Instituto Xopotó lança o Projeto Agente Ambiental em Minas Gerais

Contempla ações para fomentar uma produção rural sustentável, onde as potencialidades das propriedades serão trabalhadas, sem comprometer as riquezas naturais existentes.

  
  
Busca de soluções de sustentabilidade

Acontece no próximo dia 18 de outubro, o lançamento do Projeto Agente Ambiental, produtor rural prestador de serviços ambientais idealizado pelo Instituto Xopotó, com apoio do Instituto Estadual de Florestas – IEF, por meio da Associação dos Produtores Florestais do Sudoeste de Minas Gerais – APFLOR, e em parceria com a Universidade Federal de Viçosa - UFV.

O Projeto contempla ações para fomentar uma produção rural sustentável, onde as potencialidades das propriedades serão trabalhadas, sem comprometer as riquezas naturais existentes.

O evento acontecerá no Centro Administrativo de Desterro do Melo/MG e contará com a presença do Secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais, Sr. José Carlos Carvalho, do diretor de Desenvolvimento e Conservação Florestal do IEF, Sr. Luiz Carlos Cardoso Vale, outras autoridades do governo estadual, lideranças locais, produtores rurais e instituições governamentais e não-governamentais.

Haverá apresentação de palestras, dinâmicas com os produtores rurais e exposição das próximas ações do projeto, além da participação do especialista em Projetos Socioambientais, Ricardo Maluf, um dos fundadores da Ong SOS Mata Atlântica.

Ao fim do lançamento, os convidados conhecerão as belezas de Desterro do Melo, onde se localiza a nascente do rio Xopotó e a Via Verde, circuito de Ecoturismo da cidade.

O lançamento veio para apresentar ações a partir do diagnóstico socioambiental realizado nesse ano de 2008, nas propriedades rurais dos municípios de Alto Rio Doce (231 km de BH), Brás Pires (208 km de BH), Cipotânea (184 km de BH) e Desterro do Melo (211 km de BH), o que possibilitou a estruturação de uma série de ações com vistas à proteção ambiental e melhoria da qualidade de vida das comunidades envolvidas.

A região analisada tem muitas potencialidades, pois encontra-se na Mata Atlântica e possui grande riqueza de recursos hídricos, além de jazidas de caulim, feldspato, grafite entre outros minerais. Porém, tem sofrido interferências negativas, cujos reflexos sociais, econômicos e ambientais são nítidos nos dias atuais: redução drástica da vazão do rio Xopotó, pelo desaparecimento de inúmeras nascentes e alto grau de empobrecimento dos solos, devido ao manejo inadequado.

Além da falta de assistência técnica e incentivo aos pequenos produtores. Frente a este quadro, o Instituto Xopotó, por meio do Projeto Agente Ambiental, vem em busca de soluções de sustentabilidade das propriedades para melhorar as condições sociais, econômicas e ambientais da região.

Fonte: Instituto Xopotó

  
  

Publicado por em

GERALDO DOS ANJOS ( IRMAO DIRCE E ZICO)

GERALDO DOS ANJOS ( IRMAO DIRCE E ZICO)

05/02/2012 11:55:24
ESTIVE EM BRAS PIRES UNS DIAS ATRAS E FIQUEI MUITO TRISTE POIS O RIO XOPOTO QUE ERA RICO EM PIAUS E OUTROS PEIXES HOJE REALMENTE ESTA MORRENDO EU AINDA SONHO EM VER AQUELE RIO SEM REDE DE ESGOTO E SEM POLUICAO PODENDO ATE MESMO LAVAR ROUPAS COMO MINHA MAE FAZIA ANTIGAMENTE ENQUANTO EU FICAVA CONTEMPLANDO AQUELA BELEZA NA SOMBRA DOS BAMBUS AMARELOS QUE AINDA EXISTE LINDO LINDO CHEIO DE LEMBRANCAS MARAVILHOSAS. UM ABRACAO E QUEM SABE UM DIA ESTE MEU SONHO AINDA POSSA SER REAL.....

