Epidemia de aids ganhou título especial na declaração da Rio+10

A área de saúde foi a primeira a fechar o texto que fará parte da declaração final da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, que se realiza em Johannesburg.

A grande novidade foi a inclusão de um capítulo especial dedicado à epidema de Aids, onde está estipulada a meta de reduzir em 25% a ocorrência do vírus HIV na faixa etária de 15 a 24 anos nos países mais afetados pela doença, até 2005.

A mesma meta deve ser atingida até 2010 em todos os países. A área de saúde foi a primeira a fechar o texto que fará parte da declaração final da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, que se realiza em Johannesburg.

A grande novidade foi a inclusão de um capítulo especial dedicado à epidema de Aids, onde está estipulada a meta de reduzir em 25% a ocorrência do vírus HIV na faixa etária de 15 a 24 anos nos países mais afetados pela doença, até 2005.

A mesma meta deve ser atingida até 2010 em todos os países. A realidade devastadora dos números da Aids em todo o mundo justificam a inclusão do tema na declaração da Rio+10.

De uma população mundial que já atingiu o patamar de 6 bilhões, 40 milhões de pessoas estão infectadas e mais de 70% delas vivem na África, na região abaixo do Saara, a chamada África subsaariana.

Os índices de infectados em vários países africanos ultrapassam os 30%, entre a população adulta. Botsuana tem 39% de adultos com o vírus, Suazilândia tem 33% e Lesoto tem 31%. No Zimbábue, 2 milhões estão infectados, entre os 6 milhões de adultos, o que dá um índice de 33,7%.A África do Sul, que sedia o evento, tem 4,7 milhões de pessoas com o vírus, o que representa 20% da população adulta.

Em linhas gerais, o texto de saúde de Johannesburg considera o direito à saúde um bem que só pode ser alcançado com a erradicação da pobreza, e reafirma como direito geral o acesso a serviços eficientes de saúde e a medicamentos essenciais a preços que possam ser pagos por todos. O texto prevê também a redução da mortalidade infantil em 2/3 até 2015.

Fonte: Agência Brasil