Briga pela água entre Estados Unidos e Canadá

Parece que o ser humano, apesar de todas as suas conquistas intelectuais, filosóficas, científicas e tecnológicas, não abre mão, entretanto, de seus hábitos destruidores e fratricidas que o colocam em posição ímpar e retrógrada entre todas as espécies viv

  
  

Parece que o ser humano, apesar de todas as suas conquistas intelectuais, filosóficas, científicas e tecnológicas, não abre mão, entretanto, de seus hábitos destruidores e fratricidas que o colocam em posição ímpar e retrógrada entre todas as espécies vivas! Agora mesmo assistimos, escandalizados, à opção adotada pelos Estados Unidos de fazer guerra, a qualquer custo (e o custo será altíssimo), contra o Iraque, em lugar de tentar esgotar todas as possibilidades diplomáticas a que um povo realmente civilizado e intelectualizado recorreria, antes de escolher o caminho da força bruta...

Neste caso - afastadas as justificativas de praxe - o objetivo é a conquista do petróleo, esse óleo negro e pegajoso, já condenado pela civilização por conspurcar os oceanos e toda a biosfera, como principal vilão das transformações climáticas que nos ameaçam. As próximas brigas, porém, parece que serão pela água e terão os mesmos norte-americanos como principais protagonistas!

Os Estados Unidos consomem 600 litros de água por habitante por dia; a Europa, 200; e o mundo todo, 150 litros per capita, em média. E não se preocupam em fazer nenhuma economia! Irrigam suas culturas pelos métodos mais irracionais e dispendiosos que existem. Consomem 15 mil metros cúbicos de água para produzir uma tonelada de carne; 400.000 litros para construir um automóvel e... 4,5 bilhões de litros cada vez que os seus 250 milhões de habitantes dão uma descarga em seus vasos sanitários (18 litros em média, a cada uso)!

Pior: em lugar de pensar em racionalizar o uso da água, mediante medidas de economia e emprego de sua alta capacidade tecnológica para reduzir os gastos, prefere cobiçar as águas do Canadá, país que se orgulha de possuir uma das maiores reservas do líquido em todo mundo... Acontece que nem o governo, nem a população, nem as organizações ambientalistas do Canadá concordam com a exportação de água para suprir as necessidades do imprevidente país vizinho. Mas os Estados Unidos vêm, cinicamente, recorrendo à justiça e aos órgãos internacionais, como a ALCA, alegando tratar-se de um produto comercial, uma mercadoria como qualquer outra, não podendo ser sonegada ao país vizinho, com o qual mantém tratados de livre-comércio! Bush já fez suas declarações desastradas a respeito...

Guerra pela água... é o que menos se poderia esperar de uma verdadeira civilização!

  
  

Publicado por em