Antônio Maurício Vieira

Antônio Maurício Vieira

06/02/2011 19:13:14
A lei da reserva florestal,quando foi instituída, tinha como objetivo,garantir à sociedade daquela época, a permanente oferta de madeira, pois a demanda por esse recurso energético era imensa.
A madeira era utilizada nos fogões das residências, nos fornos de assar, nas coberturas das casas, nas siderúrgicas, nos trens de ferro, na indústria de móveis,etc.
Com tamanha demanda de madeira, o legislador achou por bem, criar uma lei que incidisse sobre a terra, imobilizando-a, com objetivo de garantir o mínimo de madeira frente às enormes necessidades da época.
E a mata era, na verdade, um estorvo para seus proprietários, pois carecia de valor econômico real e impedia o desenvolvimento de várias atividades rurais.
A floresta não era entendida em suas múltiplas funções ambientais como hoje a sabemos.
Quando pagamos o IPVA, IPTU, ITR,o Imposto de Renda e tantos outros, achamos justo e facilmente compreensível.
Mas a lei da reserva florestal antiga, como a atual, é injusta, pois debita somente ao proprietário a perda prática e objetiva da área tomada pela floresta.
Aconteceu pela lei,uma desapropriação branca, sem o devido pagamento ao dono da terra.
O dono da terra é multado se não conservar o que é de todos, conserva as cercas e paga o Imposto Territorial de algo que não é somente seu.
A partir do momento, em que determinado bem torna-se propriedade coletiva, todos devem participar de sua manutenção
Quando o governo precisa realizar uma obra, em determinada propriedade, ele o fará mediante desapropriação, com o pagamento advindo dos impostos e taxas cobrados do povo e a obra será para o povo.
A questão ambiental é hoje perfeitamente entendida como de interesse geral da humanidade.
Portanto, a sociedade deveria pagar ao dono da terra, o valor regional de arrendamento para engorda de gado,para as regiões altas e para as áreas férteis, o valor relativo à renda líquida obtida com um cultivo de milho + um cultivo de feijão, por ano, na área reservada para o meio ambiente.
Isso é justo e tal providência tornaria os proprietários rurais, ferrenhos defensores da floresta em suas terras e tal ônus, se compartilhado, seria facilmente suportado.
MAURÍCIO VIEIRA

Maurício

Maurício

10/10/2010 16:37:12
Vejo muita gente querendo salvar o Rio Xopotó, mas a coisa não é tão fácil assim não. Estão plantando muito eucalipto por onde o rio passa, o que causa a diminuição das nascentes. Cada novo hectare plantado, sugará do solo por dia, em torno de 50.000 litros de água, que será quase toda lançada na atmosfera, indo para outras paragens. Infelizmente, estamos próximos demais das Siderúrgicas. Deveríamos imitar um pouco os japoneses, que não gostam muito, nem de madeira nem de gado, mas os técnicos estão felizes com o que temos, ou sofrem do mal da loura.
Abraços.

MURILO VIDIGAL CARNEIRO

MURILO VIDIGAL CARNEIRO

09/10/2010 15:09:01
Na verdade, apesar de já saber alguma coisa sobre o Instituto Xopotó, que me foi passado pelo amigo e parente José Geraldo Rivelli,hoje é que deparei-me com a importância deste Instituto para toda a região, após a leitura deste Informativo. Nos "comentários" chamou-me a atenção a colocação do Sr.Maurício Vieira, muito boa por sinal. Apenas não entendi bem o que ele disse sobre o poder dos "padeiros".Seria uma metáfora ou são de fato os artesãos do pão?

