Colunistas > Animais > Vininha F. Carvalho > 

A marcante presença dos animais na Bíblia

Se lermos a Bíblia com atenção, veremos várias vezes a interação de Deus com os homens e com os animais, quer nas bençãos, quer nas maldições.

6 de Julho de 2010.
Publicado por Vininha F. Carvalho  

Como é dito no Gênesis, no princípio, Deus criou o céu e a terra. No quinto dia, Deus disse: - "pululem as águas de uma multidão de seres vivos, e voem aves sobre a terra, debaixo do firmamento dos céus." Deus criou os monstros marinhos e toda a multidão de seres vivos que enchem as águas, segundo a sua espécie, e todas as aves segundo a sua espécie, e Deus mandou que reproduzissem e enchessem as águas e a terra de seres vivos, então a tarde caiu e o quinto dia se fez.

No sexto dia, Deus disse: "Produza a terra seres vivos segundo a sua espécie: animais domésticos, répteis e animais selvagens, segundo a sua espécie.

Para o pesquisador norte-americano Kenneth Ham, autor dos livros “Dinossauros e a Bíblia” e “Um Novo Olhar Sobre os Dinossauros”, o fato de a ciência afirmar que os répteis gigantes eram vegetarianos os encaixa perfeitamente na criação original do Éden, onde não havia comedores de carne. Ham defende que os dinossauros fizeram parte dos animais criados por Deus no sexto dia e lembra que naquele tempo não havia morte, pois “era um mundo sem danos, com Adão, Eva e os animais, incluindo os dinossauros, vivendo em perfeita harmonia, comendo apenas folhas”. Para o autor criacionista, a queda do Homem, e não a de Satanás, foi a responsável pela quebra da harmonia, transformando os dinossauros em animais ferozes e hostis à humanidade.

Entre os citados monstros na Bíblia, encontramos o “Leviatã” descrito no livro de Jó, 3:8. A descrição revela que era coberto por uma couraça impenetrável (41.7,15,29).Não pode ser facilmente tirado da água, é gigantesco (v.1).O fogo em forma de línguas em chamas saem de sua boca (v.20,21) e faz a água das profundezas ferver (v.31). Ainda sobre tal besta, algumas traduções bíblicas querem associar tal descrição a animais conhecidos como hipopótamos ou crocodilos. Mas comumente encontramos, também, outros animais, como leões, cordeiros, águias, corvos, gafanhotos e repteis como a cobra, este último muito famoso, pois, é o autor de toda a desgraça da humanidade por ter sido o animal escolhido por Satanás para enganar a ingênua Eva.

Em Apocalipse 9 , esta mencionado que são libertados gafanhotos com cauda de escorpião, rosto de homem e boca de leão. Já em Apocalipse 12, temos : “um dragão vermelho com 7 cabeças e 10 chifres”.Ou ainda em Apocalipse 13 , encontramos: “uma besta semelhante a um leopardo com pés de urso e 10 chifres”. Em Daniel 7: temos a descrição um leão com asas de uma águia, um urso gigante e um leopardo com 4 cabeças e 4 asas e outra apenas identificada por “criatura terrível” onde seus dentes são de ferro com unhas de bronze e 10 chifres.

Uma das razões porque a Bíblia não menciona a palavra “dinossauro", é devido ao fato deste nome ter sido adotado pela ciência sómente no século 19, através do britânico Richard Owen, significando (em grego) “lagarto terrível”. Mas a literatura antiga fala com freqüência dos dragões, cuja descrição se assemelha muito ao lagarto que os cientistas chamam de Tiranossauro.

O Antigo Testamento fala de animais gigantescos que até hoje não foram identificados, como o Beemote e Raabe, além dos monstros marinhos do Salmo 148. Para estudiosos liberais, tratam-se de mitos, enquanto para os conservadores são o hipopótamo, o crocodilo e a baleia, descritos poeticamente. No entanto, a terceira interpretação sugere que sejam animais enormes desconhecidos, talvez os dinossauros.

O pastor Russel Shedd, PhD em Teologia, é mais reticente: - “Não creio que poderemos encontrar qualquer referência aos dinossauros na Bíblia. O leviatã (de Jó 41.1 e do Salmo 104.26, na versão corrigida) parece ser um monstro marinho, o que não se encaixa no perfil dos dinossauros, enquanto o Beemote (de Jó 40. 15), parece ser mesmo o hipopótamo”.

