Greenpeace quer que Ibama devolva árvore entregue a madeireiros no Pará

O Greenpeace encaminhou ontem carta à presidência do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) lamentando o fato de a instituição ter se curvado a pressão de madeireiros e cancela

  
  

O Greenpeace encaminhou ontem carta à presidência do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) lamentando o fato de a instituição ter se curvado a pressão de madeireiros e cancelado autorização para transportar uma tora de castanheira destinada à exposição sobre a Amazônia no sudeste do País.

A castanheira, espécie protegida por lei, havia sido queimada e derrubada na região de Castelo dos Sonhos, oeste do Pará. A autorização para a coleta e transporte havia sido dada ao Greenpeace pelo próprio Ibama, mas foi revogada depois que ativistas da organização foram cercados por cerca de 300 pessoas em Castelo dos Sonhos e forçados a permanecer durante quase dois dias na base do Ibama. A árvore foi entregue aos madeireiros.

“Atrair a atenção da opinião pública para a necessidade de fortalecer a presença do Estado tem sido para nós uma estratégia de contribuir para as soluções que levem ao desenvolvimento da região de forma socialmente justa e ambientalmente responsável. Fazer a vontade dos destruidores da floresta não contribui para fortalecer o governo na região”, afirma o Greenpeace em nota.

Na carta, enviada com cópia a vários ministros e ao governo do Pará, o Greenpeace pede nova autorização para o transporte e garantias de segurança para o deslocamento da árvore. A tora de castanheira é peça fundamental da exposição itinerante “Aquecimento Global: apague essa idéia”, organizada pelo Greenpeace, para mobilizar a opinião pública brasileira em defesa da floresta amazônica e sensibilizá-la sobre o papel do desmatamento nas mudanças climáticas. Três quartos das emissões brasileiras de gases do efeito estufa vêm do desmatamento e das queimadas, principalmente na Amazônia, colocando o Brasil entre os quatro maiores poluidores mundiais do clima.

“Se o governo Lula não consegue nem garantir que uma tora de castanheira, derrubada ilegalmente no Pará, seja transportada com licença oficial e em segurança para ser utilizada em um evento com fins educativos, como pretende convencer a opinião pública mundial de que pode proteger a Floresta Amazônica, parar o desmatamento e evitar o agravamento do aquecimento global"”, pergunta Paulo Adário, coordenador da campanha da Amazônia, do Greenpeace.

Para a organização ambientalista, o governo deve assumir uma posição de vanguarda em defesa da biodiversidade e do clima em vez de ceder às pressões dos inimigos das florestas nos rincões da Amazônia e em Brasília. Setores do governo estão apoiando projeto de lei que, na prática, reduz de 80% para 50% a área que tem de ser mantida com cobertura florestal original na Amazônia e modifica o conceito de Reserva Legal, um dos marcos da legislação florestal brasileira.

O projeto de lei, que atende a interesses da bancada ruralista e das confederações nacionais da Indústria e da Agricultura (CNI e CNA), está na Câmara dos Deputados, depois de ter sido aprovado pelo Senado. Se aprovada, a proposta permitirá a substituição de extensas áreas de florestas brasileiras por cana, dendê e eucalipto, podendo resultar em várias regiões do país livres de florestas. A Câmara tem duas semanas para analisar o projeto e devolvê-lo ao Senado.

Fonte: Greenpeace

Del Valle Editoria

Contato: vininha@vininha.com

Site: www.animalivre.com.br

  
  

Publicado por em

Roberto Moraga Michelsen

Roberto Moraga Michelsen

31/12/2009 11:01:19
Segundo uma engenheira química com dois pós doutorados na área de organo-metálicos, ou seja formação de moléculas organo metálicas com o elemento químico mecúrio, a castanha do Pará é rica em selênio, elemento
químico que sequestra o mercúrio do organismo humano, ou seja do fígado, protegendo-o contra a hepatite.
Como nos garimpos, comuns na região, se usa o mercurio
na formação da amalgama, ocorre o fator vapor de mercúrio que é absorvido pelo elemento humano através dos pulmões, o que gera como consequência a hepatite.
Se acabarmos com a castanheira, e plantarmos arroz, o que acontecerá? Qual a taxa de mortalidade por hepatite no Brasil? A alimentação a base de arroz é satisfatória?
O que acontece com a energia solar que incide sobre a terra durante o preparo para a plantação de arroz, energia esssa que é armazenada perenemente sob forma de madeira no tronco da castanheira, e toda e qualquer árvore. Será que não vai, literalmente, para o espaço?
Sideral, obviamente.