Projeto de ensino ambiental é um dos premiados pelo MEC

No interior do Rio Grande do Sul, a professora de educação fundamental Simone Tesche conseguiu tirar os estudantes da sala de aula e transformar o estudo do meio ambiente em uma displina prática. A iniciativa foi uma das ganhadoras

  
  

No interior do Rio Grande do Sul, a professora de educação fundamental Simone Tesche conseguiu tirar os estudantes da sala de aula e transformar o estudo do meio ambiente em uma displina prática.

A iniciativa foi uma das ganhadoras do 2º Prêmio Professores do Brasil, entregue segunda-feira (15) no Ministério da Educação, e é a concretização do projeto Semeando ecologia: uma proposta prática de educação ambiental. O prêmio é concedido ao desenvolvimento de projetos inovadores para alunos do ensino infantil e fundamental.

Segundo a professora, o primeiro passo para dar início ao projeto foi envolver os pais e identificar a principal preocupação deles em relação ao meio ambiente. O resultado foi a água potável na região. “Bastava eu abrir a porta da sala de aula que eu tinha acesso a todo o conteúdo que eu queria desenvolver”, diz ela se referindo ao riacho perto da Escola Municipal de Ensino Fundamental Nilo Peçanha, no município de Vale do Sol (RS).

Assim, professora e alunos percorreram o curso do riacho, da nascente até a foz, catalogando problemas como o desmatamento e depósitos de lixo nas margens. Também fizeram a coleta de pegadas de animais nativos que, para sobreviver, dependem da água do riacho. “Isso aproximou os conteúdos básicos da realidade deles, não é um conteúdo morto de livro, eles vivenciavam cada atividade”, conta Simone.

Os resultados da experiência ultrapassaram a escola e já mudam hábitos da comunidade local, segundo a professora. “Nas crianças é um resultado imediato de comportamento e dentro da comunidade percebemos que há mudança de atitude em relação à proteção ambiental, percebemos que a comunidade está bem mais comprometida em preservar o meio ambiente”.

Inovar em sala de aula é um desafio que Simone considera estar ao alcance de todos os educadores. As ferramentas necessárias são criatividade e paixão pela arte de ensinar. "É uma atividade que não requer recurso financeiro, que parte da boa vontade de cada um e depende da paixão de cada professor, de querer aprender também, por que não é um trabalho só de ensinar, é uma troca”, defendeu a educadora.

No Dia do Professor, 15 de outubro, 19 educadores receberam o 2º Prêmio Professores do Brasil pelo desenvolvimento de projetos inovadores para alunos do ensino infantil e fundamental. As mais de 1.500 experiências que concorreram ao prêmio tinham como temas o meio ambiente, a inclusão, a igualdade racial e também histórias em quadrinhos, música e pintura para tornar o ensino mais atrativo e eficiente. A iniciativa de premiação é uma parceria entre o Ministério da Educação, Fundação Orsa e Fundação Bunge. Os professores vencedores recebem R$ 5 mil e participam terça-feira (16) de um seminário para troca de experiências.

repórter: Yara Aquino
fonte: Agência Brasil

  
  

Publicado por em