Shedd, porém, não descarta a existência dos lagartos terríveis que teriam dominado a Terra por 140 milhões de anos e desaparecido misteriosamente: “Para os que crêem no relato bíblico, temos duas possibilidades: os dinossauros terem existido antes da ‘recriação’ (Gênesis 1.2 e seguintes), ou então entre esta ‘recriação’ e o dilúvio.

Um grupo de criacionistas, formado pelos que buscam as respostas na Palavra de Deus, defende esta última hipótese, acreditando que os dinossauros chegaram a conviver com os seres humanos. "Eu favoreço a idéia de que, depois de Deus criar o mundo, houve a queda de Satanás e seus anjos que hoje são os demônios. Se a ciência tem razão ao afirmar que o mundo tem 4 bilhões de anos, o que aconteceu antes da catástrofe que tornou a terra “sem forma e vazia” se encaixa naquela antiguidade de bilhões de anos", conclui.

Se uma catátrofe efetivamente aniquilou toda a raça humana e a sua civilização, como a Bíblia ensina, então a Arca de Noé constitui uma dos maiores ligações remanescentes com o Mundo Antediluviano. Ela era, segundo a religião abraâmica, um grande navio construído por Noé, a mando de Deus, para salvar a si mesmo, sua família e um casal de cada espécie de animais do mundo, antes que viesse o Grande Dilúvio da Bíblia. A história é contada em Genesis 1-11 relata a criação da mundo, o surgimento do pecado, a decisão de Deus de destruir a sua primeira criação e começar de novo com Noé.

A inundação foi enviada por Deus em resposta à oração de Noé, que aquela geração má deveria ser destruída; mas, como Noé era justo, ele continuou a pregar e setenta idólatras foram convertidos e entraram na arca com ele, elevando o total para setenta e oito pessoas a bordo (estes acrescidos de oito membros da própria família de Noé). Apenas seguidores de Noé estavam espiritualmente vivos, e foram preservados na arca por causa de seus ensinamentos, enquanto os outros estavam mortos espiritualmente. Os setenta não tiveram descendentes e todos os nascidos depois da inundação da humanidade são descendentes dos três filhos de Noé.

Segundo a mitologia irlandesa, Noé teve um filho chamado Bith, que não foi autorizado a entrar na arca, e que em vez disso tentou colonizar a Irlanda com cinqüenta e quatro pessoas, as quais foram, então, todas aniquiladas no Dilúvio.

Noé passou na arca junto das pessoas escolhidas e com os animais 382 dias (Gênesis 7:9-11; 8:13-19). A arca de Noé, segundo relato, media 134m de comprimento, 23m de largura e 14m de altura, sua área total nos três pisos era de 9.250m2 e um volume total de 43.150m3 aproximadamente; o que a torna próxima das embarcações atuais. Gênesis 6:15-16,. incluiu inúmeros detalhes sobre a Arca de Noé, não encontrados em nenhuma outra parte, por exemplo, ele diz que a primeira criatura a bordo foi a formiga e a última foi o burro. No primeiro dos três níveis, os animais selvagens e domesticados foram acomodados, no segundo os seres humanos e no terceiro as aves.

Em cada tábua havia o nome de um profeta. Faltavam três tábuas, simbolizando três profetas, elas foram trazidas do Egito por Og, filho de Anak, o único dos gigantes que teve permissão de sobreviver à inundação. O corpo de Adão foi colocado no meio para dividir os homens das mulheres.

A fim de proteger Noé e sua família, Deus colocou leões e outros animais ferozes a guardá-los contra os ímpios que escarneciam deles e causavam-lhes violência. De acordo com um midrash, foi Deus, não os anjos, que reuniu os animais para a arca, juntamente com os seus alimentos.

Como havia necessidade de distinguir entre animais limpos e imundos, os animais limpos se deram a conhecer através do rebaixamento diante de Noé à medida que eles entravam na arca. Uma opinião diferente sustenta que a própria arca distinguia os puros de impuros, admitindo sete dos primeiros e dois dos segundos.

