Desmatamento da Amazônia cai pelo terceiro ano seguido

O governo federal anunciou no dia 10/8, em Brasília uma ótima notícia para os brasileiros, e para o clima do planeta, que se beneficia dos serviços ambientais desempenhados pelas florestas, a taxa de desmatamento na Amazô

  
  

O governo federal anunciou no dia 10/8, em Brasília uma ótima notícia para os brasileiros, e para o clima do planeta, que se beneficia dos serviços ambientais desempenhados pelas florestas, a taxa de desmatamento na Amazônia entre o segundo semestre do ano passado e o primeiro de 2007 deve ser de cerca de 9,6 mil km2, a mais baixa desde que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) começou, em 1988, a monitorar a destruição da cobertura florestal da Amazônia. Essa previsão é baseada em dados corrigidos do sistema Deter e Prodes, do INPE e têm uma margem de erro de 10%, segundo o governo.

A má notícia que vai além dos números do INPE: os fatores econômicos que contribuíram para a queda no desmatamento estão voltando a mostrar suas garras: o preço da soja voltou a subir às vésperas da safra que começa a ser plantada em setembro, o preço da carne aumentou, grandes áreas da Amazônia já estão isentas de febre aftosa e o anunciado boom dos agrocombustíveis começa a fazer pressão sobre as terras disponíveis na região. A consequência já se faz sentir: o número de queimadas desde junho está aumentando em relação ao ano passado.

Além da estimativa, o governo divulgou também os dados corrigidos do Inpe/Prodes para o período agosto de 2005 a julho de 2006, que foi de 14.039 km2, uma queda de 25,3% em relação ao período anterior. A estimativa anterior, divulgada em outubro do ano passado, um mês antes das eleições presidenciais, era de 13.100 km2, com uma margem de erro agora confirmada, de 10%.

Isso significa uma queda de 49% em dois anos, desde os fatídicos 27.429 km2 de 2003/2004, a segunda maior taxa da história. O recorde anual continua com o governo FHC, de 29.059 km verificados no período agosto de 1994-agosto de 1995. Mas o primeiro mandato do governo Lula foi recorde de desmatamento acumulado: mais de 70 mil km2.

“Ainda que os dados do INPE para 2006-2007 sejam provisórios, eles são muito estimulantes, já que mostram que o desmatamento inverteu a tendência de alta e apontam para uma queda pelo terceiro ano consecutivo”, disse Paulo Adario, coordenador da campanha Amazônia, do Greenpeace.

Vários fatores podem ter contribuído para esta queda, entre elas algumas medidas de responsabilidade do governo, como a criação de milhões de hectares de áreas protegidas e um aumento na fiscalização do Ibama – que fez 151 operações de porte na floresta em 2006, contra 64 em 2005.. Influenciaram também fatores relacionados ao mercado como a queda de preço das commodities agropecuárias e desvalorização do real.

Outras razões estão ligadas à maior mobilização da sociedade contra o desmatamento, tais como a campanha movida pelo Greenpeace e organizações sociais de Santarém contra a expansão da soja na Amazônia.

A campanha, que recebeu o apoio de grandes ONGs atuantes na Amazônia, levou a indústria da soja, principal commodity do país, a adotar uma moratória para novos desmatamentos em julho de 2006. O papel positivo da moratória foi reconhecido durante a apresentação dos dados do desmatamento, pelo ministro da Agricultura Reinhold Stephanes.

A queda no desmatamento na Amazônia pelo terceiro ano consecutivo demonstra claramente que medidas de governança, quando aliadas a vetores econômicos, atuam em benefício da floresta amazônica, e em conseqüência, do clima do planeta. A emissão de gases de efeito estufa resultantes do desmatamento e de queimadas na Amazônia é o principal fator para fazer do Brasil o quarto maior emissor de gases que provocam o aquecimento global.

“O governo deve aproveitar o momento favorável para aprofundar o programa de combate ao desmatamento e fortalecer as medidas estruturantes que permitam, num futuro razoável, acabar com a destruição da Floresta Amazônica. A hora é agora, quando o governo federal está fortalecido,” disse Paulo Adario.

“Para isso, é preciso um claro compromisso com metas anuais de redução do desmatamento, e por conseqüência, de emissões de gases estufa, que possam mobilizar os vários setores da sociedade brasileira, indústria, agronegócio, bancos financiadores de atividades econômicas, sociedade civil, estados e municípios a juntar esforços ao governo federal”, completou Adario.

Fonte: Greenpeace

Del Valle Editoria

Contato: vininha@vininha.com

Site: www.animalivre.com.br

  
  

Publicado por em