Proposta brasileira de Energia é derrotada na Rio+10

O presidente Fernando Henrique Cardoso admitiu, que ficou frustrado com a decisão dos países participantes da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+10, de não acatar a proposta brasileira de que, até 2010, pelo menos 10% da matriz energética mundial seja gerada por fontes renováveis de energia.

`Eu acho que isso demonstra uma falta de vontade de alguns países no sentido de, realmente, quantificarmos e termos objetivos, isso me parece que não é positivo`, afirmou.

FHC, entretanto, disse que o Brasil vai continuar lutando pela meta de 10% e o ministro do Meio Ambiente, José Carlos Carvalho, adiantou que o país já fez ontem uma declaração de voto lamentando que a proposta não tenha sido acolhida pela Cúpula.

Estados Unidos, Japão, Austrália e os países exportadores de petróleo - Arábia Saudita à frente - só permitiram a menção a `metas regionais voluntárias` no Plano de Implementação da Agenda 21.

`Na plenária de amanhã (4), o Brasil irá novamente fazer uma declaração de voto dizendo que em razão do mandato que tem de todos oa países da América Latina e Caribe, vai continuar com essa proposta`, garantiu.

A proposta brasileira é de meta global de 10% de fontes renováveis na matriz energética do mundo até 2010. A União Européia propõe 15% até 2010, mas com os países

industrializados, cuja média é de 5,6%, aumentando apenas 2% nesse período.

O governo também recomendou aos negociadores internacionais que retomem, no âmbito da Comissão de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, as discussões sobre o tema.

`Pelo esforço que nós realizamos, não me sinto derrotado, mas estou frustrado pelo fato desta iniciativa não ter prosperado da maneira que nós havíamos imaginado`, admitiu o Ministro brasileiro do Meio Ambiente, José Carlos Carvalho

Fonte: Agência Brasil