Noé se encarregou dia e noite da alimentação e dos cuidados para com os animais, e não teve sono pelo ano inteiro a bordo da arca. Os animais foram os melhores de suas espécies e assim comportavam-se com extrema bondade. Eles se abstiveram de procriação a fim de que o número de criaturas que desembarcassem fosse exatamente igual ao número que embarcou. Noé, após meses a bordo da arca, ele soltou um corvo. Mas o corvo parou para se regozijar em Carrion e, por isso, Noé amaldiçoou-o e enviou a pomba, que retornou com uma folha de oliva. Desde então, ela passou a simbolizar o Espírito Santo, a esperança de salvação e a paz.

Artistas freqüentemente retrataram Noé de pé em uma pequena caixa sobre as ondas, simbolizando a salvação de Deus através da Igreja e sua perseverança através do tumulto, e Santo Agostinho de Hipona (354-430), na obra Cidade de Deus, demonstrou que as dimensões da arca correspondiam às dimensões do corpo humano, que é o corpo de Cristo, a Igreja.

Noé deixou a arca aos dez dias do mês de Muharram, e ele e os seus familiares e companheiros construíram uma vila no sopé do monte Judi, chamado Thamanin ("oitenta"), a partir de seu número. Noé então bloqueou a arca e confiou as chaves a Shem. Yaqut al-Hamawi (1179-1229) mencionou uma mesquita construída por Noé, que poderia ser vista em seu tempo, e Ibn Batutta atravessou a montanha nas suas viagens, no século XIV. Modernos muçulmanos, embora geralmente não ativos na pesquisa da arca, acreditam que ela ainda existe no alto das encostas da montanha

Ao contrário da ciência – que atribui a extinção dos dinossauros à queda de um imenso asteróide na Terra que destruiu toda a vegetação do planeta, fazendo com que muitas espécies morressem de fome –, Kenneth Ham, criacionista, acredita que os dinossauros foram morrendo junto com os homens, em conseqüência do pecado.O escritor descarta também a hipótese de os dinossauros terem desaparecido nas águas do dilúvio por serem muito grandes para caberem na Arca. Para ele, já não havia muitos tipos de dinossauros na época de Noé, “mas é provável que Deus tenha enviado alguns dinossauros jovens para embarcarem”, daí a provável menção a eles na Bíblia como animais temíveis de civilizações após o dilúvio.

Ainda hoje, ele lembra, há espécimes com traços pré-históricos, “como o monstro do Lago Ness, na Escócia, que tem o pescoço e a cabeça de um Elasmossauro, e o dragão de Komodo das florestas da Indonésia”. Ham acredita que o fato de a maioria dos animais ter sido coberta por toneladas de lama durante o dilúvio pode explicar a preservação de alguns deles como fósseis. “É um indício de que os fósseis de dinossauros encontrados pela ciência foram formados há cerca de 4.500 anos e não milhões de anos atrás”. Sempre questionando os adeptos de Darwin, Ham contesta a afirmação de que os dinossauros evoluíram dos anfíbios, lembrando que nunca foi encontrado um fóssil sequer de animais em fase de transformação.

“Os evolucionistas sustentam que anfíbios evoluíram durante milhões de anos até se tornarem dinossauros. Mas onde estão os fósseis que seriam parte dinossauro e parte alguma outra coisa? Isto não existe em lugar algum. Nos museus, o que se encontra são fósseis 100% dinossauros”, ele afirma.

Russel Shedd corrobora, estranhando que os darwinistas não tenham explicação para a falta de elementos vivos em estados intermediários. “Como explicar um olho se desenvolvendo paulatinamente durante milhões de anos, quando não tinha utilidade alguma, até ele poder funcionar como olho? Ou como explicar o aparecimento de pássaros voando que evoluíram de peixes? Isto requer muita fé”.

Quanto à datação dos evolucionistas, Kenneth Ham é cético, lembrando que os paleontólogos descobriram dinossauros mortos, “e seus ossos não têm selos informando suas idades”. Para ele, não há provas de que o mundo e os fósseis têm milhões de anos de idade. “Os ossos são achados aqui e ali, e os evolucionistas tratam de encaixar a história no ponto de vista deles. Mas se a Bíblia está correta – e ela está –, os dinossauros estão incluídos no relato da Criação no livro de Gênesis e devem ter vivido neste tempo coberto pelo texto bíblico”, sustenta o especialista norte-americano.

