Seja dono da sua Agência de Viagens Virtual

Artigos > Meio Ambiente > 

Arte e natureza de mãos dadas

A arte contribui com a natureza quando por meio de uma pintura, ilustração botânica ou até um objeto de artesanato, tem-se a sensação de que tudo no meio ambiente pode ser reutilizado sem que nada seja prejudicado. Dulce Nascimento: Pinturas da natur

9 de Outubro de 2002.
Publicado por Equipe EcoViagem  

A arte contribui com a natureza quando por meio de uma pintura, ilustração botânica ou até um objeto de artesanato, tem-se a sensação de que tudo no meio ambiente pode ser reutilizado sem que nada seja prejudicado.

Dulce Nascimento: Pinturas da natureza no palácio de Buckingham

Dulce Nascimento: Pinturas da natureza no palácio de Buckingham
Foto: Divulgação

Pintores e ilustradores botânicos procuram retratar a natureza de forma criativa, educativa e que possa levar ao público uma visão simples, porém bonita, das riquezas do meio ambiente. Já os artistas plásticos que trabalham com produtos recicláveis mostram que é possível fazer artesanato utilizando como matéria-prima, produtos descartáveis. Esse tipo de atitude ecologicamente correta chama a atenção de indústrias e fábricas para que se interessem e passem a investir, produzir e distribuir produtos de origem reciclada, o que é muito bom! Nesse ciclo verde, todos ganham: meio ambiente, comércio, consumidor e a criatividade artística.

Quadro de Cattleya de Dulce

Quadro de Cattleya de Dulce
Foto: Reprodução

No artesanato, o material utilizado é quase sempre reciclável, como é o caso do trabalho feito pelas sócias Regina M. de Paula Cipriano e Silvana Rondelli, do bar Café com Arte, de Fernando de Noronha, que reúnem no mesmo lugar diversão e artesanato. Elas utilizam diversos tipos de material que recolhem nas praias, usinas de reciclagem e casas dos próprios artesãos.

Artesanato a venda no Café com Arte de Noronha

Artesanato a venda no Café com Arte de Noronha
Foto: Divulgação

Assim, garrafas pet se transformam em flores, cortinas, vasos, bonecas e incensários. Dos pratos de isopor criam-se quadros, bandejas e botons. Das tábuas de barcos recolhidas nas praias fazem-se cabides e máscaras. De simples caixas de papelão nascem porta-guardanapos, e dos vidros surgem os potes descorados.

Vaso de flores de material reciclado

Vaso de flores de material reciclado
Foto: Divulgação

Tudo começou há 2 anos com uma oficina de papel mâché, quando Regina, idealizadora do projeto, verificou a necessidade de se criar um artesanato com características da ilha, porque até então só havia o “industrianato”. As peças mais vendidas são as bonecas e os porta-guardanapos. O preço varia de 15 a 25 reais de acordo com o trabalho de produção. “A vantagem está no custo zero da matéria-prima e na divulgação das coisas naturais da ilha, sem que se estrague ou prejudique a natureza, é claro”, conta Silvana.

Peças variadas de artesanato de Noronha

Peças variadas de artesanato de Noronha
Foto: Divulgação

No caso da ilustração botânica, a arte está mais para um caráter de estudo científico do que para uma simples pintura. Além de ser usada como apoio em livros e teses, é também utilizada na divulgação de espécies para o público aprender e apreciar. Dulce Nascimento, ilustradora botânica, formada pela Escola de Belas Artes – UFRJ, com especialização no Jardim Botânico de Londres, Kew Gardens, orienta, desenvolve e ensina técnicas de coleta e improviso de trabalho em campo para seus alunos na Oficina de Ilustração Botânica na Casa de Cultura Laura Alvin em Ipanema, Rio de Janeiro.

Dulce que já participou de mais de 49 exposições no Brasil, tem obras em muitos países, inclusive duas no Palácio de Buckingham, oferecidas pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso à Rainha Elizabeth II, em visita à Inglaterra em 1997, e também no Palácio Real de Madri, na Espanha. Ela ainda organiza uma vez por ano, viagem à Amazônia com alunos, para ensinar desenho de natureza nas condições adversas da floresta, observando a ecologia do local.

Outro exemplo é a pintura naturalista, que consegue transmitir a riqueza de plantas e animais da floresta brasileira, além de embelezar muitas paredes. A artista Luisa Borges, que pinta há mais de vinte anos, tem como preferência retratar o mar, as flores e os animais. Segundo ela, esse tipo de arte costuma trazer coisas boas e sensação de paz. “Ninguém quer pintar animais e rios mortos ou plantas destruídas. Pinto a natureza viva para conscientizar que se a gente não tomar cuidado, essa beleza toda pode acabar. Quando você mata o ecossistema, impede que gerações futuras desfrutem de toda uma riqueza natural”.

