Empresa preserva meio ambiente e fabrica bonecos diferenciados

A confecção Encanto de La Luna, do Estado do Rio, aproveitou as sobras de tecidos para criar personagens como Kadu, um portador de Síndrome de Down

  
  
Produção de bonecos como Kadu e Vivi servem para mostrar às crianças a importância de aceitar as diferenças entre as pessoas

Para destacar iniciativas empreendedoras e que respeitam o meio ambiente a Agência Sebrae de Notícias produziu uma série de matérias com histórias de quem gera emprego e renda sem esquecer da sua responsabilidade com o futuro do planeta. As matérias também marcam o Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado na sexta-feira (5).

A empresa Encanto de La Luna, da cidade de Nova Friburgo (RJ), encontrou uma solução inovadora para não poluir o meio ambiente, ampliar sua renda e ainda discutir a inclusão social e o respeito às diferenças. A Encanto confecciona roupas de dormir e com a sobra dos tecidos usados para fabricar as peças cria bonecos diferentes do padrão do mercado, como Kadu, um portador de Síndrome de Down.

A Encanto de La Luna começou em 2003, pelas mãos dos empresários Giselle Barroso e Martinho Belo. Localizada em um pólo de roupas íntimas, a empresa confeccionava apenas vestuário para dormir. A Encanto produz uma média de 4 mil peças por mês.

Os sócios observavam que a fabricação desse tipo de roupa gerava uma perda grande de tecidos, algo em torno de 30%. “Como as roupas são grandes, esse desperdício é inevitável”, explica Giselle Barroso. As perdas e seus efeitos ambientais com a produção excessiva de lixo preocuparam Giselle, originária da área de Administração. Seu sócio, Martinho, é perito ambiental e engenheiro agrônomo.

Naquele momento, a sócia lembrou-se do passado e teve uma idéia que possibilitou reduzir o impacto ambiental e criar mais uma fonte de renda para o seu negócio: produzir bonecos com as sobras dos tecidos. “Passei uma infância pobre. Minha mãe era costureira e não tinha dinheiro para comprar brinquedos. Ela fazia bonecas para a gente com restos de tecidos”, recorda Giselle.

No começo, os bonecos não tinham identidade. A partir do contato com uma criança especial, a empresária decidiu personalizar os brinquedos com um perfil diferente do mercado. Entre os personagens da Encanto estão Kadu, que representa um portador de Síndrome de Down. Os lucros da venda de Kadu vão para a Apae de Nova Friburgo.

Outro personagem da grife é Vivi, que retrata uma menina com obesidade. Barroso anuncia que a empresa já se prepara para lançar novos personagens, que incluem um cadeirante e um idoso.

Livro para crianças

Segundo Giselle, bonecos como Kadu e Vivi servem para mostrar às crianças a importância de se aceitar as diferenças entre as pessoas. Com base nisso, ela também lançou o livro “O Diário de Luna”, que conta a história dos bonecos. O enredo começa quando Luna, uma menina paulistana, se muda para Manaus e conhece novos colegas.

No site Clubinho da Luna (http://www.clubinhodaluna.com.br), pode-se saber mais sobre cada um dos bonecos. A obra já vendeu mais de duas mil cópias, está em sua segunda edição e foi adotado por escolas de Nova Friburgo.

Com a publicação, a escritora vai a escolas do município e aproveita o mote dos personagens para falar de inclusão social e respeito ao meio ambiente. Segundo ela, a receptividade de crianças, professores e dos pais é muito boa. “A garotada gosta muito dos bonecos e do livro. Temos um bom retorno desse trabalho, no qual falo um pouco da minha experiência profissional, de como arranjei uma solução para não poluir”, narra.

Por conta do trabalho desenvolvido, a Encanto de La Luna já ganhou três vezes o Prêmio Destaque da Moda de Responsabilidade Social do pólo de Nova Friburgo. O prêmio tem como um dos organizadores o Sebrae no Rio de Janeiro. “O Sebrae é um grande parceiro. Já fiz cursos lá e eles sempre apóiam o nosso pólo”, elogia Giselle.

Ao falar sobre a importância da sustentabilidade para os negócios, a empresária fluminense frisa: “Fazemos parte do meio ambiente. Todos temos de respeitá-lo, empresários ou não. Se continuarmos neste ritmo de destruição, não vai sobrar nada para os nossos filhos e netos”.

E ao falar de ambientalmente correto, Giselle lembra que essa nova perspectiva de trabalho, revigorou sua empresa. “Trabalhar ecologicamente deu novo impulso ao meu negócio", diz. Giselle Barroso revela que a empresa encontrava-se em dificuldades e conseguiu se recuperar com a venda dos bonecos.

Serviço:
Agência Sebrae de Notícias - (61) 3348-7138 e 2107-9376
www.agenciasebrae.com.br
Encanto de La Luna – (22) 2523-4316.
Site - http://www.encantodelaluna.com.br e http://www.clubinhodaluna.com.br

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

  
  

Publicado por em

Adnailda Moura Gomes

Adnailda Moura Gomes

13/01/2010 14:19:12
Sou professora de ed.infantil.Durante o almoço eu estava ouvindo o Jornal do meio dia na Rádio Imbuíra de Manoel Vitorino e tive o prazer de ouvir sua reportagem sobre o trabalho com bonecos evitando o desperdício e dessa forma colaborando com a preservação do MEIO AMBIENTE.Meus parabéns!Pode ter certeza que esse trabalho trará muitas alegrias e vida nova à várias pessoas que por algum motivo desistiram de viver!

Lailah Nasser

Lailah Nasser

28/07/2009 22:24:14
também trabalho com confeccao, e sei que o desperdicio (sobras) de tecido sao gigantescas!
gostei muito da ideia, alem de criativa esta favorecendo ao meio ambiente.
gostaria de estar desenvolvendo algo tambem com essas "sobras" que envolvesse aos colaboradores e sociedade, achei uma boa ideia!