A Palavra de Deus diz em Gênesis 2:7 que "... Deus formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o folego de vida,".Assim sendo, versículos como Gênesis 1:30; 6:17 e 7:15,22, nos quais Deus se refere aos animais como sendo também portadores do "fôlego de vida", poderiam sugerir que os animais são portadores de alma, assim como os homens.Neste sentido, os animais possuem o mesmo fôlego de vida que nós. Estudos mostram a presença neles de inteligência, emoções, fala, tomada de decisões baseadas no estudo de fatos, enfim... uma formação fisiológica e psicologicamente semelhante ao do ser humano.

Parte da nossa função de domínio sobre toda a criação de Deus é respeitar e preservar a dignidade física / emocional dos animais, tratando-os com responsabilidade e amor. E agir assim independe do fato de os animais possuírem ou não espírito, ou de irem ou não para o céu. Pois, toda a criação de Deus é para glorificá-lo. “Todos os animais selvagens e os rebanhos domésticos, todos os demais seres vivos e as aves, (...) Louvem todos o nome do Senhor, pois somente o seu nome é exaltado; sua majestade está acima da terra e dos céus.” (Prov. 148:10,13).É contraditório ser cristão e praticar atrocidades ou tratá-los com menos respeito que merecem. Assim, como está escrito: “O justo olha pela vida dos seus animais; porém as entranhas dos ímpios são cruéis.” (Prov. 12:10).

A Bíblia contém uma passagem que confere a humanidade o domínio sobre o mundo animal. Mesmo sendo a Bíblia uma fonte digna de consulta com relação às questões morais, há problemas de tradução, interpretação e até expressões idiomáticas da época. Segundo, há várias alegações sobre Deus sendo feitas pelas diversas culturas e religiões deste mundo em que vivemos. Algumas descrevem o consumo e sacrifício de animais indefesos e inocentes. Outras clamam o respeito à vida e não matar desnecessariamente. Qual destas descrições corresponde à verdadeira autoridade moral? Mesmo aceitando que a descrição na Bíblia corresponde à Deus, “domínio” é um termo bastante vago, podendo significar “tutela” ou “guarda” dos animais. E é bastante fácil argumentar que uma tutela ou guarda apropriada consiste em respeitar os animais em seu direito de viver de acordo com sua própria natureza. Por fim... há uma distância enorme entre conceder o domínio e aprovar a exploração brutal dos animais. Certamente, não há nada no versículo citado da Bíblia aprovando a crueldade e o abuso dos animais, nem explicitamente, nem implicitamente.

A revelação bíblica ensina o homem a ver todo o mundo como obra do amor criador de Deus. Jesus, em seus ensinamentos, esforça-se por revelar ao homem a presença do Pai na criação ver nas criaturas ação constante de Deus. Esta atribuição de valor é tornar existente, dar sentido, colocar valores pessoais naquilo que se valoriza.

Os homens e os animais devem se servir mutuamente, mantendo assim uma relação harmoniosa, esta relação no principio da humanidade era direta onde todos se beneficiavam de todos. Mas com o desenvolvimento do pensamento humano esta relação foi se desgastando, assim o homem cai no pecado do "aproveitamento". O homem começa a se aproveitar da natureza de forma desigual, destruindo assim a interdependência necessária a vida.

Encontramos, ainda, em Salomão: -" com toda a sabedoria que Deus havia lhe concedido que se manifesta assim: - Eclesiastes 3:18-21: “Disse ainda comigo: é por causa dos filhos dos homens, para que Deus os prove, e eles vejam que são em si mesmos como os animais. Porque o que sucede aos filhos dos homens sucede aos animais; o mesmo lhes sucede: como morre um, assim morre o outro, todos têm o mesmo fôlego de vida, e nenhuma vantagem tem o homem sobre os animais; porque tudo é vaidade. Todos vão para o mesmo lugar; todos procedem do pó e ao pó tornarão.