Outro artista naturalista, o pintor Eduardo Parentoni Brettas, de Juiz de Fora, retrata em sua obra pássaros e plantas em extinção. De acordo com ele, 60% do seu trabalho tem destino para outros países, e a maior parte dos que são encomendados aqui, são pedidos por empresas. “A vantagem desse trabalho, além da beleza, está em divulgar e alertar sobre espécies que correm grande perigo no meio ambiente”. Ele conta que certa vez pintou um animal em extinção e que o quadro chegou a mão de um fazendeiro. “O fazendeiro reconheceu o animal através da minha obra, e me mostrou que na fazenda onde vivia existia exemplares vivos da espécies que pintei naquele do quadro, o que possibilitou o registro e acompanhamento do animal”.

Pela técnica que o pintor utiliza, ainda é possível identificar onde cada animal vive, o tipo de alimento que come, um pouco da vegetação, a diferença sexual e a idade. Para Eduardo, a idéia principal é mostrar a responsabilidade que cada um, artista ou não, tem de perpetuar ou pelo menos conservar cada bicho e planta no seu lugar. “O Brasil é um país com cerca de 1700 aves diferentes, sem falar nas subespécies que somam 2500, e a principal idéia é que elas continuem nesse cenário”, completa.

A criatividade pode ser de grande valia quando se percebe a possibilidade de ganhar dinheiro ajudando a natureza. Ser ecologicamente correto não é ser chato, nem radical. Há um equilíbrio entre todos seres que vivem no planeta terra. Vale lembrar que o meio ambiente pode ajudar não só artistas plásticos interessados em chamar a atenção para a preservação ambiental, mas também comunidades carentes que não tem de onde tirar seu sustento e que muitas vezes encontram um ramo de atividade alternativo para garantir a sobrevivência da família.

Além do papel da cultura em preservar o meio ambiente, a sociedade também pode colaborar quando seleciona produtos que usa em casa, dando preferência aos que menos contaminam a natureza e dessa forma privilegiar empresas que investem na preservação ambiental. Criar condições para usufruir dos ambientes naturais e preserva-los é um ato de consciência, responsabilidade, educação ambiental e cultural de cada cidadão.

Serviço
Denúncias de agressões ao meio ambiente:
Ibama: 0800 618080
Secretaria do Meio Ambiente: (0xx11) 3030-6154

Para contatar os artistas:
Eduardo Bretta: eduardobrettas@avesdobrasil.com.br
Luisa Borges: Luisa_Borges@uol.com.br
Regina M. de Paula Cipriano e Silvana Rondelli: rondellisilvana@bol.com.br
Dulce Nascimento: www.geocities.com/dulcenascimento

Compartilhar nas Redes Sociais

Comentários

Emanoel Caria

 postado: 24/10/2008 08:34:19editar

Eu achei esse documentário muito importante para a auto crítica do pensamento ecológico e reflexão de como se pode aproveitar e conhecer a natureza sem prejudica-lá, pois é esse pensamento que devemos nos conscientizar para preservar alguma coisa natural que nos resta.

 

Ingrid

 postado: 17/5/2009 12:00:42editar

Eu achei que esse documentário foi ótimo, porque esse documentário pode nos dar uma dica que podemos fazer arte da natureza sem ter que prejudica-lá.

 

TANIA

 postado: 25/2/2010 16:42:51editar

Penso que a divulgação de trabalhos envolvendo arte e natureza refletem o respeito que devemos ter pelo meio ambiente e consequentemente pela própria vida...

 

leticia morais drumon.

 postado: 2/4/2010 15:07:30editar

eu acho muito legal! adoro a natureza e cuido muito bem dela !

 

bruna

 postado: 12/5/2010 14:36:10editar

Amo artes e curto muito a natureza!

 

Maria Luiza Eisenlohr

 postado: 13/1/2011 00:56:16editar

Para mim, a natureza merece todo o nosso respeito. Devemos divulgá-la através da pintura, pois desta forma estaremos contribuindo para que as novas gerações possam apreciá-la.

 

jatiara

 postado: 11/9/2011 20:33:00editar

trabalho de arte do meio albiente...

 

 

Veja também

Sobram Problemas, faltam cidadãosLixo: problema com solução

 

editar    editar    editar    8.939 visitas    7 comentários