Uso de imagens de satélite no Ceará identifica danos ambientais na Caatinga

A equipe do Núcleo de Geoprocessamento da Superintendência do Ibama no Ceará percebeu indicativos de desmatamentos que foram cruzados com imagens de satélites.

  
  
Uso de imagens de satélite no Ceará identifica danos ambientais na Caatinga

A equipe do Núcleo de Geoprocessamento da Superintendência do Ibama no Ceará percebeu indicativos de desmatamentos que foram cruzados com imagens de satélites. A partir desse cruzamento, num sobrevoo de helicóptero, constatou-se que esses desmatamentos realmente existiam.

Foi então que uma equipe formada por três analistas ambientais e um fiscal preparou-se, no último dia 18, para a Operação Caatinga, que tinha como objetivo identificar desmatamentos e queimadas ilegais. Com os pontos de ação já definidos após o sobrevoo das áreas desmatadas, para a surpresa da equipe, uma grande quantidade de lenha foi encontrada à margem da estrada que levava ao ponto do desmatamento. A lenha encontrada nada tinha a ver com o ilícito do desmatamento alvo da missão, gerando, assim, novo auto de infração.

Por meio de investigação, descobriu-se o proprietário da lenha, que vem a ser um vereador do município. A quantidade de lenha encontrada chega a 820st e a multa foi lavrada em R$ 246 mil.
A lenha era usada para queima em fornos para fabricação de cal.

O objetivo, porém, era encontrar a área de desmatamento. Prosseguiram a viagem e chegaram ao seu destino. Uma área de 67,55ha desmatada. A multa foi de R$ 68 mil.

Nos dois casos, além da multa a área foi embargada e o autuado responde administrativa e penalmente.

Tudo isso é fruto do monitoramento ambiental da caatinga por meio de imagens de satélite, que, inclusive, irá se intensificar nos próximos meses.

Fonte: Ibama

  
  

Publicado por em

Vilmar de souza

Vilmar de souza

27/03/2012 13:23:13
Eu gostaria de saber o que acontece quando se tira milhares e milhares de caçambadas(com 35 toneladas)de areia de um rio (falo do rio Curu). São tanta areia retirada que os moradores não consegue contar só pra se ter uma idéia, as caçambas fazem uma fila (as 5:00hrs da manhã) quase quilométrica, e é porque a máquina que tira a areia chamada de draga é muito rapida. eu queria saber o que acontece quando não tiver mais areia, será que o rio seca? dizem que a prefeitura tem uma parcela de culpa pois ganha com a retirada indiscriminada, e a SEMACE também, está uma coisa horrível, e ninguém sabe pra quem apelar...