Maurício vieira

Maurício vieira

22/07/2010 19:17:58
Brás Pires, precisa de um bom Engenheiro Agrônomo, que seja capaz de pensar o desenvolvimento do município como um todo e que saiba elaborar projetos consistentes. Esse profissional deve entender ainda de agroindústria e mercado. Para que seja realmente produtivo, deve ele ter pleno apoio do Prefeito e da Câmara dos Vereadores. Para se chegar ao sucesso, o município precisará unir as forças dos proprietários, trabalhadores e especialmente os padeiros, em torno de projetos específicos, que demonstrem claramente viabilidade. É preciso que as autoridades locais e os melhores cérebros, encontrem o caminho do progresso. Na minha modesta opinião, de nada adiantará tentar novamente modelos que se mostraram de há muito infrutíferos. Conheci muitos Agrônomos defensores da idéia de que o destino do agricultor seria da porteira de sua propriedade para dentro. Para fora da porteira, seria a agroindústria e o mercado. Agrônomos desse tipo, não tem mais serventia para as pequenas propriedades, que precisam da verticalização das atividades, para sua sobrevivência.
Poucas são as cidades que lograram desevolver-se sem a força do homem rural e de seus pobres em geral. Falando mais claramente, Brás Pires precisa urgentemente produzir algo que seja do interesse dos braspirenses, donos das padarias. O Prefeito deve encomendar estudo de viabilidade de um produto qualquer. Se tal produto se mostrar viável, deverá ele ser objeto da elaboração de um Programa de Agroindústria Municipal, que envolva a participação associativa de proprietários e trabalhadores rurais e tais produtos sairão das agroindústrias com a qualidade exigida pelo mercado e direcionados às padarias. O prefeito deve exercer seu papel de líder maior do município e convocar os elementos-chave, necessários à implementação desses projetos. Comecem a fazer-se determinadas perguntas, tais como:
Poderíamos produzir palmito industrializado?
Ou quem sabe extrato de tomate?
Ou talvez polvilho?
Ou quem sabe Iogurte, Requeijão?
Ou milho enlatado?
São muitas as possibilidades, não tenham receio de tentar caminhos, nem dêem ouvidos aos derrotistas de plantão, que se contentam com pouco pela preguiça que os domina.
Cabe aos líderes o papel de liderar, é o que acho.

MAURICIO VIEIRA

MAURICIO VIEIRA

21/07/2010 19:33:19
Tenho a impressão de que a elevação do custo do trabalho rural, mais o esvaziamento do campo pelas ajudas do governo e ação das padarias, na região de Brás Pires, está inviabilizando a maioria das pequenas rendas do campo, tradicionalmente sustentadas pelos baixos salários e pelo plantio à meia. Os que permanecem na lida do campo estão desanimados e vendo as pessoas que se foram melhorar de vida, em razão da acumulação da renda urbana. A oferta de crédito abundante e barato aos agricultores, já está perdendo sua eficácia, em muitas situações. O que acontecerá com Brás Pires, somente o tempo dirá. Talvez os donos das padarias, venham inflacionar o preço das terras, empobrecendo ainda mais o lugar, talvez plantem muito eucalipto e acabem de vez com a agricultura, ou quem sabe, plantem muito capim braquiária e recriem gado. O capital não se orienta nem pela ética nem pela moral, mas pelo lucro e pela ostentação. Os senhores padeiros é que vão determinar o futuro próximo de Brás Pires, afetando a população e o meio ambiente, como já está acontecendo. Muitas iniciativas, apesar de bem intencionadas, não serão capazes de definir sólidos rumos para os mais fracos, afetados pelo capital.
Acredito que o melhor caminho para Brás Pires, seja o das Universidades, pois suas terras são frágeis e também seus atuais proprietários. O meio ambiente de Brás Pires, sem gente, com certeza ficará melhor e a cidade será cada vez mais, um saudoso local de visitação, nas suas festas tradicionais, onde cada visitante poderá exibir suas belas caminhonetes traçadas, para inveja de muitos que alí ficaram. Mas muitas casas da cidade, serão melhores, apesar de vazias.

Sônia Izabel Cavalari

Sônia Izabel Cavalari

09/05/2010 16:45:50
Concordo plenamente e fico na torcida para que este projeto siga em frente e não fique apenas no papel. Nasci e me criei quase às margens do rio xopotó,era muito limpo e tinha muito peixe.Hoje,resido em Embu das Artes,SP,e fico muito triste quando volto lá e vejo suas águas sem aquela cor verde como era antes.Beijos para Maria A.de Oliveira (Tia Cida de São Luis)saudades né? muitas saudades de Brás Píres e das pescarias no RIO XOPOTÓ.

Elisandro e Gislaine

Elisandro e Gislaine

26/03/2010 14:44:52
Brás Pires e os braspirenses precisam de bem mais que estes cursinhos para alcançarem prosperidade, progresso e dignidade. Cadê incentivos fiscais para iniciarem pequenos investimentos ? Também esperamos (será uma ilusão?) por ações concretas do Instituto Xopotó nas questões ambientais. A juventude braspirense deverá apenas aguardar vagas para auxiliares e caixas de padarias em BH, onde ficam a mercê de explorações e de assaltos ?

