A prática do birdwatching se fortalece como atração turística

Na região da tríplice fronteira, existe uma das maiores concentrações de espécies de aves do planeta, tão raras quanto exóticas.

  
  
No país da biodiversidade a atividade apenas esta se iniciando, mas já ganhou cor local: birdwatching virou

A expressão birdwatching quer dizer "observação de pássaros" e foi cunhada na Inglaterra, em 1901, pelo ornitólogo inglês Edmund Selous. Mas um século antes os americanos já haviam criado uma sociedade devotada ao assunto: a Audubon Society. Não por acaso a América do Norte possui hoje 70 milhões de adeptos. Com 1.876 espécies de aves, a Colômbia é o melhor destino para quem aprecia esta atividade.

A quantidade de espécies, paisagens e segurança são argumentos que justificam conhecer o país sul-americano em qualquer momento do ano para desfrutar da sua grande oferta de natureza.

Segundo o gerente da Ecoturs, Angela Gomez, a demanda para este segmento aumentou mais de 150% desde que se iniciou a divulgação e venda de pacotes de observação de aves, em 2006.

A Ecoturs é uma companhia vinculada a Proaves, sem fins lucrativos, encarregada de conservar este valioso recurso natural colombiano. Ele afirma que o descobrimento de seis novas espécies totalmente desconhecidas para a ciência, por meio de expedições na última década, promoveu um impacto muito forte na demanda de observadores de aves.

Espécies como a Reinita Alidorado, o Baudo Oropendola e a ave símbolo da Colômbia, o Loro Orejiamarillo, atraem milhares de turistas de todo o mundo, que chegam ao país para conhecer os mais belos cenários que abrigam essas aves.

A Colômbia oferece rotas de observação abundantes não só em espécies, mas também em experiências, nas quais os viajantes podem escolher a direção do roteiro.

Por exemplo, a rota Endemics Bonanza abrange toda a costa do Caribe colombiano e visita destinos como a Reserva El Dorado, Via Parque e Los Flamencos. Neste passeio, os turistas podem observar 474 espécies de aves, sendo 22 endêmicas, como o SM Foliage-Gleaner, o SM Screech-Owl e o SM Parakeet.

Outra opção é a rota Magdalena Birding Extravaganza, que inclui toda a área central do país, passando por municípios como Victoria, no departamento de Caldas, Falan, em Tolima, Parque Nacional Chingaza, nas proximidades de Bogotá, La Florida, também na capital, e por reservas como El Paujil, em Puerto Boyacá, e Reinita Cielo Azul, em Santander.

Neste trajeto, é possível admirar a beleza de 775 aves, 27 delas endêmicas. Já a rota denominada Central Colômbia Escapades é realizada em Antioquia e inclui a Reserva Colibrí del Sol, Reserva Loro Orejiamarillo, Las Tángaras e Otún Quimbaya, com cerca de 580 espécies, sendo 21 endêmicas.

De acordo com Angela Gomez, hoje é mais que surpreendente o crescimento do turismo de observação de aves e a melhor imagem do país no cenário internacional permitiu maior promoção de lugares exóticos.

O mercado é promissor, pois a estadia dos viajantes é de 20 dias, em média, e oferece a oportunidade de conhecer a Colômbia de uma maneira diversificada, dada à quantidade de paisagens onde se encontram esses animais.

No Brasil é impossível dissociar o destino Foz do Iguaçu

de seu ícone maior: as Cataratas. O que poucos sabem é que em torno delas, na região da tríplice fronteira, existe uma das maiores concentrações de espécies de aves do planeta, tão raras quanto exóticas.

O fato é que tanto curiosos e amadores do birdwatching, quanto profissionais ou cientistas têm redescoberto um lado de Foz do Iguaçu pouco explorado: o destino é portal para uma das mais ricas rotas de observação de pássaros.

Para se ter uma ideia só o Parque das Aves abriga mais de 900 pássaros tropicais de 150 espécies. É o único parque da América do Sul que permite que o turista entre nos viveiros e tenha contato direto com as aves.

Mas é do lado argentino, no Parque Nacional Iguazú que se encontra um programa específico para os amantes da natureza, das aves e adeptos do "passarinhar". São saídas especiais, com jipes abertos pelo parque e guias ornitólogos que acompanham o grupo com equipamentos apropriados: binóculo, telescópio, guia de aves, check-list e gravador com vozes de pássaros.

No país da biodiversidade a atividade apenas esta se iniciando, mas já ganhou cor local: birdwatching virou "passarinhar", na gíria brasileira dos aficionados. E saiba que se você é do tipo que adora alimentar pássaros no quintal e beija-flores nas varandas, pode se considerar um "passarinhador" nato, segundo especialistas da AVISTAR, entidade que representa o segmento.

A importância do birdwatching para a criação de consciência ecológica planetária é tal que muitos equipamentos turísticos de Foz do Iguaçu começam a incentivá-la.

Fonte : Vininha F. Carvalho

Visite: www.animalivre.org.br

  
  

Publicado por em