Agenda 21 estuda alternativas sustentáveis para a Amazônia

O secretário de Desenvolvimento Sustentável, Gilney Viana, abriu na quinta-feira (10/7) o seminário Agenda 21 Local na Amazônia Brasileira. Durante o dia, representantes dos ministérios da Agricultura e Integração Nacional, Ibama - Instituto Brasileiro do

  
  

O secretário de Desenvolvimento Sustentável, Gilney Viana, abriu na quinta-feira (10/7) o seminário Agenda 21 Local na Amazônia Brasileira. Durante o dia, representantes dos ministérios da Agricultura e Integração Nacional, Ibama - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, entidades civis e ambientalistas discutiram propostas de iniciativas governamentais e civis ligadas ao desenvolvimento sustentável da Amazônia.

Segundo o coordenador da Agenda 21 Brasileira, Pedro Ivo de Souza Batista, a construção das agendas locais, identificando as necessidades e as peculiaridades da região, é um instrumento importante para a conscientização e mobilização das comunidades e para a implantação de políticas sustentáveis.

O trabalho da Agenda 21 se integra às propostas do Governo Federal que já mobiliza diversos ministérios na elaboração do Programa Amazônia Sustentável e criou um grupo de trabalho interministerial para estudar medidas de controle do desmatamento.

Segundo o secretário Gilney Viana, os números divulgados no início do mês sobre o desmatamento na região – 25.500 Km² entre agosto 2001 e agosto 2002 - chocam e mostram a necessidade de questionar se a conversão de florestas em pastagens e culturas é bom para a Amazônia.

As atividades agrícola e pecuária se expandem sem controle sobre a floresta, promovendo queimadas e desmatamentos. Na última década, segundo informações da Conab - Companhia Nacional de Abastecimento, a área plantada de soja, algodão, milho e arroz, na Amazônia, subiu de 4 milhões de hectares para 7,8 milhões de hectares.

Para fazer frente a essa expansão, são necessárias iniciativas que estimulem a adoção de programas de manejo e valorização de produtos regionais, visando o uso sustentável da floresta.

Frente Parlamentar:

A senadora Serys Slhessarenko (PT-MT) informou, durante o seminário, que a Frente Parlamentar Agenda 21 já conta com 119 parlamentares, 93 deputados e 26 senadores, e fará a primeira reunião no próximo dia 24 para elaborar a agenda de trabalho.

A Frente, que tem como presidente a senadora, foi lançada em junho com o objetivo de atuar junto aos municípios brasileiros, estimulando a organização dos poderes legislativo e executivo e os diversos segmentos da sociedade na construção das Agendas 21 locais. O Brasil tem mais de 5000 municípios, mas, até agora, só 225 construíram a Agenda 21.

Fonte: MMA

  
  

Publicado por em