Sustentabilidade e democracia global têm momento crucial em Joanesburgo

A Cúpula Mundial de Desenvolvimento Sustentável, convocada por governos nacionais no âmbito das Nações Unidas, para impulsionar os acordos e compromissos firmados na Rio-92 e em outras conferências associadas ao desenvolvimento humano, encontra-se em momento crítico: as negociações do plano de ações, um dos produtos esperados deste encontro, demonstram ainda o embate não somente entre países industrializados e países em desenvolvimento, mas também entre aqueles atores que desejam manter o status quo (de poder e do sistema econômico) e aqueles que querem promover as ações de transformações do modelo de consumo e produção, necessários para a erradicação da pobreza e a sustentabilidade ambiental.

A falsa polarização entre governança local e governança global, ou entre combate a pobreza e ações de conservação ambiental, e a contraditória pressão para a abertura indiscriminada dos países em desenvolvimento para o comércio e investimentos internacionais enquanto os países industrializados continuam a manter subsídios e

barreiras não alfandegárias em suas economias, continuaram nesta semana sendo o principal empecilho para que a Conferência produza resultados concretos.

Fonte: Fórum Brasileiro de ONGs