Se lermos a Bíblia com atenção, veremos várias vezes a interação de Deus com os homens e com os animais, quer nas bençãos, quer nas maldições.Quando Deus enviou Moisés, para retirar os hebreus do Egito, em várias pragas que advieram sobre os homens, foram utilizados os animais. Senão vejamos: a praga das rãs : - Êxodo 8:2-4. "Se recusares deixá-lo ir, ferirei com rãs todo o seu território. O rio produzirá rãs em abundância, que subirão e virão à tua casa, e ao teu dormitório, e sobre a tua cama, e às casas dos teus oficiais, e sobre o teu povo, e aos teus fornos, e às tuas amassadeiras. As rãs subirão sobre ti, e sobre o teu povo, e sobre todos os teus oficiais."

Jesus é amor e misericórdia na forma humana, e há fortes evidências de que era um vegetariano. Por exemplo, na época de Jesus, o sacrifício animal era uma desculpa para os seres humanos comerem carne animal, e Jesus objetava os sacrifícios animais a cada chance. Ele expulsou aqueles que vendiam animais para sacrifício e consumo para fora do templo, instituiu o batismo no lugar dos sacrifícios animais, e disse que Deus "requer misericórdia e, não sacrifício" e eliminou os sacrifícios animais completamente na Ultima Ceia (uma refeição de páscoa vegetariana).

Deus criou cada animal com a capacidade de sentir dor e sofrimento. Mas nas fazendas intensivas de hoje em dia, os animais tem seus chifres e bicos arrancados, e são castrados, tudo sem anestesia. A fim de maximizar os lucros, são amontoados juntos no menor espaço possível. A maioria fica confinada num espaço tão pequeno que nem conseguem se virar. Muitos nunca vêem a luz do dia ou sentem a terra ou a grama sob seus pés. Finalmente, são transportados em caminhões sem alimento ou água, sujeitos aos extremos de temperatura do clima, rumo a uma morte aterrorizante e infernal.

O Papa Bento XVI falou emocionadamente sobre a exploração de todos os seres vivos, em especial os animais que vivem nas granjas. Ao ser perguntado, em 2002, sobre os direitos dos animais em uma entrevista, o então Cardeal Joseph Ratzinger afirmou:“Este é um assunto muito sério. De todos os pontos de vista, podemos ver que eles foram postos sob nossos cuidados, que simplesmente não podemos fazer o que queremos com eles. Os animais também são criaturas de Deus... Certamente, certos tipos de usos industriais das criaturas, como quando os gansos são alimentados de tal maneira a produzir um fígado tão grande quanto possível, ou quando as galinhas vivem tão apertadas que se transformam em caricaturas de aves, esta degradação de criaturas viventes que as converte em coisas me parece que contradiz a relação de reciprocidade que vemos na Bíblia”.

O Cardeal Ratzinger fazia eco aos ensinamentos oficiais da Igreja, como se lê no Catecismo Católico, diz claramente que:“Os animais são criaturas de Deus, que os rodeia de sua solicitude providencial (Mt 6, 16). Por sua simples existência, o bendizem e dão glória (Dn 3, 57-58).Também os homens lhes devem apreço. Recorde-se com que delicadeza São Francisco de Assis e São Felipe Néri tratavam os animais... É contrário à dignidade humana fazer sofrer inutilmente os animais e sacrificar sem necessidade suas vidas”. A compaixão pelos animais também foi tema proeminente no papado de João Paulo II. Ele proclamou que:“os animais possuem uma alma e os homens devem amar e sentirem-se solidários com nossos irmãos menores”. Ele chegou a dizer que todos os animais são“fruto da ação criativa do Espírito Santo e merecem respeito”e que eles estão“tão próximos de Deus como estão os homens”.

O Santo Padre recordou às pessoas que todas as entidades viventes, incluídos os animais, existem devido ao “sopro” de Deus. Os animais possuem a fagulha de vida – a qualidade vital, que é a alma – buscam a felicidade e não são seres inferiores, como querem fazer-nos crer os granjeiros, peleiros, toureiros, aficcionados dos rodeios e tantas outras pessoas que exploram e maltratam os animais por interesse econômico. Assim que foi escolhido como Papa, João Paulo II viajou para Assis, o lugar de nascimento de São Francisco, e falou do amor do santo pelos animais. Ele declarou: “Nós também fomos chamados a ter a mesma atitude”. Vamos fazer nossa parte.

