Variedade transgênica de milho é mais suscetível a pulgões do que as convencionais

Um novo estudo elaborado por pesquisadores suíços e ingleses revela que a maior parte das variedades testadas de três linhas de milho transgênico Bt (Bt11, MON810 e 176) se mostraram significativamente mais suscetíveis a p

  
  

Um novo estudo elaborado por pesquisadores suíços e ingleses revela que a maior parte das variedades testadas de três linhas de milho transgênico Bt (Bt11, MON810 e 176) se mostraram significativamente mais suscetíveis a pulgões do que seus equivalentes convencionais.

Segundo o relatório publicado no jornal PloS ONE pela equipe da pesquisadora e bióloga Cristina Faria, sob supervisão do professor de ecologia química da Universidade de Neuchâtel, Ted Turlings, a razão para essa mudança é a química do aminoácido, que é diferente entre o milho geneticamente modificado e o convencional.

Os pesquisadores não sabem porque essa diferença acontece. Poderia ser o processo de engenharia genética ou da enseminação posterior. De qualquer maneira, é um efeito não esperado e não-intencional do processo todo.

Também mostra que pequenas e aparentemente insignificantes mudanças podem ter grandes efeitos no ecossistema. Poderia afetar uma plantação consideravelmente se, por exemplo, houver uma infestação de pulgões e eles transmitirem algum vírus para o milho – o que não é incomum.

“Estudamos seis linhas de milho Bt que contém um gene inseticida derivado da bacteria Bacillus thuringiensis. As toxinas produzidas por esses genes são muito específicas e afetam apenas as lagartas que se alimentam das plantas, não os pulgões. Cinco das linhas investigadas tinham quase o dobro de pulgões que as convencionais”, afirma Cristina Faria.

“E em regiões onde pulgões são considerados uma praga, o plantio do milho Bt pode ser problemático”, acrescenta a bióloga. “Pulgões danificam as plantas transmitindo vírus e o uso do milho Bt pode amplificar esse problema.”

Fonte: Greenpeace

Del Valle Editoria

Contato: vininha@vininha.com

Site: www.animalivre.com.br

  
  

Publicado por em