Vôo maluco para Bocas del Toro

No Panamá, um simples vôo para o norte do país ganha o charme de uma aventura inesperada e prazeirosa

  
  
O De Haviland depois de descer em Bocas del Toro
Navio na Comporta de Miraflores
Almoçando com o navio na janela, assim é o restaurante na Comporta de Miraflores

O tempo não estava dos melhores, mas um país que vive de chuvas, como o Panamá, qualquer uma delas é bem vinda. A principal economia do país é o canal, onde passa metade dos navios de carga do mundo e o canal é formado pelo lago Gatún, que por sua vez deriva do rio Chagres. Todo este sistema é alimentado das águas da chuva e para isto o Panamá preserva muito bem suas florestas tropicais. Eu estava com um grupo visitando o país, já havíamos conhecido o canal e estávamos agora indo de avião para Bocas del Toro, no Caribe norte do país. Bem, o avião era mesmo pequenininho, 19 lugares. Serviço de bordo, banheiro e aeromoça nem pensar, e os pilotos sequer falaram bom dia pelo alto falante do aparelho, se é que tinha algum.
Bem que eu achei estranho perguntarem meu peso no balcão de check in, acho até que não acreditaram no peso que eu disse, mas me fazerem subir na balança para conferir depois foi demais. Procedimento padrão falaram e não teve um que não subisse na dita cuja. Moço, velho, senhoras ou crianças, todos subimos na balança que se assemelhava mais aquelas antigas de estrada de ferro.
Distribuíram os lugares conforme o peso para equilibrar o avião, mas lá dentro os assentos não tinham número, então sentamos aleatoriamente onde quisemos mesmo. Se não vão conferir onde sentamos no aparelho e os assentos não tem número, por que nos fazem subir na balança?

Interior do avião

Eu mal cabia naquela poltroninha, que não reclinava de jeito nenhum, mas ao contrario da maioria do meu grupo, eu não estava apreensivo. “eu não vou morrer num avião, eu disse, então se eu estiver a bordo não se preocupem”. A frase tinha uma intenção de causar um efeito psicológico para passar confiança principalmente em mim, já que o aspecto do aparelho não era dos melhores.
A porta se fechou atrás de mim, meio que na porrada, e uma pequena fresta ainda deixava entrar ar e claridade. Não é um aparelho de cabine pressurizada dá para perceber, pelas frestas da porta mal fechada. As asas são em cima com dois motores, um em cada asa, claro.

O estado de conservação interno do avião

Então os barulhentos motores foram ligados, o avião se deslocou pela pista, acelerou, correu, e o pequeno “De Havilland DHC 6 Twin Otter” finalmente levantou vôo. Eram 6,45 da manhã, na cidade do Panamá que mal acordara.
O tempo estava super nublado e as nuvens além de impedir a visão da paisagem ainda faziam o sacolejar o bicho no céu, mas ventava tanto que as nuvens se abriam e o sol de vez em quando aparecia.

Vista da janela do avião em pleno vôo

O Panamá, naquele trecho, tem apenas 80 quilômetros de largura e a cidade do Panamá fica numa baía do lado do oceano Pacífico, mas do alto a gente consegue avistar toda a sua extensão até o oceano Atlântico. Dois oceanos na mesma visão da janela é uma coisa rara e o avião batizado de nome grande e pequeno na construção fura as nuvens em direção ao norte. Um vôo um tanto quanto turbulento em alguns momentos e calmo em outros, até que começou a chover e um dos passageiros, no ultimo banco ao lado da porta reclama sentir a umidade em suas roupas. Estava chovendo dentro do avião, a água entrava pela pequena abertura da porta. Olho em volta e tudo parece mal aparafusado ou quebrado, mas o aparelho parecia bem seguro, louco mesmo era o piloto.

Palafitas em Bocas del Toro
Interior do aparelho
Estrela do mar

Baixamos para Bocas del Toro, no Caribe panamenho, mas o tempo chuvoso não nos convencia muito disto, embora em alguns pontos a água se mostrasse clarinha, quase transparente e azul. Com sol deve ser bonito penso eu.

Bocas del Toro, no dia seguinte o tempo melhorou

O procedimento de pouso foi um rasante pela cidade e o aparelho se aproximou baixo demais da cabeceira, quase tocamos a trave do campinho de futebol na cabeceira da pista sem interromper a partida, e o avião tocou o solo antes do previsto, percorreu alguns metros e então deu um cavalo de pau. Girou rapidamente no eixo e recomeçou a acelerar de volta na pista, não deu tempo nem de levar um susto e já estávamos em frente ao terminal de passageiros com os funcionários da Air Panamá rindo da loucura do piloto. Ele estava com tanta pressa que deu o cavalo de pau, voltou para o terminal e parou o avião. Descemos meio sonolentos e assustados e a caminho do terminal deu para ver a cara espantada dos passageiros que iriam agora entrar no mesmo avião de volta para a cidade do Panamá. Lá vem de volta o piloto, baixinho, gordinho e careca, mas com uniforme impecável, correndo com os papéis de autorização e plano de vôo na mão, entrou no aparelho, fechou a porta e ligou os motores, numa atitude como que a gritar: quem quiser que me siga. Enquanto caminhávamos para a van que nos levaria ao hotel o “De Havilland DHC 6 Twin Otter” taxiou, acelerou e levantou vôo com toda a pressa do mundo, bravo e valente rumo as nuvens que já se dissipavam, prenunciando o sol que na verdade só apareceu no dia seguinte.