Desde os mais remotos tempos, os animais tem contruibo de alguma forma para que os homens possam construir um mundo melhor. Muitas das civilizações utilizaram os cavalos como meio de transportes,os gatos para proteger os celeiros dos ratos,os bois aravam as terras para o plantio,os pombos correio faziam a comunicação a longa distância e os cães auxiliavam na guarda das propriedades, permitindo o desenvolvimento econômico e cultural dos povos. Através da confecção de sêlos,brasões, estátuas, desenhos e símbolos foram prestadas inúmeras homenagens aos animais.

Os grandes gênios da humanidade foram verdadeiros amantes dos animais.Quem já não ouviu essa célebre frase de Leonardo da Vinci:”Chegará o dia em que os homens conhecerão o intimo dos animais,e nesse dia,um crime contra qualquer um deles será considerado um crime contra a humanidade”.

Animais citados na Biblia :

Abelha - Dt 1:44; Jz 14:8; Sl 188:12, Is 7:18

Andorinha
Sl 84:3, Pv 26:2, Is 38:14, Jr 8:7

Asno
Gn 22:3; Nm 22:28, Dt 22:10, Jz 5:10; 10:4; I Sm 9:3 Mt 21:2

Baleia
Jó 7:12; Ez 32:2, Mt 12:40

Boi
Êx 21:28; 22:1; 23:4; Lv 17:3; Dt 5:14; 22:1; 25:4; Lc 13:15; 1Co 9:9; 1Tm 5:18

Cabra
Gn 15:9; Lv 3:12, 4:28, 7:23, 17:3; 22:27, Nm 15:27, 18:17, Dt 14:4,5; 1Sm 19:13,16

Camelo
Gn 24:64, 31:34, Lv 11:4; Dt 14:7; Mt 3:4, 19:24, 23:24, Mc 1:6; 10:25; Lc 18:25;

Cão
Êx 11:7; Jz 7:5; 1Sm 17:43, 24:14, 2 Sm 3:8, 9:8; 16:9; 2Rs 8:13, Sl 22:20, Pv 26:11,17; Ec 9:4, Is 66:3; 2Pe 2:22

Cavalo
Dt 17:16; 2Rs 23:11, Jó 39:19, Sl 32:9, 33:17, Is 31:1

Cegonha
Lv 11:19, Dt 14:18, Sl 104:17, Jr 8:7; Zc 5:9

Chacal
Is 34:13, Jr 9:11, 51:37; Mq 1:8, Ml 1:3;

Coelho
Lv 11:5; Sl 104:18, Pv 30:26

Cordeiro
Êx 29:39, Lv 3:7, 4:32, 5:6; Nm 6:12

Coruja
Lv 11:17, Dt 14:16, Is 34:11,15

Corvo
Gn 8:7; Lv 11:15,17; Dt 14:14,17; Ct 5:11; Is 34:11

Dromedário
Is 60:6; 66:20

Escorpião
Lc 11:12, Ap 9:5

Formiga
Pv 6:6

Gafanhto
Êx 10:19, Lv 11:22; Dt28: 38; Jó 39:20, Sl 119:23: Ec 12:5; Jl. 1:4; 2:25

Galo
Mt 26:34,74,75; Mc 13:35; 14:30,68,72; Lc 22:34,60,61; Jo 13:38, 18:27

Gavião
Lv 11:16, Dt 14:15, Jo 39:26

Javali
Sl 80:13

Lagarto
Lv 11:30

Leopardo
Is 11:6; Jr 5:6; 13:23; DN7: 6; Os 13:7; Ap 13:2

Leão
Jz 14:5; I Sm 17:34, I Rs 13:24, Dn 6:19, Ap 5:5

Lobo
Gn 49:27, Is 11:6; 65:25, Jr 5:6; Jo 10:12

Mosquito
Êx 8:21, Mt 23:24

Ovelhas
Êx 22:1,4,10 Lv 1:2, Nm 18:17, Dt 14:4; 22:1; 1Sm 14:34; 17:34; Sm 119:176; Is 13:14; 53:7; Ez 34:20, Mt 12:11-12, Lc 15:6; At 8:32

Pardal
Sl 84:3; 102:7

Peixe
Dt 4:18; 2Cr 33:14; Ne 3:3; 12:39, 13:16, Ez 29:5; 47:9,10; Jo 1:17; 2:1,10; Sf 1:10; Mt 7:10, 17:27, Mc 6:43, Lc 5:9, 11:11, 24:42, Jo 21:9,13

