Fundação SOS Mata Atlântica realiza o Viva a Mata 2011

Sétima edição do maior evento ambiental em prol da Mata Atlântica comemora os 25 anos da ONG de 20 a 22 de maio no Parque Ibirapuera

  
  

A sétima edição do Viva a Mata – mostra de iniciativas e projetos em prol da Mata Atlântica – , que acontece entre os dias 20 e 22 de maio, no Parque Ibirapuera, em São Paulo, comemora uma data especial: o 25º aniversário da Fundação SOS Mata Atlântica, organizadora do evento. Para isto, a programação está repleta de atividades que buscam conscientizar a sociedade sobre a importância da conservação do nosso ambiente e que apresentam um pouco da história da ONG. Com diversas atrações gratuitas, a exposição comemora também o Dia Nacional da Mata Atlântica (27 de maio). A iniciativa tem patrocínio do Bradesco e da Natura, e acontece na Arena de Eventos (ao lado do Museu Afro Brasil).

ONGs e instituições, que atuam nas mais variadas regiões do país, com programas pela conservação da Mata Atlântica, participarão do evento. Com mais de 100 projetos, a programação inclui peças de teatro, oficina de plantio com distribuição de mudas, palestras, debates, jogos educativos e muito mais.

A cenografia é assinada pelo designer Beto Von Poser, da Cenário Brasil, que desenvolveu estandes feitos de madeira reaproveitada, tecido com restos de panos e paredes com caixas de frutas.

Sua Mata, Sua Casa
Um dos principais objetivos da Fundação SOS Mata Atlântica é a mobilização de pessoas e articulação de ações para a proteção da Mata Atlântica, Bioma que compõe todo o ambiente ao nosso redor, seja ele formado por florestas ou urbano. “A qualidade do ar que respiramos e da água que consumimos são dois bons exemplos de como a conservação de nossas florestas e de nossos recursos naturais impactam diretamente em nossas vidas”, explica Marcia Hirota, diretora de Gestão do Conhecimento da SOS Mata Atlântica. Segundo ela, “é com este conceito que comemoramos nossos 25 anos e realizamos o Viva a Mata 2011, destacando como todos somos agentes transformadores e estamos aptos a colaborar com a conservação da Mata Atlântica, ou, em outras palavras, com a proteção do meio ambiente em que vivemos.”

A diretora explica que a população costuma ver a floresta como algo distante, como a morada dos animais, por exemplo, e não como sua própria morada. “Cerca de 112 milhões de pessoas vivem na Mata Atlântica, mas não se dão conta disso e não se identificam com essa realidade. Por isto, esperamos que as atividades desenvolvidas no Viva a Mata mobilizem a sociedade ao mostrar que a Mata Atlântica tem uma importância enorme para a sadia qualidade de vida das pessoas, pois está diretamente relacionada ao seu dia a dia e depende de suas atitudes, como fazer bom uso da água limpa ou economizar energia elétrica.”

Com a mesma proposta, a Fundação apresenta também em São Paulo, no Shopping Metrô Tatuapé (Praça de Eventos – Piso Tatuapé), de 5 a 29 de maio, a exposição interativa “Sua Mata, Sua Casa”. São Paulo é a quarta cidade a receber o projeto, que já esteve em Fortaleza (CE), Maceió (AL) e Salvador (BA). Até janeiro de 2012, outras oito capitais nacionais receberão a exposição. Inspirada nas partes de uma casa, a mostra é dividida por cômodos onde o público encontra painéis informativos, vídeos, palestras e shows.

Auditório
A abertura do Viva a Mata 2011 está programada para as 9h do dia 20 de maio, com o painel “25 anos de olho na Mata Atlântica”, no auditório central do evento. Com capacidade para 60 pessoas, esse espaço concentrará os principais painéis, palestras e debates do evento.

Para o primeiro dia, estão programados os painéis “Mosaicos de conservação”, às 10h30; “Incentivos econômicos para quem protege a natureza”, às 12h; “Pacto pela Restauração da Mata Atlântica”, às 13h; “Estudos e Pesquisas nos esforços de restauração”, às 14h; “Comércio ilegal de animais silvestres”, às 15h e “Turismo comunitário na Mata Atlântica”, às 16h30.

