Aracruz lançou no Rio Grande do Sul o Programa Produtor Florestal

A Aracruz Celulose e o Governo do Estado assinou ontem em cerimônia na fazenda Barba Negra, em Barra do Ribeiro (RS), convênio de financiamento para a silvicultura de eucalipto através do Programa Produtor Florestal da Aracruz, com recursos do Proflora Ca

  
  

A Aracruz Celulose e o Governo do Estado assinou ontem em cerimônia na fazenda Barba Negra, em Barra do Ribeiro (RS), convênio de financiamento para a silvicultura de eucalipto através do Programa Produtor Florestal da Aracruz, com recursos do Proflora Caixa-RS repassados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O Programa oferece recursos financeiros para o plantio de florestas comerciais, como o eucalipto, procurando proteger os ecossistemas nativos e aumentar a oferta de matéria-prima no Rio Grande do Sul, que enfrenta o denominado `apagão florestal`, pois hoje consome mais madeira do que produz.

O primeiro financiado pelo Programa Produtor Florestal Aracruz no Rio Grande do Sul será o agropecuarista Willy Santarosa.

O produtor rural interessado em participar poderá ter financiado um projeto por ano, no limite de R$ 150 mil cada, com carência de 8 anos e prazo de amortização em até 12 anos.

Os juros são de 8,75% ao ano, sem TJLP, e a Aracruz será a avalista das operações. O repasse do Proflora oferece financiamento para operações de limpeza e preparo do terreno, plantio, replantio, fertilização e até duas manutenções. As mudas,fertilizantes, formicidas e o projeto técnico serão fornecidos pela Aracruz.

O programa Produtor Florestal da Aracruz, existente há mais de 10 anos no Espírito Santo, é uma garantia de emprego e renda ao agropecuarista, permitindo também a utilização de terras improdutivas ou subaproveitadas.

“Além da garantia de compra, os cultivos de eucalipto do programa Produtor Florestal serão acompanhados por nossos técnicos durante o tempo de crescimento das árvores, com todo o suporte necessário `, explica o diretor de operações da Aracruz, Walter Lidio Nunes.

Walter Lidio também aponta vantagens do Estado para a produção de florestas plantadas, como mão-de-obra especializada, solo e condições climáticas adequadas.
Outro fator competitivo, ressaltado pelo diretor de operações da Aracruz, é o fato de que no Brasil o crescimento do eucalipto é dez vezes mais rápido do que o de espécies florestais de países de clima frio.

`A atividade florestal pode ser um complemento de outras atividades agrícolas, aproveitando solos ociosos ou pouco adequados para a agricultura, e o Rio Grande já tem tradição no plantio de eucalipto. Ao mesmo tempo, as florestas plantadas têm se revelado uma alternativa ecologicamente correta para o mercado, contribuindo para proteger as florestas nativas`, acrescentou.

Novo Viveiro :

Além da assinatura do convênio e do primeiro contrato de financiamento florestal, a Aracruz também irá inaugurar, com a presença do governador Germano Rigotto, o viveiro de mudas do horto florestal Barba Negra, projetado para produzir anualmente 10 milhões de mudas de eucalipto já em 2005 e, a partir de 2007, 30 milhões de mudas.

O novo viveiro tem uma uma área de 160 mil metros quadrados e o investimento da Aracruz na ampliação foi de R$ 4,5 milhões.

No final de agosto, a empresa deve também concluir estudos para modernização da fábrica da Unidade Guaíba. O objetivo será a continuidade do processo de modernização da fábrica, que permitirá um aumento da capacidade instalada de produção, além de melhorias ambientais.

Fonte: SPS Comunicação

  
  

Publicado por em