalizão Eco Igualdade e outras ONGs afirmaram que os negociadores obviamente não percebem que eles não estão discutindo na Organização Mundial do Comércio.

"Eles deveriam estar envergonhados de produzir um texto tão lamentável sobre desenvolvimento sustentável", disse o grupo. A Coalizão anunciou que vai se desligar das discussões sobre comércio e globalização até que o texto em negociação seja apresentado de forma a promover o desenvolvimento sustentável.

Na carta, a Coalizão também destacou suas principais preocupações e as áreas que precisam ser melhoradas e incluídas nesta Cúpula.

O estrago feito pelo comércio insustentável nas pessoas e no meio ambiente só vai piorar se não houver uma guinada na abordagem dos governos à globalização. Se esta mudança não ocorrer em Johanesburgo, a Coalizão pergunta-se onde e quando isso acontecerá.

Fonte: Ass.Com. do WWF-Brasil