O cicloturismo e a lei

Em quinze anos de cicloturismo, as únicas vezes que fui solicitada a parar por um guarda de trânsito, foram exclusivamente para matar a curiosidade destes em relação ao trajeto da viagem, de onde estamos vindo e até onde vamos, etc. Talvez a empatia caus

  
  

Em quinze anos de cicloturismo, as únicas vezes que fui solicitada a parar por um guarda de trânsito, foram exclusivamente para matar a curiosidade destes em relação ao trajeto da viagem, de onde estamos vindo e até onde vamos, etc. Talvez a empatia causada por alguém carregando sua casa sobre duas rodas seja a causa disto, uma vez que, estando com a bicicleta vazia, muitos atletas relatam ter tido problemas.

Como nunca sabemos o que (e principalmente quem) iremos encontrar pela frente, não custa nada estarmos cientes de nossos direitos e deveres. Em viagem ou não, somos antes de tudo ciclistas perante o Código de Trânsito Brasileiro, por estarmos pilotando este ‘veículo de propulsão humana, dotado de duas rodas’.

Consultando o Código, entre muitas contradições e redundâncias, como tudo que envolve nossas leis, podemos pescar alguns itens interessantes, entre eles um que se encaixa perfeitamente na filosofia do cicloturismo:

- Os órgãos e entidades de trânsito pertencentes ao Sistema Nacional de Trânsito darão prioridade em suas ações à defesa da vida, nela incluída a preservação da saúde e do meio-ambiente.

Outro ainda a favor de todos os ciclistas:

- Compete aos órgãos e entidades executivos rodoviários... promover o desenvolvimento da circulação e da segurança de ciclistas;

Em alguns artigos, fica claro também, que podemos circular em todas as estradas, desde que no acostamento. Em outros, fica difícil saber o que é sonho o que é lei: os motoristas devem manter uma distância mínima de um metro e cinqüenta ao passar por uma bicicleta e dar a preferência ao ciclista ao virar à direita ou à esquerda.

Existem também os equipamentos obrigatórios para bicicletas: a campainha, sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor do lado esquerdo. O capacete foi deixado de lado, mas deveria ser igualmente obrigatório. Pelo menos para aqueles que não possuem bola de cristal...

Quanto aos nossos deveres, algumas falhas bem comuns são cometidas por muita gente: é proibido circular na contra-mão e em calçadas. É também uma infração conduzir a bicicleta:
- de forma agressiva;
- fazendo malabarismo ou equilibrando-se apenas em uma roda;
- sem segurar o guidão com ambas as mãos;
- transportando carga incompatível com suas especificações.

O velho chavão ainda funciona, para exigirmos respeito, antes de tudo temos que respeitar.

  
  

Publicado por em