Tecnologias limpas: Respeito ao meio ambiente e economia para o bolso

Alcançar o tão sonhado “impacto ambiental zero”, num mundo cada vez mais populoso e caracterizado pelo crescimento desordenado, soa como uma utopia. Segundo Carlos Nascimento, presidente do IBPS, o uso dessas tecnologias reduz os gastos da empresa F

  
  

Alcançar o tão sonhado “impacto ambiental zero”, num mundo cada vez mais populoso e caracterizado pelo crescimento desordenado, soa como uma utopia.

Segundo Carlos Nascimento, presidente do IBPS, o uso dessas tecnologias reduz os gastos da empresa

Segundo Carlos Nascimento, presidente do IBPS, o uso dessas tecnologias reduz os gastos da empresa
Foto: Divulgação

Porém – e, felizmente - a tecnologia avança também para os lados do meio ambiente. As chamadas Tecnologias Limpas são pouco divulgadas, embora estejam ao alcance de todos e sejam bastante eficazes para a preservação da natureza.

A montadora da Fiat, em Betim (MG), já economizou 7,5 bilhões de litros de água

A montadora da Fiat, em Betim (MG), já economizou 7,5 bilhões de litros de água
Foto: Divulgação

Devido às crescentes preocupações em torno do futuro ecológico do planeta, diversos métodos e tecnologias foram desenvolvidos com a finalidade de reduzir ou eliminar os desperdícios e resíduos gerados no dia-a-dia.

Trata-se de um novo mercado que vem ganhando espaço e promete ocupar o setor de tecnologias do futuro, uma vez que suas ferramentas serão fundamentais para o tão sonhado desenvolvimento sustentável.

Os equipamentos que garantem a preservação da natureza vão desde produtos simples que podem ser utilizados em residências, até grandes invenções voltadas para empresas, capazes de gerar benefícios para o ar, solo e água de toda uma região.

Excelentes alternativas para empresas que, de alguma forma, interferem no meio ambiente, essas tecnologias proporcionam maior preservação da natureza, qualidade de vida das comunidades em seu entorno, além de garantirem uma imagem politicamente correta da empresa.

Se estes argumentos não são suficientes para incentivar a adoção de uma produção mais limpa, especialistas da área ambiental se animam ao constatar que as empresas podem ser atraídas por outro aspecto: a contenção de gastos.

Para resolver a questão do tratamento de esgoto, por exemplo, um dos principais problemas existentes, já existem sistemas, através dos quais tanques são instalados para o tratamento da água. Eles permitem sua reutilização para outros fins, como irrigação de jardins, limpeza, sistema de ar condicionado, entre outros. Assim, a economia é duplamente vantajosa: para a natureza e para os bolsos.

Apesar de tantos benefícios, Giovani Andrade, engenheiro da Mizumo, empresa especializada em sistemas de tratamento de esgoto para residências e empresas, lamenta o fato da população brasileira usufruir tão pouco de tecnologias como esta: “As pessoas ainda não utilizam porque ainda encontram na legislação permissão para a instalação de sistemas convencionais de fossa filtro que, na maioria das vezes, não realiza o tratamento do esgoto e serve apenas como caixa de passagem para a infiltração do despejo in natura no solo mais próximo”.

Para que esse panorama mude, ele acredita que deve haver maior participação governamental em termos de fiscalização: “Além de uma legislação mais restritiva, o monitoramento dos sistemas existentes deveria ser efetivo por parte dos órgãos fiscalizadores para que sistemas mal dimensionados ou em funcionamento irregular fossem detectados com agilidade e corrigidos” – afirma Andrade.

Já Carlos Nascimento, presidente do Instituto Brasileiro de Produção Sustentável e Direito Ambiental (IBPS) acredita que a legislação brasileira é muito evoluída, embora nem sempre eficaz: “Lamentavelmente, ela, muitas vezes, não é cumprida. Não existe no Brasil uma estrutura para controlar tudo isso. Mas a marcha de evolução é positiva.” – acredita.

O IBPS presta assessoria completa para empresas que pretendem adotar uma forma de produção mais limpa. Acompanham o processo desde o diagnóstico, passando pelo planejamento econômico e terminando com a implantação do programa e capacitação dos funcionários da empresa.

Nascimento concorda que o número de empresas que utilizam essas tecnologias ainda é muito pequeno e explica: “A noção de produção mais limpa é uma coisa nova no mundo. No Brasil é ainda mais complicado, porque a maior parte dos equipamentos vem de fora do país”. Para ele, o custo da instalação ainda sai alto para pequenas e médias empresas, embora o retorno seja compensatório devido à redução de resíduos e, conseqüentemente, de gastos para a empresa.

Os números são, de fato, surpreendentes. A montadora da Fiat, em Betim (MG) resolveu, em 1998, adotar técnicas para uma produção mais limpa. Desde então, já foram reciclados 16 mil toneladas de papel e papelão, evitando a derrubada de uma floresta com 320 mil árvores.

5.480 toneladas de plástico e 1.625 de isopor também já tiveram como destino a reciclagem, assegurando a preservação de 71 toneladas de petróleo. O processo de reciclagem é feito através de equipamentos instalados dentro da própria empresa. Todo o material é reaproveitado, transformando-se em réguas, canetas, chaveiros, juntas de dilatação para pisos, etc.

Além disso, a empresa também implantou um complexo de nove unidades de tratamento de efluentes líquidos, instalou sistemas antipoluentes e adquiriu equipamentos mais eficientes (e que consomem menos energia).

Segundo Ceueti Nakano, responsável pela Unidade de Energia e Ecologia, através dessas medidas, a Fiat economizou em cinco anos 7,5 bilhões de litros de água, o suficiente para abastecer uma cidade com cerca de 100 mil habitantes, durante um ano.

Foi um investimento em torno de US$20 milhões, mas capaz de gerar uma economia de US$3,5 milhões por ano. “O mais importante dessa política ambiental é o respeito à natureza e ao homem e os benefícios gerados para a sociedade”, comemora Nakano.

  
  

Publicado por em

Zezito Vieira Meneses Junior

Zezito Vieira Meneses Junior

09/08/2010 14:13:48
Parabens aos criadores desse texto o que disseram e verdade, não é preciso grandes invençoes de primeira para conscientizar o ser humano, sendo q as tecnologias limpas estarem ao alcance de todos, basta se conscientizar.
Mais uma vez parabens.

Ayres g britto

Ayres g britto

08/07/2009 16:39:35
importante saber que as empresas estão buscando novas
tecnologias para melhoria do meio ambiente e da qualidade de vida das pessoas.