Corredor ecológico no Piauí unirá serras da Capivara e das Confusões

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, assinou na sexta-feira (11/3) uma portaria para a implementação de um `corredor ecológico` ligando as porções de Caatinga protegidas pelos parques nacionais da Serra da Capivara e da Serra das Confusões, no Piauí

  
  

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, assinou na sexta-feira (11/3) uma portaria para a implementação de um `corredor ecológico` ligando as porções de Caatinga protegidas pelos parques nacionais da Serra da Capivara e da Serra das Confusões, no Piauí. Com 412 mil hectares, equivalente a mais de 400 mil campos de futebol, o corredor será uma espécie de `estrada verde` entre as duas unidades de conservação e ajudará a recuperar e a preservar o ambiente natural da região, facilitando a dispersão de vegetais e a circulação de animais de todos os tamanhos.

O corredor e os dois parques nacionais formarão o primeiro `mosaico` de unidades de conservação a ter um conselho gestor legalmente formado desde a instituição do SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação, em 2000.

A área será gerenciada pelo Ibama em parceria com representantes de órgãos dos governos federal, estadual e municipais, da Fumdham - Fundação Museu do Homem Americano, da Fetag, da Universidade Federal do Piauí, de organizações não-governamentais, de famílias de assentados da reforma agrária, da Pastoral da Terra e do Ministério Público, entre outros.

`A iniciativa permitirá associar proteção ambiental e desenvolvimento socioeconômico`, disse o diretor de Áreas Protegidas do Ministério do Meio Ambiente, Maurício Mercadante.

O Ministério do Meio Ambiente fará um investimento inicial de R$ 300 mil, com recursos do GEF Caatinga (Fundo de Meio Ambiente das Nações Unidas) e do Programa Nacional de Florestas do MMA, para estudos ambientais e assistência técnica aos assentamentos na área do corredor.

Os recursos também servirão para a elaboração de um plano de manejo sustentável dos assentamentos, que deverão abrigar cerca de mil famílias em duas glebas. O objetivo é estimular atividades não-madeireiras, evitando desmatamentos.

Os estudos na região poderão resultar, inclusive, na ampliação da área do Parque da Serra da Capivara ou na criação de uma nova área protegida.

De acordo com Mercadante, o Incra se comprometeu a destinar as áreas de reserva legal dos assentamentos junto ao Parque da Serra da Capivara para formar um `cinturão verde`. Isso auxiliará na proteção da área.

A reserva legal é uma parcela que, por lei, deve ser preservada em cada propriedade ou assentamento. Na Caatinga, esse percentual é de pelo menos 20%.

O Incra, no entanto, pretende manter uma reserva legal de 30% e destinar grande parte dos assentamentos para preservação.

Todas essas ações serão encaminhadas de acordo com o Plano de Desenvolvimento Sustentável dos assentamentos, que será elaborado pelo Incra e Ibama.

`Não haverá espaço para queimadas e desmatamentos descontrolados ou qualquer atividade que cause degradação ambiental`, assegurou o diretor do MMA.

Patrimônio mundial :

O Parque Nacional da Serra da Capivara foi criado em 1979 e é administrado pelo Ibama em parceria com a Fumdham. Com cem mil hectares, abrangendo os municípios piauienses de Coronel José Dias, São Raimundo Nonato, São João do Piauí e João Costa, abriga quase quinhentos sítios arqueológicos e, por isso, é considerado pela Unesco um Patrimônio Mundial da Humanidade.

A área protegida possui espécies vegetais e animais muito diversificadas, mostrando que a Caatinga é um bioma extremamente rico. Apenas no sudoeste do Piauí, ocorrem mais de três mil espécies de plantas, e muitas endêmicas, só existem ali.

De acordo com Mercadante, com a implementação do corredor ecológico ligando os dois parques, o governo federal poderá pleitear junto às Nações Unidas para que o mosaico de áreas protegidas seja declarado Sítio do Patrimônio Mundial Natural.

A cinqüenta quilômetros na direção oeste, está o Parque Nacional da Serra das Confusões, com uma área de quinhentos mil hectares, cinco vezes maior que a do Parque da Serra da Capivara.

Abrangendo os municípios de Caracol, Guaribas, Santa Luz e Cristino Castro, a unidade foi criada, em 1998, para proteger uma região de grande beleza e alto valor histórico, cultural e científico.

Entre as espécies encontradas no local, destacam-se o zabelê, a jacutinga, o tamanduá-bandeira, o veado-campeiro, o tatu-canastra, o guariba, a suçuarana e a onça pintada, todas ameaçadas de extinção. O Parque das Confusões é a maior área protegida de Caatinga do país.

Fonte: AssCom MMA

  
  

Publicado por em