Brotas de Exploranter: Verticália e Rafting

Silvana Gomes - 29/10/2002

Apresentação


Criançada `explorando` o hotel sobre rodas
© Cesar Greco

Quando fui convidada pela Terra Mater Expedições para ir a Brotas a bordo do Exploranter não tive dúvidas, aceitei de imediato. Brotas, que fica cerca de 260 quilômetros da capital paulista é um destino excelente para prática de diversos esportes de aventura, como rafting, canyoning, rapel, bóiacross, acquaride, e muitos outros, graças ao rio Jacaré Pepira, que corta o município. A viagem do hotel sobre rodas (Exploranter) estava prevista para acontecer no final de semana com as atividades Verticália e rafting.



©

Saímos em uma sexta-feira da praça Professor Cardim, localizada atrás do Jóquei Clube de São Paulo por volta das 21h com 22 hóspedes, dentre eles 12 pequenos `aventureiros`. A criançada estava agitadíssima com a novidade do hotel sobre rodas. Enquanto os passageiros chegavam em meio ao trânsito infernal de sexta a noite, a garotada ouvia atentamente as regras do hotel encantados com sua primeira viagem em um hotel itinerante, enquanto realizavam uma verdadeira expedição entre os quartos, banheiros e a cabine onde todos viajariam. Mas a animação da criançada não escondia a ansiedade de nós adultos.

Nem mesmo o avanço da madrugada conseguiu cansar os pequenos. Depois de aproximadamente quatro horas e meia de estrada, chegamos ao Verticália, onde montamos a estrutura externa do Exploranter. Nem preciso falar que a molecada estava eufórica com a experiência e nem sequer perderam tempo, saíram com a companhia do vigia do Verticália para uma pequena caminhada noturna nos arredores. Os adultos trataram de ajudar o possível na montagem das mesas para que, na manhã que seguia tomássemos um gostoso café.

Fui dormir já tarde, mas não via o momento de logo acordar para então desfrutar do percurso de arvorismo que nos esperava.

Primeiro dia


Café da manhã com visual natural de Brotas
© Cesar Greco

Apesar de termos dormido pouco, o grupo estava bastante animando, todos acordamos em uma manhã de clima ameno com a paisagem local nos presenteando com o gostoso ar do interior.

O café já estava a mesa, aos poucos, os hóspedes começavam a entender melhor o funcionamento do hotel.


Ambiente do hotel no café.
© Cesar Greco

Já fartas, as crianças começavam a perguntar o que viria a acontecer. A maior parte da garotada foi para uma caminhada e o restante do grupo ficou para então conhecer o Verticália.

Confesso que estava curiosa, pois havia ouvido falar muito sobre a prática do arvorismo.


Instruções sobre o Verticália.
© Cesar Greco

Todos os que ficaram se dirigiram para conhecer o Verticália. Fomos recebidos pela Luciana que logo providenciou os equipamento para o nosso grupo. Em seguida tivemos as instruções para percorrer as cinco etapas do arvorismo. Atento, meu grupo logo se dispôs a enfrentar as atividades. Me diverti muito, enquanto terminávamos os níveis de dificuldade o pessoal tirava um dedo de prosa sobre o que tinha sentido em cada uma das atividades, inclusive ficávamos esperando o outro companheiro descer pela tirolesa que findava cada nível, para ver a emoção que cada um sentia.


Enfrentando os primeiros níveis do percurso.
© Cesar Greco

A cada circuito concluído as dificuldades aumentavam e também a emoção.

Depois de mais ou menos duas horas todos haviam terminado o circuito, inclusive as crianças que tinham altura suficiente para realizar o passeio aéreo.

Merecidamente o nosso grupo se reuniu na creperia para degustar o almoço, um delicioso crepe salgado seguido de sorvete como sobremesa. Enquanto descansávamos era inevitável dividir as experiências da aventura.


