Avançado projeto ambiental foi apresentado em Cuiabá-MT

O projeto Arpa - Áreas Protegidas da Amazônia, coordenado pelo MMA - Ministério do Meio Ambiente e lançado no ano passado na Rio+10, em Johannesburg (África), foi um dos destaques do Seminário `Unidades de Conservação - Desafios e Perspectivas da Política

  
  

O projeto Arpa - Áreas Protegidas da Amazônia, coordenado pelo MMA - Ministério do Meio Ambiente e lançado no ano passado na Rio+10, em Johannesburg (África), foi um dos destaques do Seminário `Unidades de Conservação - Desafios e Perspectivas da Política de Conservação de Mato Grosso`, que aconteceu entre os dias 13 e 15 de agosto, das 8 às 18h, no Sesc-Arsenal, em Cuiabá (MT).

Considerado um dos projetos mais avançados do mundo, ele prevê proteger, em 10 anos, 12% do bioma da Amazônia, o que representa 3,6% das florestas tropicais do planeta. O Arpa tem como objetivo criar Unidades de Conservação na Amazônia, visando a proteção do bioma.

Para a fase de implantação, os primeiros quatro anos, o projeto vai receber US$ 81,5 milhões advindos do GEF - Fundo Global para o Meio Ambiente, do KfW - Instituto Alemão para Reconstrução, do WWF e do governo brasileiro.

No primeiro ano (2002), o Arpa já criou o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, no Amapá, o maior do mundo, que, sozinho, protege 1% da Floresta Amazônica. Quem vai falar a respeito da experiência do projeto no seminário de mato Grosso é a superintende de Conservação do WWF/Brasil, Rosa Lemos de Sá.

De acordo com dados da WWF/Brasil, a Fase I do Arpa pretende criar, até 2006, um total de 90 mil km2 de novas áreas protegidas para uso restrito, tais como parques nacionais e reservas biológicas, além de outros 90 mil km2 de novas áreas de desenvolvimento sustentável, tais como reservas extrativistas, de forma a viabilizar a vida das comunidades locais.

O número e a localização dessas novas áreas serão definidos com base nas prioridades de conservação estabelecidas no Probio - Programa Nacional de Biodiversidade.

Além disso, nesta primeira fase o projeto implementa 70 mil km2 de áreas protegidas já existentes, beneficiando assim 20 parques e reservas.

A Fase I vai aumentar de 4% para 8,4% a área total de floresta protegida na Amazônia brasileira. As demais fases que se seguem referem-se aos 12% restantes do objetivo total fixado para 2012.

Destaque Internacional :

O Arpa realiza um trabalho tão importante que também terá espaço de destaque no 5º Congresso Mundial de Parques, que acontece entre 8 e 17 de setembro em Durban, na África do Sul.

A organização do Congresso reservou um seminário exclusivamente para a apresentação do projeto e do lançamento do Guia de Parques Nacionais Brasileiros. O Congresso Mundial de Parques acontece a cada 10 anos e é considerado o maior fórum global sobre unidades de conservação.

Fonte: Estação Vida

  
  

Publicado por em

João dos anjos

João dos anjos

22/09/2009 21:08:38
tenho um projeto para proteção ao meio ambiente e reflorestamento no rio cuiabá. necessito de parceiro para elaborar e montá-lo nos conformes.meu email é jofanjosa@hotmail.com aguardo respostas; grato...