Sementes transformam realidade de produtores do cerrado

A alternativa vem sendo utilizada por pequenos produtores dos municípios goianos de Cristalina, Luziânia, Cidade Ocidental, Valparaíso e Novo Gama/GO.

  
  

Trezentos e cinqüenta agricultores familiares, em busca de mais qualidade de vida, uniram-se para fugir da pobreza e da fome e criaram o projeto “Banco Comunitário de Sementes Crioulas e Espécies Florestais Nativas do Cerrado”. A iniciativa é uma das contribuições para o desenvolvimento sustentável do Instituto Rede Terra.

O banco de sementes foi criado com a participação de agricultores assentados, que plantaram pequenas áreas de variedades crioulas de milho e arroz. A alternativa vem sendo utilizada por pequenos produtores dos municípios goianos de Cristalina, Luziânia, Cidade Ocidental, Valparaíso e Novo Gama/GO.

As sementes crioulas não são geneticamente modificadas e buscam incentivar, na região do entorno do Distrito Federal, a implantação de bancos de sementes e a sustentabilidade dos seus associados.

O primeiro passo do organizadores do projeto foi garantir a qualidade das sementes. Por isso, as variedades utilizadas são mais rústicas e de menor produtividade que as existentes no mercado convencional. São, ainda, mais adaptáveis ao ambiente local.

Homem feliz:

Para o agricultor familiar Levi Cerqueira, que vive no Assentamento Vitória, distante 38km de Cristalina, o maior problema era plantar e não ter para quem vender. “Com o projeto, nossa venda é garantida, sem a participação de atravessadores”. Levi se considera um homem feliz, com 47 anos, mulher e quatro filhos para sustentar, e vê no projeto um futuro melhor para todos de sua família.

Segundo o coordenador-geral do banco, Luiz Carlos Simion, no momento, as sementes de milho e arroz estão sendo produzidas. “Para a próxima safra, está previsto, ainda, o plantio de sementes de feijão, de espécies nativas do cerrado e adubos verdes. O milho é uma espécie ímpar da agricultura familiar, pois serve de alimento ao homem e também aos animais domésticos”, declara.

O processo é simples: o agricultor recebe do banco comunitário 20kg de sementes. Com essa quantidade, planta 1 hectare. Após a colheita, ele separa 50kg e as devolve ao banco, responsável pela seleção, empacotamento e armazenamento das sementes para a próxima safra.

Os técnicos da Rede Terra estimam que os agricultores lucrem R$ 24 mil, em 2008. Fundada em 1999, a Rede Terra é uma entidade da sociedade civil, de direito privado e sem fins lucrativos, fruto do trabalho de técnicos agrícolas, educadores, produtores rurais e profissionais liberais.

Parcerias:

Dentre outros parceiros, a Rede Terra conta com o apoio da Fundação Banco do Brasil, que investiu no Banco Comunitário de Sementes Crioulas e Espécies Florestais Nativas do Cerrado cerca de R$ 26 mil. As sementes foram doadas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O Banco Comunitário foi aprovado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), no âmbito do Programa de Pequenos Projetos Ecossociais (PPP-ECOS). Um dos critérios para escolha foi o uso sustentável da biodiversidade no cerrado e ações que contribuam para o desenvolvimento de alternativas de organização, produção e comercialização destinadas a melhorara qualidade de vida das comunidades locais, valorizar e conservar os recursos naturais do bioma.

Fonte: Fundação Banco do Brasil

  
  

Publicado por em

Lena Alves

Lena Alves

11/01/2009 21:33:34
Achei fantástico!
Tenho uma pequena propriedade rural e nada plantei este ano por receio de investir e perder. Não tenho capital mas tenha terra agriculturavel. O que vcs poderiam sugerir para um pequeno proprietário que não pode pagar mão de obra e investimentos em tecnologia e insumos muito caros. Minha propriedade fica próxima a Goiânia. Parte cerrado, parte úmida a beira rio. Quero plantar pouco para não ter muito gasto, plantar algo que não exija muita manutenção e mão de obra ( muito cara!)e que não implique em médio ou grande risco.
Gostei da idéia das sementes. Como se implementa essa idéia?
Obrigada