Prefeitura de São Paulo prevê a criação de 22 parques lineares até o fim de 2008

Os parques lineares expandem a área verde e melhoram a permeabilidade do solo, contribuindo para controlar as enchentes. Eles também reduzem áreas de risco e protegem os córregos, pois evitam a construção de habit

  
  

Os parques lineares expandem a área verde e melhoram a permeabilidade do solo, contribuindo para controlar as enchentes. Eles também reduzem áreas de risco e protegem os córregos, pois evitam a construção de habitações irregulares nas áreas de várzea. ====

A Prefeitura prevê a criação de 22 parques lineares em São Paulo, oito deles já com obras em andamento. Os demais devem ser concluídos até o fim do ano que vem (veja quadro).

Os parques lineares expandem a área verde da Cidade e melhoram a permeabilidade do solo, contribuindo para controlar as enchentes. Eles também reduzem as áreas de risco e protegem os córregos, pois evitam a construção de habitações irregulares nas áreas de várzea. Nos parques também são instalados equipamentos de lazer para a população.

Essas áreas estão sendo criadas por meio de recursos do Fundo de Urbanização (Fundurb) e de compensações ambientais. O Fundurb é formado por pagamentos de potencial construtivo, ou seja, pagamento de empresas que desejam construir uma área maior do que a legislação permite para determinado espaço. As verbas do Fundurb - que é gerido pelas Secretarias de Infra-Estrutura Urbana e Obras, de Habitação, de Cultura e do Verde e do Meio Ambiente - são investidas em ações como regularização fundiária, urbanização de favelas e criação de parques lineares.

Uma interessante inovação é a vinculação do licenciamento de obras que envolvam corte de árvores à criação de parques lineares como compensação ambiental. Exemplo disso é o Parque Linear do Sapé, no Butantã, ao custo de R$ 5 milhões. A compensação está sendo paga pelas empresas Company S.ª e RDV-10 Planejamento, Promoções e Vendas Ltda., em razão da construção de um conjunto habitacional ao lado do Portal do Morumbi.

As verbas, estimadas em R$ 1,9 milhão, foram investidas na canalização do córrego do Sapé. Outra empresa que destinará verbas à obra é a Sociedade Vendome Participações e Parcerias Bela Vista S.A., que deverá investir na instalação de quadra poliesportiva, quadra de futebol, pista de skate, playground, miniciclovia.

Parque linear instalado de maneira semelhante é o Invernada, no entorno da avenida Bandeirantes, em Santo Amaro. Os recursos são provenientes de uma compensação ambiental acordada entre a Prefeitura e a Infraero por causa da adequação dos acessos de automóveis e pedestres ao Aeroporto de Congonhas. O projeto do parque prevê o plantio de espécies nativas, como alecrim-de-campinas, cedro, guapuruvu, pau-ferro, sapucaia e ipê-roxo, e instalação de playground e caminhos para passeio.

Um terceiro parque linear viabilizado com recursos de compensação ambiental é o Rio Verde, em Itaquera. Os recursos para a construção do parque e o estudo da bacia do córrego Rio Verde deverão vir do Termo de Compromisso Ambiental firmado entre a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente e os empreendedores do Shopping Metrô Itaquera.

Por causa da ampliação do parque, prevista no Plano Regional da Subprefeitura Itaquera, o projeto passou a abranger toda a extensão do córrego que se encontra fora do Parque do Carmo. A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente também tratou com a Sabesp sobre ações de melhoria na rede de esgoto ao longo do córrego Rio Verde.

Parque Linear Caulim

O parque do Caulim, em Parelheiros, será instalado com recursos do Fundurb. O córrego que corta a região será um dos 40 que receberão tratamento para despoluição, por meio da “Operação Natureza” - iniciativa conjunta entre Prefeitura e Governo do Estado. O processo de criação do parque prevê o tratamento do ribeirão, por meio da instalação de novas redes coletoras e ligações de esgoto, além de limpeza e urbanização das margens do córrego. O processo de despoluição deve beneficiar cerca de 20 mil pessoas na região de Parelheiros e Jardim Novo Parelheiros.

No dia 24 de março, representantes da Subprefeitura de Parelheiros, da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente e da comunidade participaram de um encontro para discutir propostas para a instalação do parque. “A idéia é criamos um parque misto, que una a preservação do meio ambiente e áreas de lazer para a população”, comenta o arquiteto Luiz Felippe de Moraes Neto, da Coordenadoria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano da Subprefeitura. Daí por que foram definidas áreas para implantação de campo de futebol, quadras poliesportivas, espaço para atletismo, playground e um centro de proteção ambiental.

Segundo Felippe, o parque linear integra um projeto maior de melhoria das margens da represa do Guarapiranga, denominado “Orla do Guarapiranga”, conduzido pelas Subprefeituras M´Boi Mirim, Parelheiros e Capela do Socorro. “O projeto prevê a reativação de clubes de esporte, criação de piers, melhoria da qualidade dos córregos e recuperação dos pontos já utilizados pela população às margens da represa”, diz o arquiteto.

Parques Lineares que serão criados com recursos do Fundurb (Fundo de Urbanização)

1. Bananal/Canivete (Freguesia do Ó)
2. Bispo (Casa Verde)
3. Cocaia (Capela do Socorro)
4. Caulim (Parelheiros)
5. Ribeirão Perus (Perus)

Parques que serão instalados com recursos da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente e Termos de Compensação Ambiental

6. Córrego Itaim (Itaim)
7. Jaboticabal (Ipiranga)
8. Nascentes do Aricanduva (São Mateus)
9. Limoeiro e Caguaçu (São Mateus)
10. Mongaguá (São Miguel)
11. Itaquera Guaratiba (Itaquera)
12. Rio Verde (Itaquera)
13. Sapé (Butantã)
14. Cabuçu de Cima (Vila Maria-Vila Guilherme)
15. Moenda Velha (Campo Limpo)
16. Invernada (Santo Amaro)
17. Mazzei (Santana-Tucuruvi)
18. Esmeralda (Butantã)
19. Água Vermelha (Itaim)
20. Freitas (M'Boi Mirim)
21. Parelheiros (Parelheiros)
22. Taboão (Aricanduva)

Fonte: Prefeitura de São Paulo

  
  

Publicado por em

Alcides ferreira neto

Alcides ferreira neto

21/09/2008 20:04:01
Será que este Parque ou projeto vai sair mesmo do papel? Desde que tiraram o trenzinho da Vila Mazzei o bairro parece que parou de caminhar. Todos os projetos de melhorias para a zona norte gira em torno do Jaçanã, Tucuruvi e Tremembé. Vila Mazzei sempre fica no esquecimento, prova disso é o projeto do alargamento da Av. Mazzei que não sai do papel desde 1960.