No sábado, dia 21 de maio, acontecerão os debates “O Código Florestal e a vida nas cidades”, às 9h; “Planos Municipais de Mata Atlântica”, às 10h30; “Acessibilidade em áreas verdes”, às 12h; “O que vem com os portos na Mata Atlântica?”, às 13h30 e “Quem está invadindo a sua praia?”, às 15h; além da roda de conversa “Mobilização - espaço de articulação e cidadania”, às 16h30.

O último dia de evento iniciará com o debate “Tragédias naturais e Mata Atlântica”, às 9h; seguido por “Saúde e Meio Ambiente”, às 12h; “Gestão da água na legislação ambiental”, às 13h30; “Preparativos para a Rio+20”, às 16h30. No mesmo dia, às 15h, acontecerá a palestra “Emissões de CO2, como medir e compensar”.

Estandes temáticos
Cerca de 100 projetos que apresentam os exemplos de conservação, educação e sustentabilidade da Mata Atlântica, realizados pela própria Fundação e por ONGs que atuam em todo o Brasil, serão apresentados em estandes temáticos. Entre os temas estão “Inovações Sustentáveis”, “Ações Regionais”, “Costa Atlântica”, “Educação Ambiental”, “Reciclagem”, “Fauna e Flora” e “Restauração Florestal”.

Para os estandes estão programadas apresentações de projetos, oficinas de reciclagem e jogos interativos, além de cartazes, painéis ilustrativos, maquetes e demonstração de produtos que explicam os vários projetos desenvolvidos pelas instituições no esforço de proteger a Mata Atlântica.

Vários estandes também promoverão atividades para crianças, como telas para desenhos, maquetes, oficinas de reciclagem, réplicas de animais, apitos que simulam sons de aves, peças interativas, experimentos e muitas brincadeiras.

Estandes temáticos: Educação Ambiental, Amigos da Mata, Oficina de Plantio, Costa Atlântica (2), Fauna e Flora, Água (2), Reservas Particulares, Restauração Florestal, Centro de Experimentos Florestais, Reciclagem (2), Lagamar, Produtos sustentáveis, Inovações Sustentáveis, Ações Regionais, Unidades de Conservação e Empresas & Mata Atlântica (2).

Estandes institucionais: SOS Mata Atlântica e Bradesco

Palco do Caminhão
Uma das principais plataformas para as atividades do Viva a Mata 2011 é o palco do caminhão itinerante da SOS Mata Atlântica, totalmente reformulado para esta edição do evento. Durante os três dias da exposição, o caminhão se transformará em uma arena para debates, palestras, oficinas, exibição de filmes e entrevistas com celebridades, esta última promovida pelo programa Planeta Eldorado, da Rádio Eldorado Brasil 3000, sempre às 17h.

Entre as palestras programadas estão papos de almoço sobre alimentação saudável e vegetarianismo (na sexta-feira, 20/5, 12h e no domingo, 22/5, 12h), que abordarão a questão da alimentação sob o aspecto do bem-estar e dos impactos da indústria produtora de alimentos. Ainda sobre o assunto, na sexta-feira, dia 20/5, às 13h, ocorrerá o CineMata, com a exibição do documentário “A carne é fraca” (Instituto Nina Rosa, 2005), que apresenta a realidade dos abatedouros do Brasil.

As rodas de conversas terão os temas “A Mata Atlântica é aqui” (sexta-feira, 20/5, 11h), “A Mata Atlântica nas escolas” (sexta-feira, 20/5, 14h) e “Surf, sustentabilidade e gestão costeira” (sábado, 21/5, 11h). Outro destaque é o debate “A Mata Atlântica menos conhecida” (sábado, 21/5, 10h), que apresentará dados sobre o Nordeste e o Norte do país, região onde alguns estados são formados por uma pequena e pouco reconhecida área de Mata Atlântica, predominando outros biomas.

