Gestão de frotas mira nas emissões dos gases causadores do efeito estufa

Entre os maiores emissores do gás carbônico (CO2), um dos principais causadores das alterações no clima do planeta, está o setor de transportes.

  
  

O alerta veio do IPCC-Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, que divulgou recentemente a quinta e última parte do mais completo relatório sobre o aquecimento global já produzido pela ciência: precisamos zerar asemissões dos gases causadores do efeito estufa até o final deste século. Entre os maiores emissores do gás carbônico (CO2), um dos principais causadores das alterações no clima do planeta, está o setor de transportes.

Segundo Ricardo Albregard, da AGEV-Associação de Gestão de Despesas, o mercado brasileiro de gestão de frotas já vem trabalhando neste sentindo há mais de 10 anos e obtendo grandes resultados."Daqui para a frente, todo gestor deverá ter como prioridade zero a busca na redução das emissões de CO2 das frotas, já que a mitigação se consolida como um item de atenção de centenas de empresas comprometidas com a sustentabilidade e, com o acordo climático global que deve ser fechado em 2015 pelos países membros da ONU, certamente se tornará um requisito obrigatório".

Para reduzir as emissões dos gases causadores do efeito estufa, as empresas que prestam serviços de gestão de despesas com veículos fazem uso de inúmeras tecnologias que, juntas, fornecem os relatórios gerenciais necessários para detectar as medidas que precisam ser adotadas.

Elas vão desde o uso prevalente de combustíveis renováveis a uma melhor manutenção dos veículos, passando por treinamento dos condutores e até pela melhor definição das rotas."Hoje já temos várias empresas que conseguiram reduzir suas emissões CO2. Uma delas chegou ao recorde de 58%", destaca Raphael Rodrigues, diretor da AGEV.

"Não podemos nos esquecer que a questão do combustível é estratégica, tanto para as despesas com frotas como para o clima", destaca Albregard.

Segundo o penúltimo relatório do IPCC, "Bioenergias podem desempenhar um papel crítico para a mitigação".

Embora o texto não faça uma referência direta aos biocombustíveis, a cana-de-açúcar é citada como alternativa: evidências sugerem que opções com emissões de baixo ciclo de vida (como a cana-de-açúcar, árvores com crescimento rápido e uso sustentável dos resíduos de biomassa, algumas já disponíveis) podem reduzir emissões'.

"Enquanto os veículos de emissão zero não se tornam economicamente viáveis, gestores de frotas e empresas de gestão de despesas deveículos tem muito a contribuir com o maior desafio que a humanidade está enfrentando. As emissões dos gases de efeito estufa estão também, definitivamente, sob nossa responsabilidade", finaliza

Visite: www.revistaecotour.com.br

Fonte: Rita Silva

  
  

Publicado por em