WWF-Brasil, Greenpeace e SOS Mata Atlântica convidam jornalistas para o workshop sobre Código Florestal

O Código Florestal (Lei 4.771/65) é um dos mais importantes pilares para a conservação dos ecossistemas terrestres e aquáticos brasileiros e para uma agricultura sustentável.

  
  
Para WWF-Brasil, somente com a completa aplicação do Código Florestal o desmatamento na Amazônia poderá ser controlado.

O Código Florestal (Lei 4.771/65) é um dos mais importantes pilares para a conservação dos ecossistemas terrestres e aquáticos brasileiros e para uma agricultura sustentável. Mesmo assim, estão em trâmite no Congresso Nacional propostas para desfigurá-lo.

Essas propostas querem reduzir a reserva legal da Amazônia de 80% para 50% e, em alguns casos, extingui-la; flexibilizar as Áreas de Preservação Permanente (APPs), como margens de rios e lagoas e encostas; anistiar os crimes ambientais; ampliar possibilidade de compensação, não sendo obrigatório compensar o dano no local onde ele foi feito; e dar autonomia aos estados para que legislem sobre suas florestas.

Com o objetivo de esclarecer aos jornalistas o outro lado da história e provar, com base em análises e estudos científicos, a alta relevância da manutenção do Código em vigor, o WWF-Brasil, Greenpeace e SOS Mata Atlântica organizaram o workshop “O Código Florestal preservado: condição para o desenvolvimento brasileiro”. No dia 3 de maio, segunda-feira, entre 10hs e 18hs, repórteres de todo o Brasil e correspondentes internacionais vão acompanhar palestras de renomados pesquisadores e técnicos de diferentes instituições.

Entre os tópicos abordados na pauta do dia, estão: histórico de resistência à mudança no Código Florestal e análise sobre a atual situação; previsão de cenários sobre possíveis impactos no clima, biodiversidade, economia florestal e agricultura familiar caso as modificações sejam aprovadas e motivos científicos do conjunto de leis. Os organizadores acreditam que capacitar os jornalistas com informações é um importante subsídio para a cobertura de pautas relacionadas, que, certamente, vão se intensificar no decorrer dos próximos meses.

Serviço:
Data: 03/05/2010, segunda-feira
Hora: 10h às 18h
Local: Fundação SOS Mata Atlântica – Rua Manoel da Nóbrega 456, São Paulo - SP

Confira a programação completa e o perfil dos palestrantes:

A guerra em torno do Código Florestal - 10h – 10h40
Breve histórico da resistência à mudança do Código Florestal e análise sobre a atual situação da comissão que pretende modificar a lei.

Paulo Adário
Diretor da Campanha da Amazônia do Greenpeace, Paulo é responsável pela coordenação das atividades na região amazônica desde 1991. Coordenou importantes ações como a que garantiu a proibição da exploração, transporte e comércio de mogno no Brasil e a campanha contra o desmatamento estimulado pelo cultivo de soja no bioma Amazônia, que resultou na Moratória da Soja. Em 2007 foi escolhido pela revista Época uma das 100 personalidades mais influentes do Brasil.


Mitos e fatos sobre o Código Florestal e a Legislação Ambiental - 10h40 – 12h00

Apresentação de dados de dois estudos inéditos e complementares; um do WWF-Brasil, mais detalhado, e outro da Esalq, mais abrangente, sobre os mitos e fatos em relação ao impacto do Código Florestal na agricultura brasileira.

Carlos Alberto de Mattos Scaramuzza
Biólogo e doutor em Ecologia pela Universidade de São Paulo. É superintendente de Conservação do WWF-Brasil e responde pelas ações relacionadas com os temas mudanças climáticas, energia, agricultura, água e ecologia da paisagem. Seus principais interesses técnico-científicos são planejamento da conservação da biodiversidade, dinâmica do uso das terras, ordenamento territorial e geoprocessamento.

Gerd Sparovek
PhD em Ciências Agrárias pela instituição alemã Federal Agricultural Research Centre com especialidade em manejo e conservação do solo, Sparovek é professor da Universidade de São Paulo com atuação na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz na área de conservação do solo e planejamento do uso da terra.

O Código Florestal: da medida provisória à promessa de mudança (Dez anos de nada!) - 12h00 - 13h30
Análise dos dez anos após a transformação da MP 2166 e a falta de políticas de implementação da lei na prática, considerado o principal motivo dos conflitos que permeiam o assunto.

Anthony Brandão
Bacharel e mestre em Direito, doutor em Ciências Florestais pela Universidade de Brasília, Brandão é analista processual da Procuradoria Geral da República e professor voluntário do Departamento de Engenharia Florestal da UnB. É também integrante do Conselho Gestor da Área de Proteção Ambiental Gama e Cabeça de Veado, conselheiro científico e sócio colaborador do Clube da Semente do Brasil e presidente do Instituto Vida Verde.

Carlos Marés
Mestre e doutor em Direito pela Universidade Federal do Paraná, Marés é procurador do do Estado do Paraná desde 1981. Professor de Direito Agrário e Socioambiental da Universidade Católica do Paraná, foi presidente da Funai, Procurador Geral do Incra e sócio fundador do Instituto Socioambiental (Isa).

A mudança no Código e seus possíveis impactos - 14h30 – 16h00

Bate papo com especialistas de diversas áreas sobre os possíveis impactos causados por alterações drásticas no Código Florestal.

No Clima
Gilvan Sampaio

Doutor e mestre em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Sampaio é pesquisador da instituição, onde estuda os impactos dos desmatamentos da floresta amazônica no clima local, regional e global. É autor do livro O El Niño e Você - o fenômeno climático.

Na Biodiversidade
João de Deus

Mestre e doutor em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo, João de Deus é atualmente diretor do Departamento de Florestas do Ministério do Meio Ambiente e professor da Universidade Federal de Santa Catarina. Possui experiência na área de Botânica, com ênfase em Anatomia Vegetal.

Na Economia Florestal
Luis Carlos Straviz Rodrigues

Doutor em Forest Management and Biometrics pela University of Geórgia Straviz, é professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz na área de recursos florestais e engenharia florestal, com ênfase em ordenamento florestal. Recebeu 11 prêmios e homenagens.

Na Agricultura Familiar
Luiz Zarref

Engenheiro Florestal, Zarref é especialista em Agroecologia e mestrando em Agroecossistemas pela Universidade Federal de Santa Catarina. É também dirigente da Via Campesina e do Movimento Sem Terra.

Os motivos científicos do Código - 16h30 – 18h

Justificativas científicas para a manutenção dos avanços para preservação e conservação da paisagem na atual legislação ambiental.

Maria Jose Brito Zakia

Engenheira Florestal pela Universidade de São Paulo, Zakia é mestre em Recursos Florestais e doutora em Engenharia Ambiental pela mesma universidade. Foi Pesquisadora e Consultora do Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais e funcionária da Votorantim Celulose e Papel nas áreas ambiental e de relacionamento socioambiental. Atualmente é consultora na área socioambiental.

Jean Paul Metzger
Mestre em Ecologia pela Universidade Paul Sabatier de Toulouse, França, e doutor em Ecologia de Paisagens pela mesma universidade, Metzger é professor da Universidade de São Paulo, membro da International Association For Landscape Ecology e editor de quatro revistas. Tem experiência na área de Ecologia de Paisagens e Conservação, com ênfase no estudo de paisagens fragmentadas da Mata Atlântica.

Fonte: WWF-Brasil

  
  

Publicado por em