Cleriton

Cleriton

03/11/2009 18:41:48
"É preciso salvar o XOPOTÓ ur-gen-te-men-te ! Suas margens, suas aguas, seus peixes, sua fauna, a vegetação junto a ele. Enorme diferença constata quem o vê hoje e quem o viu no início da década de 1980. Quem tomará a defesa de nosso rio? Quando é que o Instituto que usa o seu nome fará alguma coisa?"

Sidnei Wagner

Sidnei Wagner

14/09/2009 14:25:30
A Mata Atlântica era originalmente a cobertura vegetal dominante, fato do qual deriva o nome da Zona da Mata. A floresta, entretanto, foi fortemente devastada e atualmente é restrita a exíguas áreas nos pontos mais elevados.
Outros fatos culturais notamos na regiäo é festa popular generalizada na regiäo da zona da Mata, rio doce, Xopotó, Piranga, Senador Firmino, Alto rio Doce etcs, foi o boilé, modalidade de bumba-meu-boi. Reis, escravos e índios, em torno da figura de um boi, andam pelas ruas em folguedo. 0 boi, feito de pano, madeira e papelão, animado por duas pessoas encobertas.
Fonte:http://www.jornalxopoto.jex.com.br/
info
sobre Cipotânea e regiäo Xopotó
http://cipotaneativa.ning.com/

VANDER DE CASTRO

VANDER DE CASTRO

08/06/2009 23:07:20
OLA SHEILA AMO ESTA CIDADE QUE SE FAZ TEMPOS QUE NÃO VISITO. SOU SANGUI DE BRAS PIRES, TODA MINHA FAMILIA NASCEU E FOI CRIADA NESTE PARAISO.

VANDER DE CASTRO

VANDER DE CASTRO

07/06/2009 22:30:41
Abraço o Rio Xopoto (vamos protejer esta riqueza).abraço a todos. VANDER OURO PRETO M.G.

Raimundo José da Cunha

Raimundo José da Cunha

28/04/2009 22:57:44
Estou contente ao saber que muitos estão preocupados com nosso Rio Xopotó.Quando criança aí na zona rural de Alto Rio Doce, pescava, nadava e gostava de ver a enchente desse Rio.
Sempre estou visitando sites que mostram sobre Alto Rio Doce, hoje moro em São Paulo, mas meu pensamento está aí em Alto Rio Doce.

ZETINHO

ZETINHO

25/02/2009 15:21:05
Olá boa tarde.
Parabéns pelo reconhecimento do jornal Hoje em Dia ao Instituto Xopoto. Vocês merecem.

Gostaria de saber se o diagnostico ambiental para obtenção de informações sobre quais ações poderia ser colocadas em praticas para o desenvolvimento sustentável da região (Brás Pires)prometido para este mês de Fevereiro 2009 já este concluído e como fazemos para ter acesso a este relatório?

Francisco petrônio lopes da silva

Francisco petrônio lopes da silva

06/02/2009 16:38:46
Ótimo! a natureza está precisando e de um modo geral O PLANETA agradece! gostaria de saber mais a respeito, como funciona em geral se ja está em funcionamento ETC. E como podemos colaborar. uma EXCELENTE INICIATIVA. Mandem-me notícias PARABENS! TODOS NÓS GANHAMOS COM ISSO.

Caetano Trindade de Cipotanea

Caetano Trindade de Cipotanea

27/01/2009 09:18:59
Deixo aqui os meus parabéns para esta iniciativa. Acho que devemos também fundar uma universidade Xopotó com qualidade profissional para atuar na regiäo. Por exemplo, um curso de agentes culturais na fundacion de museu para a regiäo, pois isso iria incentivar o turismo e a preservacion da memória. Tenho vários projetos neste sentido e gostaria já em colocar alguns interesses em jogo. Universidade Xopotó possivelmente com sede em Alto Rio Doce e outra sede em Piranga com cursos de ecoturismo regional a nível global, fundacion de museus, colecion de dados, internet bem como outros meios de comunicacion. Cursos de línguas: Espanhol e inglês.
Idéias e sugestion säo bem vindas.
Cordialmente,
Caetano Trindade
Filósofo
http://poetadabrejauba.blogspot.com/
[[http://pt.netlog.com/cipotanea
|]]