Mais emoção no final do percurso.
© Cesar Greco

Nem sequer esperamos a digestão e uma parte daquele grupo resolveu fazer um passeio. Eu e outros colegas de viagem resolvemos ir a pé até a cidade por um caminho entre as fazendas da região e a linha do trem, outro grupo logo organizou um bóiacross pelo rio Jacaré Pepira oferecido pela Alaya, agência proprietária do Verticália.

O meu fotógrafo aproveitou e foi junto com o pessoal do bóia. Foi ótimo, pois, enquanto estava conhecendo a cidade íamos nos encontrar no centrinho, onde é o ponto final da descida. Segundo ele, o rio estava bastante baixo e em alguns pontos chegava a enroscar nas pedras do rio, mas todos se refrescaram e se divertiram muito, já que realmente naquela tarde fazia um calor escaldante pós-manhã amena.

Cansados, embora felizes pelo bom dia que havíamos passado, quando chegamos ao Exploranter, o nosso hotel, o jantar estava sendo preparado.


Preparação para o bóiacross.
© Cesar Greco

Todos foram tomar banho e ter o primeiro contato mais íntimo com o inusitado hotel.

Famintos, todos nos sentamos e apreciamos um verdadeiro deleite, salada com molho especial, creme de milho, purê de batata, costela de boi no bafo, batatas fritas e ainda frango enrolado com queijo e presunto.

Saciados, inclusive as crianças, fomos deitar cedo para no dia seguinte aproveitarmos o esperado rafting.

Segundo dia


Todos em pé bem cedo para o rafting.
© Cesar Greco

O rafting estava marcado para o primeiro horário, 8h da manhã. Acordamos bem cedo, às 6h, tomamos novamente um gostoso café da manhã. Todos ajudaram a desmontar a estrutura hoteleira do Exploranter para rapidamente nos dirigirmos até a agência receptiva Mata`Dentro que iria levar o nosso grupo nas corredeiras do Jacaré Pepira a baixo.

Chegamos na agência para confirmar a nossa saída, percebi que havia um número menor de reservas em relação ao nosso grupo, mas tudo foi resolvido e seguimos para o local de onde partem os botes.


Espera pelo rafting no centro de Brotas.
© Cesar Greco

Chegamos lá com um maravilhoso sol de domingo, ao contrário do que indicava a previsão do tempo daquele dia. O guia local reuniu todos os participantes daquele rafting para passar as instruções de segurança e comportamento durante a descida. Fizemos um alongamento e nos separamos em grupos de quatro para a descida. Tudo pronto, colete ajustado, capacete na cabeça e a surpresa! Não havia lugar suficiente para descermos eu, meu fotógrafo e outro colega de imprensa que também nos acompanhava na viagem. Frustrados, tiramos os aparatos de segurança e ficamos no local esperando o motorista do ônibus que havia nos levado até aquele local para então, nos levar de volta até a cidade de Brotas, de onde partiríamos para São Paulo após um lanche e o check-out nos quartos do hotel.


Alongamento para a descida.
© Cesar Greco

De qualquer forma tudo acabou dando certo, seguimos naquela tarde de calor para São Paulo, embora sentindo uma vontade enorme de ter caído nas águas do Pepira.

No caminho pudemos apreciar um espetáculo da natureza, a lua estava cheia e mostrou o seu brilho durante todo o percurso de volta a capital.

Serviços

Terra Mater Expedições

Fones: (11)3253-5833 (11)3141-0436
www.terramater.com.br

Dicas da autora


Silvana Gomes
© Cesar Greco

Viajar de Exploranter é muito divertido, você tem toda a estrutura que precisa para comer, dormir, tomar um bom banho quente e ainda curtir a beça. Em viagens de fim de semana como foi a minha é interessante levar roupa necessária para dois dias, para não ficar carregando peso extra.

No Verticália, com dia de muito sol é preciso usar protetor solar, pois para percorrer todo o percurso fica-se cerca de duas horas exposto aos raios solares, embora seja muito divertidíssimo. Repelente também é aconselhável.

Brotas oferece muitas atividades para o turista, consulte sempre com antecedência as agências receptivas para verificar se há vagas disponíveis nos passeios, do contrário você estará se arriscando e não conseguirá realizar alguns passeios.