Hortas nas escolas de Santos/SP estimulam aprendizagem

Os alunos da rede municipal de ensino de Santos (SP) estão aprendendo de forma criativa noções de meio ambiente e de alimentação saudável.

  
  

Os alunos da rede municipal de ensino de Santos (SP) estão aprendendo de forma criativa noções de meio ambiente e de alimentação saudável. Desenvolvido pela prefeitura, o projeto Horta nas Escolas vem ganhando adesão da comunidade escolar e envolvendo equipes técnicas, alunos e familiares. "É preciso que as crianças entrem em contato com a natureza desde cedo", acrescenta o prefeito João Paulo Papa. Atualmente já são 20 unidades de ensinos infantil e fundamental que aderiram à novidade, lançada na cidade em 2006.

"A horta é uma ferramenta muito importante para trabalharmos de forma interdisciplinar. A aprendizagem é estimulada com o lúdico, com a energia do contato com a terra, que está ficando cada vez mais raro", detalha a professora Vânia Borges Bernal, que coordena o projeto na rede municipal. A cada 45 dias, em parceria com o Jardim Botânico Chico Mendes e a Casa da Agricultura (Governo do Estado), é oferecido um curso de capacitação do projeto para os educadores do município.

Foi exatamente num desses cursos que a professora Cláudia Moreno Zaniti resolveu implementar o projeto na unidade em que leciona, a José da Costa e Silva Sobrinho, no Piratininga. Responsável na unidade pelas questões relativas ao meio ambiente, ela resolveu envolver os educadores, alunos e pais num mutirão para preparar a terra para o plantio. "Tínhamos aqui o espaço adequado, mas não estava sendo utilizado. Agora vamos poder usar a horta como mais um instrumento de aprendizagem para nossos alunos", ressaltou durante o mutirão realizado na terça-feira (1º).

ENVOLVIMENTO FAMILIAR
A ideia ganhou a adesão da comunidade. Pais, avós, irmãos resolveram participar do mutirão. Rosana Aparecida da Silveira Barbosa, mãe de Vitória, de oito anos, foi uma das entusiastas. Ao lado da filha, ajudou a preparar a terra, aplicando calcário, corrigindo o PH (indicador ácido-base) e deixando pronta para o plantio, que já poderá acontecer dentro de 15 dias.

"É importante que os pais participem das atividades nas escolas, acompanhem os filhos. Eu tenho certeza que esse projeto vai contribuir na educação da Vitória, inclusive incentivando-a a comer verduras, legumes", diz Rosana. Animada, com as mãos na terra, a pequena Vitória se mostra orgulhosa com a participação da mãe. "A minha mãe entende tudo de planta. Eu adoro mexer na terra, faz massagem na mão", revela, dizendo que quer plantar o que mais gosta: cenoura, alface e couve-flor.

COLHENDO OS FRUTOS
Na unidade João Ignácio de Souza, no Rádio Clube, a comunidade escolar já está literalmente colhendo os frutos do trabalho. Os alunos, com auxílio dos familiares e educadores, participaram de todo processo da horta, desde a preparação da terra, até o plantio e, agora, a colheita. "Os pais aceitaram bem a ideia e as crianças também. Aqui comem salada que é uma beleza", conta a diretora Liana Aparecida Julião Pio do Carmo.

O projeto é organizado na escola pela professora Valdice da Silva Freixo, que trabalha com as crianças a importância do respeito à natureza e de uma alimentação equilibrada. "A reação deles é a melhor possível", garante. O conteúdo está diretamente conectado às lições em sala de aula. Dentro das atividades de educação artística, por exemplo, decoram os regadores usados para regar as hortaliças.

"Agora, com a questão da gripe H1N1, reforçamos ainda mais a necessidade de ter uma alimentação saudável e sempre nos referimos à horta neste sentido", detalha a professora da turma, Jussara dos Santos. A iniciativa integra um amplo projeto ambiental da escola, onde os alunos separam o lixo reciclável para a coleta específica e também o orgânico para servir de adubo, conforme lembra a coordenadora Selma Vera Ribeiro.

"Isso sem contar que é um espaço privilegiado para trabalhar a educação de valores, as relações interpessoais", esclarece Selma. Os alunos aprovam. "Eu gostei de plantar e sempre falo para minha mãe que quero comer salada. Mas também gosto de arroz, feijão, batata", fala, brincalhona, a pequena Lívia Balula de Oliveira, de apenas quatro anos, enquanto os coleguinhas separam alface, chicória e couve-flor para entregar às merendeiras da escola. O almoço fresquinho, saudável, do dia, está garantido. Depois de higienizado, da horta, direto para a mesa.

Fonte: Secretaria da Comunicação Social da Prefeitura de Santos

  
  

Publicado por em