Maria A. de Oliveira

Maria A. de Oliveira

30/12/2008 14:54:32
Agua que nasce na fonte...Serena do mundo.E que abre um profundo grotão. Àgua que faz inocente riacho em ressaquinha, xopotó etc e deságua na corrente do rio Piranga. Àguas escuras do rios que levam a fertilidade ao sertão. Àguas que banham aldeias e matam a sede da população...Vamos pensar seriamente no futuro dos nossos filhos e netos, cuidando das nascentes de nossos rios.Todos lutando p/ sobreviver a crueldade dos homens.Cida mineira residindo em São Luis MA. Amo Brás Pires MG.

Maria A de Oliveira

Maria A de Oliveira

27/12/2008 17:09:46
Oh! que saudades que tenho, da aurora da minha vida. Da minha infância querida que os anos não trazem mais.Que saudades das pescarias, e das fugas de casa p/ banhar no Rio xopotó. Dona Carolina e Zé Honòrio descobria e lá vinham com o chinelo e o cinto. Mas que infância feliz! Por isso gente, vamos salvar o Nosso Xopotó...Cida

Maria A de Oliveira

Maria A de Oliveira

27/12/2008 16:02:26
Estou torcendo muito p/ o sucesso do projeto.Parabens a todos do Grupo idealizador, o mundo esta necessitando de muitos outros projetos e pessoas como voçês.Desejo que o projeto da Bacia do Xopotó, seja o primeiro de muitos que virão, e quem sabe um modelo p/ o mundo.Mineira de Brás Pires.

Sheila Cristina

Sheila Cristina

04/11/2008 09:35:17
Zetinho,

Ficamos gratos pelos seus comentários. A opinião de vcs é muito importante para o Instituto.
Solicitamos a gentileza de entrar em contato conosco. Suas dúvidas e sugestões serão passadas aos responsáveis e respondidas.
Contatos: comunicacao@xopoto.org.br
Em BH: (31) 3471-0024
Em Brás Pires: (32) 3534-1392
Acesse: www.xopoto.org.br

Sheila Cristina
Assessoria de comunicação Xopotó
sheila.cristina@xopoto.org.br
(31)9984-3576

Zetinho

Zetinho

30/10/2008 20:56:57
Olá achei interessante a materia, porem gostaria de sugerir que o instituto fosse divulgado naão somente atraves da internet, pois mesmo vivendo na era da informatica ainda uma grande massa nao possui acesso. Sugiro que o Instituto faça parcerias com os sindicato dos trabalhadores rurais das cidades para que haja uma conscientizaçao do trabalhador rural de como utilizar os recursos sem estar cavando a sepultura da futuras geraçoes.
Aproveito tambem para solicitar informações de como um individuo pode integrar ao instituto.
obrigado e fico aguardando um retorno.

Zetinho

Zetinho

30/10/2008 20:48:07
Gostaria de conhecer melhor as açoes que podem ser utilizadas em minha cidade (Bras Pires), uma vez que é uma regiao rica na parte de mineraçao de caulim.Existem projetos para que a cidade possa voltar a explorar esta riqueza de forma sustentavel sem prejudicar o meio ambiente como foi no passado?
Muito se fala que o Caulim não é utilizado mais pela industria é verdade?

GUILHERME SATHLER DE SOUZA

GUILHERME SATHLER DE SOUZA

20/10/2008 09:23:17
Achei muito interessante! Se for possível, queria poder ler o projeto na íntegra! Pois, estou captando idéias para compor um projeto similar na minha região! estou cursando "Gestão Púbilca" na Uni-BH e minha região é da Zona da Mata Mineira, mais precisamente, Simonésia-MG, na qual tem um grande potencial, nos moldes do projeto da Bacia do Xopotó, no entanto, ficarei muito grato de trocar informações, visto que, quero o melhor pra minha região e como vocês, pretendo fazer algo para que o meio ambiente seja preservado, lutarei para dar o pontapé inicial e concretizar o sonho de ver a minha região das muitas de nossa Minas Gerais, de nosso Brasil, preservar o que temos de mais precioso a nossa fonte de vida! Desde já agradeço a atenção e aguardo o retorno!