Viaje quase de graça com Milhas Aéreas

Notícias > Ambiente > Consumo consciente > 

52% pagam mais caro por marca sustentável

Apesar de grande parte dos brasileiros relacionar o consumo à sustentabilidade, poucos aplicam este conceito na hora da compra. Isto é o que mostra a pesquisa "sustentabilidade: Hoje ou Amanhã", divulgada nesta terça-

6 de Setembro de 2007.
Publicado por Lyanne Rehder  

Apesar de grande parte dos brasileiros relacionar o consumo à sustentabilidade, poucos aplicam este conceito na hora da compra. Isto é o que mostra a pesquisa "sustentabilidade: Hoje ou Amanhã"", divulgada nesta terça-feira (04) durante o II Fórum Ibope - Negócios Sustentáveis. De acordo com os dados, enquanto 85% das pessoas entrevistadas disseram que vale a pena pagar mais caro por um produto que não agrida o meio ambiente, apenas 52% responderam só comprar de marcar sustentáveis, mesmo que desembolsem mais, noticiou o site InfoMoney.

A pesquisa foi realizada com 1.000 homens e mulheres acima de 16 anos, das classes A, B e C, residentes nos maiores estados brasileiros, entre os dias 20 e 28 de julho.

Os dados ainda mostram que 92% das pessoas acreditam que separar o lixo é obrigação da sociedade. Por outro lado, apenas 30% delas realmente separam o lixo para a reciclagem na própria casa. Outros 85% têm consciência de que as pilhas e baterias de celulares são prejudiciais ao meio ambiente, mas 32% ainda jogam estes materiais junto com outros em sua residência.

Pirataria
Dentre os entrevistados, 68% consideram a pirataria um crime contra a indústria em geral e, portanto, contra a sociedade, mas apenas 21% nunca compraram um produto pirata. "Não adianta somente ter a noção, a pessoa precisa sentir a relevância disto, que faz parte de um ecossistema e que suas ações têm reflexo nos outros. Para isso acontecer, é preciso que, antes de tudo, todos entendam o conceito e a prática do desenvolvimento sustentável em sua plenitude", afirmou Marangoni.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Compartilhar nas Redes Sociais

Comentários


 

Veja também

Pesquisa aborda relação entre uso das tintas e a economia de energia nas construçõesCâmara de Curitiba mantêm veto ao PL que obrigava o uso de sacolas oxi-degradáveis

 

editar    editar    editar    204 visitas    0 comentários