Ativista do Greenpeace será coordenador-geral de fiscalização do Ibama

Um integrante ativo do Greenpeace irá se juntar nos próximos dias aos quadros do novo Ministério do Meio Ambiente. Após seis anos participando de ações e protestos, o engenheiro florestal Marcelo Marquesini, 36, será o coordenador-geral de fiscalização do

  
  

Um integrante ativo do Greenpeace irá se juntar nos próximos dias aos quadros do novo Ministério do Meio Ambiente. Após seis anos participando de ações e protestos, o engenheiro florestal Marcelo Marquesini, 36, será o coordenador-geral de fiscalização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

A posse ainda não foi oficializada,mas apesar de a demissão do Greenpeace sair apenas nos próximos dias Marquesini está em Brasília desde a última quarta-feira se `inteirando` do funcionamento do novo posto.

Ele será responsável pela fiscalização ambiental em todo Brasil, incluindo desde as florestas até o monitoramento de produtos químicos e tóxicos.

`Ele vai ser o nosso xerife`, disse à Reuters Flávio Montiel da Rocha, diretor de Proteção Ambiental do Ibama,acrescentando que ele cuidará das agendas verde (floresta e áreas rurais), marron (poluentes, poluição urbana) e azul (recursos hídricos).

Baseado em Manaus, Marquesini integra a campanha da Amazônia da organização não-governamental famosa mundialmente por seus protestos e participou de várias manifestações.

Recentemente, entrou em choque com madeireiros ilegais em um protesto em Porto de Moz, no interior do Pará, quando ao menos três pessoas dois comunitários e um madeireiro ficaram feridas.

`É um grande desafio, porque tem muito o que fazer`, disse Marquesini à Reuters por telefone de Brasília.

Ele afirmou acreditar que a sua combatividade foi uma das razões que o levaram ao cargo. `(Sou) combativo dentro de uma linha de desenvolvimento sustentável`, afirmou. `Acredito que é possível aliar atividade humana com a natureza.`

Ele promete jogar duro com os que pretendem atuar na ilegalidade. `Aqueles que quiserem fazer dentro da lei vão ter sucesso. Aqueles que não quiserem vão ter muita dificuldade, com certeza`, afirmou.

`É bom que o empresário ou a pessoa que não estiver fazendo as coisas corretas saiba que do outro lado está uma pessoa séria e aguerrida`, afirmou Mario Monzoni, da Amigos da Terra.

`Isso faz com que o custo da ilegalidade aumente. As pessoas vão pensar duas vezes antes de fazer.` Outra vantagem de Marquesini, segundo Monzoni, é o conhecimento dele sobre a floresta. `Ele sabe como as coisas são, quais as maneiras que a ilegalidade atua.` Assim, afirmou, ficará mais difícil encobrir as ações fora da lei.

`ONGUEIROS` NO GOVERNO

Marquesini será o `centroavante` de um time de `ongueiros` no novo Ministério do Meio Ambiente. Montiel da Rocha, a quem está subordinado, já trabalhou no Greenpeace e é filiado a outras ONGs, como o Fundo Mundial para a Natureza (WWF) e a Akkikai Foundation. Engrossam ainda a equipe ministerial Tasso Rezende de Azevedo, do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), e Muriel Saragoussi, da Fundação Vitória Amazônica.

Segundo Rocha, a mudança de perfil deve-se à preocupação do governo em fazer um trabalho articulado com a sociedade civil. `Se no governo passado, podemos dizer que houve um diálogo entre a sociedade civil e o governo Fernando Henrique Cardoso, agora a sociedade é o governo`, disse.

TECNOLOGIA

Além da cooperação das organizações ambientais, o Ibama pretende contar com a alta tecnologia na fiscalização.Entre as `armas` na manga da camisa, estão o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), a parte civil do Sivam,que contará com sobrevôos de aviões munidos com sensores infravermelho capazes de detectar até o corte seletivo de madeira nas florestas.

Além disso, o instituto pretende criar o Observatório Nacional de Monitoramento Ambiental, que colherá e distribuirá dados sobre enchentes, desmatamentos, focos de incêndio e biodiversidade.

O objetivo, segundo Rocha, é investir no planejamento estratégico e inverter a postura de ficar apenas `correndo atrás do prejuízo`.

Fonte: Délcio Rodrigues

  
  

Publicado por em

Fabiana Pereira Rodrigues

Fabiana Pereira Rodrigues

23/04/2012 18:52:40
Com certeza o novo coordenador de fiscalização Marcelo Marquesini terá muito sucesso em seu novo cargo, pois é um homem correto e tem um conhecimento intenso nessa área.