Criação do Parque Estadual do Chandless impede avanço do desmatamento no Acre

A criação das novas áreas protegidas foi celebrada ontem,(quarta-feira,10 de setembro) em Durban, na África do Sul, com a comunidade internacional presente ao Congresso Mundial de Parques. A assinatura em Rio Branco pelo governador do Acre, Jorge Vian

  
  

A criação das novas áreas protegidas foi celebrada ontem,(quarta-feira,10 de setembro) em Durban, na África do Sul, com a comunidade internacional presente ao Congresso Mundial de Parques.

A assinatura em Rio Branco pelo governador do Acre, Jorge Viana, na última sexta-feira, 5 de setembro, de dois decretos em comemoração ao Dia da Amazônia, deu alento ao Programa Acre Sustentável, desenvolvido em parceria com o WWF-Brasil.

Os documentos criaram o Parque Estadual do Chandless, com 695 mil hectares, e três florestas estaduais de produção que totalizam outros 482 mil hectares. Durante a cerimônia, realizada na Casa dos Povos da Floresta, mudas de mogno, cedro e ipê foram plantadas pelo governador, o coordenador do Programa Amazônia do WWF-Brasil, Luís Meneses, o presidente do FSC-Brasil, Garo Batmanian, e representantes do Ministério do Meio Ambiente.

O anúncio da criação dessas novas áreas para conservação da natureza havia sido antecipado por Jorge Viana no dia anterior, perante mais de uma centena de jornalistas que participaram de uma visita ao Seringal Cachoeira, em Xapuri, dentro da programação do I Encontro Internacional de Jornalismo Ambiental da Amazônia.

`As novas florestas estaduais de produção constituem uma nova política de áreas públicas destinadas à produção sustentável. Não se pode admitir que uma única pessoa detenha extensões de terra que são patrimônio do povo brasileiro.

As florestas públicas permitem que o capital privado tenha acesso, de forma sustentável, aos produtos da floresta, ao mesmo tempo que garantem à sociedade acreana o acesso aos benefícios dessas áreas através da arrecadação com as concessões florestais`, diz Luís Meneses.

A floresta estadual do mogno, explicou, irá reproduzir o sistema de manejo sustentável do mogno desenvolvido numa área de 1 mil hectares da empresa Acre Brasil Verde/AFG Neto, num projeto piloto do WWF em parceria com o Imazon e governo do Estado.

Localizado no centro de diversidade das florestas de bambu da ecorregião do Sul do Amazonas, o Parque Estadual do Chandless `é um dos últimos refúgios da vida silvestre no Acre e uma região prioritária para conservação da natureza`, destaca Luís Meneses, lembrando que a região tem sido saqueada por madeireiros e pescadores e que essa área estava identificada como prioritária para a criação de unidade de conservação, conforme o Zoneamento Ecológico Econômico do Estado e o Programa Áreas Protegidas da Amazônia - ARPA (ambos realizados em parceria com o WWF).

Com a criação do Parque, a área ficará sob a proteção do governo e torna-se um patrimônio do povo brasileiro. O novo Parque Estadual do Chandless vem se somar a outras unidades de conservação, como a Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema e diversas terras indígenas para formar um corredor ecológico entre o Brasil e o Peru.

Fonte: AssCom WWF-Brasil

  
  

Publicado por em