Brasil, como liderança na Unctad, deve promover desenvolvimento sustentável

O Greenpeace reconheceu que a 11ª Conferência sobre Comércio e Desenvolvimento da ONU (Unctad), termina sinalizando que os países em desenvolvimento continuarão a posicionar-se em conjunto contra um comércio mundial que beneficia somente as nações ricas.

  
  

O Greenpeace reconheceu que a 11ª Conferência sobre Comércio e Desenvolvimento da ONU (Unctad), termina sinalizando que os países em desenvolvimento continuarão a posicionar-se em conjunto contra um comércio mundial que beneficia somente as nações ricas.

O Brasil desempenha um papel importante nesse contexto, já que durante a reunião reafirmou-se como um líder internacional entre os países em desenvolvimento.

Para o Greenpeace, o fomento ao comércio internacional entre as nações em desenvolvimento ou com os países ricos é fundamental, porém desde que o desenvolvimento sustentável seja parte central dessa cooperação. O Brasil ocupará a presidência da Unctad pelos próximos quatro anos.

O Greenpeace também acusou os EUA de tentar impedir a Unctad de progredir no sentido de responsabilizar as grandes empresas por suas ações em qualquer lugar do mundo. A responsabilidade corporativa inclui a transparência, a prestação de contas e a responsabilidade jurídica.

Dessa forma, a Unctad não avançou no compromisso feito por governos na Cúpula da Terra de Joanesburgo (África do Sul) em 2002, de promover ativamente a questão.

“A 11ª Unctad nos dá a esperança de que os países em desenvolvimento resistirão às regras injustas do comércio internacional, que ameaçam o meio ambiente e servem aos interesses dos EUA, União Européia e às grandes corporações”, disse o coordenador de políticas públicas do Greenpeace Internacional, Marcelo Furtado.

“Há sinais promissores para uma nova geografia do comércio global, embora ainda haja muito o que fazer para que o desenvolvimento sustentável torne-se uma
realidade. Necessitamos de um novo sistema de comércio global, e os EUA e a União Européia precisam aceitar isso”.

Na 11ª Unctad, foi acordado que os países em desenvolvimento necessitam da garantia de um “espaço político para um programa de ação”, a fim de seguir um caminho independente de desenvolvimento.

Os países pobres também concordaram em buscar o crescimento das relações comerciais entre si, criando um sistema de preferências no intercâmbio de mercadorias ou GSTP (Sistema Generalizado de Preferências Comerciais, na sigla em inglês).

O Greenpeace demanda que ambas as iniciativas sejam utilizadas para promover o desenvolvimento sustentável.

Fonte: Greenpeace

  
  

Publicado por em