No palco do caminhão também ocorrerão espetáculos teatrais como “O Caminho de Casa do Vovô Gepet” (sexta, 20/5, 10h); “Pinóquio em uma aventura ecológica” (sábado, 21/05, 15h30) e “Água”, da Cia Bicicletas Voadoras (domingo, 22/5, 15h). Outra atração é a Orquestra de Sucata, composta por crianças e jovens que constroem seus próprios instrumentos musicais a partir de sucata (domingo, 22/5, 18h).

Sobre consumo e descarte conscientes, a programação do caminhão traz a oficina “Consumo crítico sustentável” (domingo, 22/5, 13h30) e a demonstração “Compostagem urbana” (sexta-feira, 20/5, 13h), com muitas dicas para serem aplicadas no dia a dia.

No sábado, dia 21, acontecerá, das 12h30 às 15h30, uma edição especial do TEDxMataAtlântica, movimento social que gera intercâmbio de conhecimentos e é licenciado pelo TED Conferences. Promovido pela Educartis, o TEDxMataAtlântica contará com a participação de Kaká Werá, índio de origem tapuia, escritor, ambientalista e fundador do Instituto Arapoty, entre outros convidados.

Estão previstas ainda muitas atividades divertidas, como o “Avistar: observação de aves no Parque” (sábado, 21/5, 9h) e uma sessão de jogos (domingo, 22/5, 10h), com atividades lúdicas voltadas especialmente ao público infantil.

Exposição Itinerante
O caminhão da SOS Mata Atlântica compõe o projeto “A Mata Atlântica é aqui – exposição itinerante do cidadão atuante”, que tem como objetivo levar informações sobre a Mata Atlântica a todas as regiões onde ela ocorre. Lançado no Viva a Mata 2009, o caminhão, com uma equipe de biólogos e educadores ambientais, já visitou 80 cidades, do Rio Grande do Sul ao Piauí, atendendo um público aproximado de 290 mil pessoas.

O terceiro ciclo do projeto itinerante começa em maio deste ano, durante a sétima edição do Viva a Mata. Durante um ano, o caminhão visitará cerca de 40 cidades do Bioma Mata Atlântica das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. As atividades e a cenografia do caminhão serão completamente renovadas para o novo ciclo, que visitará municípios já percorridos anteriormente, além de outros que ainda não receberam a exposição. “Com o novo layout do projeto, pretendemos mostrar que a Mata Atlântica não está apenas nos parques e reservas, mas também faz parte de nossas vidas através da água que bebemos, do ar que respiramos, do clima que toma conta da nossa cidade, entre outros. É possível ter muitas atitudes positivas em prol da proteção do Bioma e as novas atividades mostrarão como,” explica Camila Plaça, coordenadora do projeto.

Código Florestal
No último dia do evento, entre 10h e 12h, o Parque Ibirapuera será tomado por uma mobilização em favor das florestas e dos serviços ecossistêmicos, contra o PL 1876/99 (relatório do Dep. Aldo Rebelo), que modifica o Código Florestal.

O movimento é formado por ONGs e entidades contrárias às alterações à legislação ambiental, que ameaçam não só florestas e ecossistemas naturais, mas também populações que vivem em áreas inapropriadas ou de risco nas grandes cidades.

O trabalho será feito de forma articulada com a Frente Parlamentar Ambientalista e estimulará a participação de indivíduos, descentralizando a campanha e aumentando o espaço de debate sobre o futuro das florestas e das cidades brasileiras.

Para mais informações sobre como participar da mobilização e acompanhar a agenda de mobilizações, acesse o site www.sosflorestas.com.br.

Contexto - Uma série de alterações no Código Florestal brasileiro está em curso em Brasília. O PL 1876/99, de autoria do deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB-SP), enfraquece as leis que protegem a Amazônia, a Mata Atlântica, o Cerrado e a Caatinga. A proposta também incentiva a ocupação de áreas de risco, como encostas de morros e margens de rios nas cidades brasileiras, o que abriria espaço para mais tragédias, como deslizamentos de terra e enchentes. Na prática, essa mudança da legislação pode aumentar o desmatamento, provocando maior emissão de gases do efeito estufa e acarretando problemas na geração e no abastecimento de água nas áreas urbanas. O projeto de lei pode ser votado a qualquer momento pela Câmara dos Deputados.

Fonte: Lead Comunicação

  
  

Publicado por em