Notícias > Ambiente > 

Crescimento desordenado aumenta vulnerabilidade para problemas de saúde

Entre 1991 e 2000, surgiram 69 favelas no Rio de Janeiro. Neste mesmo período, a população da cidade cresceu 6,77% (371.146 pessoas) enquanto que a população das favelas aumentou quase 25% (1.092.958 pessoas). Os números são de um estudo realizado por

3 de Março de 2005.
Publicado por Equipe EcoViagem  

Entre 1991 e 2000, surgiram 69 favelas no Rio de Janeiro. Neste mesmo período, a população da cidade cresceu 6,77% (371.146 pessoas) enquanto que a população das favelas aumentou quase 25% (1.092.958 pessoas).

Os números são de um estudo realizado por pesquisadores da Fiocruz - Fundação Oswaldo Cruz na capital carioca, que teve o objetivo de identificar o crescimento espacial e populacional das favelas para cruzar os resultados com os dados de saúde do município.

Segundo a pesquisa, desenvolvida no Laboratório de Geoprocessamento do Cict - Centro de Informação Científica e Tecnológica, a população que mora nas favelas é mais vulnerável aos problemas de saúde.

`Entre as enfermidades preocupantes destacam-se a aids, cólera, leptospirose e tuberculose`, alerta uma das autoras do estudo, Renata Gracie, à Agência Fapesp.

`Porém, é difícil identificar com precisão os eventos de doenças nas favelas, uma vez que o endereçamento das ruas é muito confuso, a numeração das casas não segue uma seqüência lógica e, na maioria das vezes, uma mesma porta é utilizada por várias famílias`, disse a geógrafa.

Renata explica que as principais causas dessa vulnerabilidade são a falta de saneamento básico, o baixo nível de instrução dos moradores, problemas com a coleta de lixo, o nível de renda da população e a conseqüente falta de esclarecimento sobre os tipos de prevenção de doenças.

O estudo, que teve como outra autora a engenheira cartógrafa Mônica Magalhães, baseou-se em dados do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sobre
os setores censitários das favelas, demarcações territoriais com pontos de referência estáveis e outras informações.

`Além do crescimento populacional no Rio de Janeiro se concentrar basicamente em favelas distantes do centro, em algumas localidades, como na Zona Sul da cidade, é possível perceber uma ampliação vertical da comunidade, que ocorre a partir da construção de novos andares sobre as moradias` explica.

A comunidade de Areal I, em Jacarepaguá, foi a que apresentou o maior crescimento populacional em números absolutos entre 1996 e 2000: cerca de oito mil pessoas a mais, num total de quase 60% de aumento.

Em linhas gerais, as favelas situadas na Zona Oeste da cidade foram as que mais apresentaram aumento de seus espaços territoriais.

Fonte: Agência Fapesp

Compartilhar nas Redes Sociais

Comentários

Alexandre

 postado: 20/11/2008 22:14:19editar

O crescimento desordenado traz varios problemas a sociedade com um todo, desde a problemas de saúde até problemas com a segurança, porém o ponto principal desse problema vem de longa data.
Fatos como a vinda da Familia Portuguesa para o Brasil, forçanda as pessoas que viviam em cortiços a serem praticamente expulsos para os flancos da cidade, ou seja, os morros.
Outro fato ao meu ver que contribuiu consideravelmente para o quadro atual é o crescimento econômico sem o menor planejamento ocorrido nas políticas governamentais dos governos anteriores, essa história de 50 anos em 5 pode até ter trazido benefícios a nossa população, mas trouxe mais maleficios.
Infelizmente não vejo solução para o quadro atual principalmente com a política abitacional que está em uso no Brasil.
Solução existe, porém requer uma grande movimentação de pessoas para outras regiões do Brasil, um investimento cavalar em habitação digna, não as atuais que eu teria vergonha de entregar a uma família e dizer para elas que estou tentando ajuda-las, por ultimo e mais importante é a vontade de resolver o problema ao invez de pensar o quanto eu lucro com isso, votos e outras coisas a mais.
O importante é ter fé, e isso o povo faz todos os dias.

 

 

Veja também

Brasil quer incluir manguezais na Convenção de RamsarConstrução de plano nacional de águas conta com R$ 3,7 milhões

 

editar    editar    editar    2.431 visitas    1 comentários