Controle biológico de plantas aquáticas é tema de palestra hoje na Embrapa

O Dr. Carlos Borges Neto, da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia apresentará palestra com o título Desenvolvimento de um agente de controle biológico para plantas aquáticas submersas. Os resultados apresentados fazem parte da tese de doutorado

  
  

O Dr. Carlos Borges Neto, da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia apresentará palestra com o título "Desenvolvimento de um agente de controle biológico para plantas aquáticas submersas".

Os resultados apresentados fazem parte da tese de doutorado da sua tese de doutorado e trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Controle Biológico de Plantas Daninhas da UNESP – Campus de Jaboticabal-SP, sob a orientação do Prof. Robson Pitelli.

As plantas aquáticas, submersas ou não, podem trazer muitos problemas para os ecossistemas e para o meio ambiente. O crescente descarte de efluentes orgânicos em corpos d água favorece o processo de eutrofização, onde plantas e algas se desenvolvem em ritmo acelerado. As macrófitas que ficam na superfície da água servem de criadouros para mosquitos e borrachudos, pois fornecem locais para a fixação das larvas , bem como ambientes sombreados, propícios para a postura dos ovos desses insetos. As plantas submersas são as mais danosas, pois reduzem o fluxo dos cursos de água, proliferam rapidamente e são muito difíceis de controlar.

A utilização de herbicidas químicos é praticamente inviável, devido ao elevado custo e ao impacto ambiental negativo da utilização desse tipo de produto em corpos de água.

No trabalho experimental, foram realizados diferentes estudos acerca do efeito do fungo Fusarium graminearum como agente de controle biológico de duas plantas aquáticas submersas Egeria densa e Egeria najas, em três grupos de ensaios: i) Efeito de condições abióticas: fotoperíodo, temperatura e pH; ii) Efeito de condições bióticas: idade da planta e concentrações de inóculo; iii) Efeito de adjuvantes e a associação com herbicidas no crescimento e infectividade do fungo.

As plantas aquáticas estudadas vivem em água doce, são importantes pela sua abundância e pela formação de densas redes de ramos entrelaçados, que em muitas regiões, dificultam a navegação e a pesca. Também interferem e causam sensíveis prejuízos nos sistemas de geração de energia elétrica.

Segundo o Dr. Borges Neto, "os resultados obtidos sobre fatores abióticos (temperatura, fotoperíodo, pH) e bióticos (idade da planta, concentração de inóculo) associados à patogenicidade de F. graminearum, bem como a utilização de herbicidas químicos e/ou adjuvantes adicionados ao inóculo, levaram à identificação de variáveis capazes de viabilizar este fungo como agente regulador de populações de E. densa e E. najas em corpos hídricos a médio e longo prazo"

A palestra será apresentada às 10 horas de hoje, dia 13 de maio no Auditório Central da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, situado no Parque Estação Biológica, final da Av. W5 Norte em Brasília (DF).

Outras informações poderão ser obtidas pelo telefone (61) 448-4662 ou pelo endereço eletrônico .

Fonte: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia

  
  

Publicado por em

Kelly cristina

Kelly cristina

23/09/2009 09:06:42
eui achei otimo esse texto me ajudou bataste
valeu esta otimo mesmo bjus
ass:kelly cristina
eu utilizei pra fazer um trabalho escolar de biológia
parabéns para o autor desse texto