Sociedade brasileira contra o aquecimento global

Hora do Planeta é sucesso de mobilização no Brasil e no mundo e mostra que todos estão de olho nos líderes mundiais que precisam assinar este ano novo acordo global de clima

  
  

O Brasil mostrou que se preocupa com o aquecimento global no último dia 28 de março ao aderir massivamente à Hora do Planeta 2009. 113 cidades, 1.167 empresas, 527 organizações, 58 veículos de comunicação e milhares de pessoas participaram do ato simbólico de apagar as luzes proposto pelo WWF-Brasil como forma de demonstrar a preocupação com o aquecimento global.

Monumentos conhecidos internacionalmente como o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, o Congresso Nacional e a Catedral, em Brasília, o Monumento às Bandeiras, em São Paulo e o Teatro Amazonas, em Manaus, ficaram apagados por uma hora representando a adesão das cidades ao movimento.

Além disso, artistas, atletas e apresentadores famosos ajudaram voluntariamente na campanha de mobilização.

Internautas gravaram músicas, agitaram comunidades virtuais e divulgaram ativamente o movimento em blogs, no Orkut, no Twitter e por e-mail. Empresas grandes e pequenas aderiram não apenas apagando as luzes, mas também espalhando a ideia para seus colaboradores, fornecedores e clientes. Outras promoveram eventos sem iluminação elétrica durante a Hora do Planeta 2009. Cada um fez sua parte!

No mundo, a Hora do Planeta 2009 superou as expectativas da Rede WWF. Na terceira edição anual do evento, Cerca de 4.000 cidades em 88 países e centenas de milhares pessoas aderiram.

A expectativa inicial era de que mil cidades se comprometessem a apagar monumentos e foi superada em 4 vezes. O movimento começou em 2007, apenas em Sidney, na Austrália.

Em 2008, foram 371 cidades participantes. Grandes ícones globais como a Torre Eiffel, em Paris, o Coliseu, em Roma, a Time Square, em Nova York, e a Ópera de Sidney tiveram suas luzes desligadas durante a Hora do Planeta 2009.

Hora de agir

Essas iniciativas são uma forma de mostrar aos líderes mundiais que a sociedade está preocupada com o aquecimento global. Eles estarão reunidos na 15ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, em Copenhagen, para discutir o novo acordo global de clima, em dezembro deste ano.

É preciso que eles assinem, ainda este ano, um acordo justo e eficiente para manter o aumento da temperatura do planeta abaixo dos 2oC.

Este acordo internacional é imprescindível, pois o Protocolo de Quioto, que atualmente estabelece metas de redução de emissões para países industrializados, acaba em 2012.

Se não assinarmos o novo acordo este ano, corremos o risco de não termos um tratado vigente até 2012, pois depois de assinado no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, o documento volta para cada país signatário para que os Congressos Nacionais aprovem e então ratifiquem o novo tratado.

O processo de ratificação é lento. Um exemplo disso é o que aconteceu com o próprio Protocolo de Quioto, que foi assinado em 1997, porém só começou a valer em 2005, quando a Rússia assinou o tratado.

Para que entrasse em vigor, era necessário que fosse ratificado por pelo menos 55 países responsáveis por 55% das emissões.

Impactos do aquecimento global

Os impactos do aquecimento global acima de 2oC na vida em nosso planeta variam desde a extinção de animais como ursos polares até a submersão de ilhas inteiras como Tuvalu, uma nação no sul do Oceano Pacífico, passando por mudanças de ecossistemas como a savanização da floresta amazônica, isto é, parte do que conhecemos hoje como Amazônia, floresta fechada de árvores altas e frondosas, se tornaria parecida com o Cerrado, vegetação aberta de árvores retorcidas e baixas.

Além disso, eventos climáticos extremos como grandes secas, inundações e ciclones tropicais, como o Catarina que atingiu o sul do país em 2004, devem se tornar cada vez mais intensos e frequentes.

Fonte: WWF

  
  

Publicado por em

Rosilene

Rosilene

22/09/2009 09:02:45
Até onde vamos ficar nesse morre, não morre. Sorte da humanidade que não sou Deus,se caso fosse já teria destruido o planeta. Assim todos pagavam, porque quem faz a destruição do mundo é o homem com sua ganacia de querer mais e mais.