Consumidores estão preocupados com o uso de antibióticos na produção animal

Os consumidores estão mais exigentes em relação ao uso de antibióticos como promotores de crescimento na indústria de alimentos de origem animal (avicultura, por exemplo) e preocupados com as conseqüências que estes podem provocar à saúde humana, conforme

  
  

Os consumidores estão mais exigentes em relação ao uso de antibióticos como promotores de crescimento na indústria de alimentos de origem animal (avicultura, por exemplo) e preocupados com as conseqüências que estes podem provocar à saúde humana, conforme aponta pesquisa patrocinada pelo Whole Foods Market , a maior rede varejista de alimentos naturais e orgânicos dos Estados Unidos.

A pesquisa foi realizada recentemente com 1.000 consumidores norte-americanos e apontou que 74% dos entrevistados se preocupam com a presença de resíduos de antibióticos deixados nos produtos finais; o trabalho norte-americano mostrou ainda que 59% das pessoas preferem evitar o uso desses produtos e consumir carne cuja criação seja livre de antibióticos.

A provável associação entre o uso de antibióticos na produção animal e a rápida disseminação de bactérias resistentes na população humana, bem como a proliferação dessas bactérias na cadeia produtiva dos
alimentos tem recebido atenção especial da Organização Mundial da Saúde(OMS),Organização Mundial para a Saúde Animal (OIE) e o Codex Alimentarius.

Por todo o planeta, surgem discussões à respeito dessa problemática e todas elas evidenciam a necessidade do estabelecimento de programas de controle, visando promover a redução e o uso adequado desses compostos nas produções animais destinadas ao consumo humano.

No entanto, a União Européia foi além e estabeleceu normas rigorosas de proibição no uso de alguns antibióticos utilizados na nutrição animal: avoparcina, bacitracina de zinco, esperamicina, virgiamicina,tilosina, monensina, salinomicina, avalamicina e flavofosfolipol.

A UE proibirá a entrada de carne de frango que contenha estas substâncias até janeiro de 2006, provocando grandes perdas econômicas para os países exportadores de carne de frango que não se adequarem às exigências do mercado europeu. O volume de carne de frango brasileiro consumido pela UE, estimado entre os meses de janiro a maio de 2004, totalizou em 111.521.547 KG líquido.

Neste panorama, os produtores brasileiros já começam a se reestruturar e evoluir no manejo alimentar de suas produções, buscando garantir a qualidade dos alimentos e a segurança da população.

Dentre as várias alternativas para a substituição de antibióticos promotores de crescimento, os extratos vegetais e seus componentes vêm ganhando cada vez mais espaço nas granjas e nas indústrias de alimentação animal (rações), sem comprometer o desempenho e os custos da atividade avícola.

Visando atender esta demanda crescente, a Divisão Feed da Beraca Sabará Químicos e Ingredientes Ltda apresenta ao mercado o Nutrafito, um extrato 100% natural, seguro, livre de resíduos, biologicamente correto, rico em polifenóis, fibras, açúcares e saponinas triterpenoidais que, através de sua ação no organismo das aves,melhora sua performance estando em total acordo com as exigências do segmento avícola de exportação do mercado europeu.

Nutrafito visa também aumentar o rendimento da carcaça e o percentual de peito , sendo um extrato vegetal natural em pó rico em fibras, que adicionado em rações, proporciona melhoria de performance dos animais, mantendo a integridade das vilosidades intestinais do animal.

Fonte: Xclusive Press

  
  

Publicado por em

Luciana Castello

Luciana Castello

18/11/2009 18:00:37
Acho que as pessoas devem mesmo se interessar por esses assuntos, afinal de contas o mais importantes na produção de alimentos não é a quantidade. A quantidade é o foco dos grandes produtores, mas sem consumidor final...não há produção, e se essa produção em larga escala oferece riscos ao consumidor..então não esta atendendo à necessidade de nutrir na foma mais integral da palavra. A injestão de antibióticos e conservantes em alimentos do dia-a-dia é muito sério..e nem todos acreditam nisso.
Essa questão é tão séria que as pessoas estão mais sensíveis, com mais alergias,a geração mais nova é mais alta (Promotores de crescimento nos alimentos provenientes de origem vegetal, os corpos estão demorando mais tempo para se degradar...e essas são consequências primárias...o que estar por vir....não deve ser muito bom não!!!!

Parabéns pela matéria, e que se fale com mais frequência sobre estes assuntos.