Ilha dos Macacos no canal do Panamá
Indígena Embera, Panamá
Isla dos Passaros, Bocas del Toro
Turistas se fotografam em frente ao avião, depois da aventura
  
  

Publicado por em

Eduardo

Eduardo

24/10/2012 23:01:58
Muito legal a narrativa, me diverti muito e também fiquei apreensivo, pois vou ao Panama em Janeiro e acho que vou fazer este voo!!!!rsrsrs
Sabe me informar quanto custa o voo de ida e volta da cidade do panama para bocas del toro?

Victor Andrade

Victor Andrade

Oi Edu, obrigado pelo comentário e elogios. Não há motivos pra ficar apreensivo, os aviões são bons apesar de velhos e este aparelho que voei já deve estar consertadinho e pintadinho de novo. Os pilotos devem ser malucos, mas muito bons e não há notícias de quedas. Espero que você pegue um dia bem bonito para voar, por que o meu estava chuvoso infelizmente. Quanto ao preço do voo eu não sei por que viajei a convite, mas tentei pegar os preços na internet e não consegui. Acredito que é um voo barato de duração de uma hora e existem vários por dia. Espero que você se divirta bem mais voando do que lendo a minha aventura, afinal viajar é sempre melhor do que imaginar, não é? Abraços
Eduardo Nascimbeni

Eduardo Nascimbeni

23/08/2011 02:25:20
Victão,
Uma vez também viajei num avião pequeno assim, de Palmas a Brasília.
O que me espantou foi ver a sombra do avião sepenteando nos pastos durante a viagem, hehehe.
Abração do Dado.

Victor Andrade

Victor Andrade

Avião que voa mais baixo tem destas coisas, estão mais sujeitos a turbulências e aos caprichos dos relevos geográficos. A Primeira e única vez que voei de Bandeirante me espantei que o dia estava bom, mas ao sobrevoar uma pequena serra o aparelho sofreu com turbulência.
Eduardo Nascimbeni

Eduardo Nascimbeni

23/08/2011 02:23:19
Caraca, que legal!!! Que viagem mais interessante, muito boa numa roda de "causos"...
Adorei.
Dado.

Victor Andrade

Victor Andrade

Oi Dado Valeu o comentário. Realmente a coisa foi bem maluca mesmo, mas no fim deu tudo certo. Abs
Leda

Leda

21/08/2011 23:46:14
Estória genial!!! Vc. descreve os fatos com realismo e humor!! Vivenciei o vôo!
Também quero saber mais sobre Bocas del Toro.
Leda

Victor Andrade

Victor Andrade

Oi Leda Obrigado, que bom que gostou. Eu realmente procurei fazer o relato o mais real possível. Bem vinda, continue lendo minha coluna
Glaucya Braga

Glaucya Braga

18/08/2011 23:50:50
Adorei a narrativa, me senti nesse vôo maluco e incrível. Espero mais posts tão legais quanto esse.

Victor Andrade

Victor Andrade

Valeu Glaucya, quem sabe no próximo voo maluco você não esteja junto? Aguarde outros post e obrigado pelo cometario beijos Victor
Nina

Nina

18/08/2011 19:26:00
Belas fotos! Ótima história!

Victor Andrade

Victor Andrade

Legal Nina Obrigado pela visista
Família Müller

Família Müller

18/08/2011 11:12:01
Adoramos Victor ! Uma história e tanto! Quem vive com o pé na estrada muitas vezes é surpreendido com situações inusitadas. Espero também saber mais de Boca del Toro na próxima!
Grande abraço,
Ronny, Lu e Matheus

Victor Andrade

Victor Andrade

Pois é gente, estas coisas fazem parte de quem põe o pé na estrada e dão o sabor depois à narrativa. Aguarde Bocas del Toro na proxima Abraços Victor
Antonio Sérgio Braga

Antonio Sérgio Braga

17/08/2011 23:13:33
O inusitado da viagem vale o passeio e as dificuldades descritas com sabor, fazem parte da aventura. Mas e Boca del Toro? Seria bom a coluna falar sobre o local. Talvez na próxima edição possa sair algo sobre o Caribe Panamenho. Ficamos no aguardo!

Victor Andrade

Victor Andrade

Obrigado Tom, pelos elogios. A coluna era sobre o vôo, mas vou ter de colocar mesmo algo sobre Bocas del Toro, você não foi o primeiro a pedir. Aguarde a proxima coluna.