Pesca esportiva bem orientada é capaz de gerar desenvolvimento sustentável

Cerca de três mil turistas estrangeiros desembarcam todos os anos na Amazônia para a prática da pesca amadora. Com o desenvolvimento da atividade, a região também passa a contar com mais hotéis, embarcações e serviços especializados para atender ao cresce

  
  

Cerca de três mil turistas estrangeiros desembarcam todos os anos na Amazônia para a prática da pesca amadora. Com o desenvolvimento da atividade, a região também passa a contar com mais hotéis, embarcações e serviços especializados para atender ao crescente mercado da pesca amadora que movimenta bilhões de dólares em todo o mundo.

Só nos Estados Unidos, o setor fatura US$ 38 bilhões anualmente. Os dados constam da mais nova publicação do PNDPA - Programa Nacional de Desenvolvimento da Pesca Amadora, executado pelo Ibama.

PNDPA – Turismo e Meio Ambiente

A publicação revela todo o potencial da atividade no país, considerado o mais importante destino de pesca amadora do mundo. Nas 107 páginas ricamente ilustradas, a publicação relaciona as principais espécies de peixes que ocorrem nas bacias hidrográficas brasileiras, as áreas de pesca mais importantes e as comunidades que sobrevivem da atividade.

O texto também relaciona as regras para o pescador amador e os procedimentos para obtenção das licenças de pesca, atualmente disponíveis na Internet .

Atividade Sustentável

Capaz de gerar desenvolvimento, principalmente em regiões remotas, a pesca amadora concilia o turismo com a conservação do meio ambiente. A pesca amadora ocorre em todas as bacias hidrográficas do país, na região costeira e em áreas de mangue.

Por isso, a atividade é concebida para causar o mínimo impacto ambiental. Aí reside uma das principais funções desempenhadas pelo PNDPA.

Através do estímulo às pesquisas nas áreas de pesca, a sensibilização dos empresários do setor para a questão ambiental, o treinamento de guias de pesca, a realização de oficinas de pesca infantil e publicações educativas, o programa busca criar uma consciência que integra os mais variados interesses da sociedade.

O PNDPA demonstra que o turismo de pesca bem orientado é capaz de gerar desenvolvimento sustentável com benefícios para o turista, as comunidades locais, os empresários e, principalmente, para os recursos hídricos e pesqueiros.

Fonte: Ibama

  
  

Publicado por em