Piolho
Êx 8:16,17,18; Sl 105:31

Pomba
Is 5:14; 10:12

Porco
Lv 11:7; Dt 14:8; Is 65:4; 66:3,17

Pulga
1Sm 24:14; 26:20


Êx 8:2-13; Sl 78:45, 105:13; Ap 16:13

Raposa
Ne 4:3; Lc 13:32

Rato
Lv 11:29, Is 66:17

Sanguessuga
Pv 30:15

Tartaruga
Lv 11:29

Touro
Dt 33:17, Jo 21:10

Urso
1Sm 17:34,36,37; Pv 28:15; Lm 3:10, Dn 7:5; Am 5:19; Ap 13:2

Vaca
Nm 18:17, Jo 21:10, Is 11:17

Vibora (serpente venenosa)
Gn 49:17, Jó 20:16, Sl 58:4, Is 30:6; 59:5; At 28:3

Visite : www.animalivre.com.br

Compartilhar nas Redes Sociais

Comentários

AUTA MARTINS

 postado: 8/1/2011 17:30:51editar

MEU DESEJO É COMPREENDER OS MISTÉRIOS DE TODA A CRIAÇAÕ DO MUNDO,NOS CÉUS E NA TERRA E TUDO QUE NELES HÁ,RESPEITANDO O NOSSO CRIADOR.

 

Paola Fernandes

 postado: 12/6/2011 16:29:20editar

Gostaria de saber se os animais depois que morrem terão um lugar especial no céu? Conforme Eclesiastes 3:18-21: Disse ainda comigo: é por causa dos filhos dos homens, para que Deus os prove, e eles vejam que são em si mesmos como os animais. Porque o que sucede aos filhos dos homens sucede aos animais; o mesmo lhes sucede: como morre um, assim morre o outro, todos têm o mesmo fôlego de vida, e nenhuma vantagem tem o homem sobre os animais; porque tudo é vaidade. Todos vão para o mesmo lugar; todos procedem do pó e ao pó tornarão.Se o homem vai para o céu o animal também?

 

Nelson

 postado: 22/8/2011 17:32:33editar

Creio que no Céu teremos muitas surpresas, muitas alegrias e as coisas que nos aguardam jamais nos passou pelo coração.

 

welington

 postado: 30/10/2011 12:30:09editar

Na biblia a relatos sobre como é o ceu, mais nós nunca saberemos tudo, só vamos saber ate onde Deus permitir.

 

ana

 postado: 21/3/2012 10:28:42editar

Amei o q vcs escreveram.....precisava disto para confortar minha alma com relação aos animais!! São tantos ataques q a Igreja recebe por parte de quem defende os animais q estava realmente mal!!

 

Endril

 postado: 21/6/2012 22:45:51editar

Muito bom!
Gostei desse texto e irei relê-lo. Há alguma indicação de livros que possam me ajudar a estudar e compreender o Livro Sagrado?
Sei que o Senhor Deus tem íntima compaixão dos animais, e desde que conheci o amor de Deus, eu os tenho amado também.
Em verdade, observo mais amor e lealdade nos animais do que nos homens, mas precisamos aprimorar nossos argumentos em termos legais também, filosóficos até.
Obrigado!

 

nilson

 postado: 12/11/2012 20:23:44editar

O que seria do homem se nao fosse os animais?

Muito bom saber que os animais foram muito importante no passado e agora, hoje a Biblia confirma esta realidade.

Voces estao de parabens por esta postagem, muitissimo util.

 

DENISE MENDES

 postado: 31/1/2013 11:31:57editar

AMEI O ESCLARECIMENTO....POSTAGEM MUITO ÚTIL...
VCS ESTÃO DE PARABÉNS.

 

sueli queiroz

 postado: 11/4/2013 23:03:34editar

Amei os esclarecimentos que contem aqui.Fiquei muito curiosa e agora vou pesquisar pra saber o significado de cada aninal ,obrigado

 

 

Veja também

Convívio com animais de estimação melhora sistema imunológicoA Copa do Mundo chegou ......e agora ?

 

editar    editar    editar    477 visitas    9 comentários