Projeto em Pernambuco busca zerar emissões de carbono em Fernando de Noronha

Conferência Pernambuco no Clima busca de zerar ou compensar a emissão de gases causadores do efeito estufa Fernando de Noronha, tornando a ilha um local de carbono neutro

  
  
A data para Fernando de Noronha atingir o objetivo de carbono zero ainda não foi fixada, mas o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, estimou o prazo em cerca de cinco anos

Aproximadamente 55% das emissões de gases estufa da ilha são de aeronaves que fazem o transporte de ida e volta para o continente. A usina termelétrica a óleo ocupa o segundo lugar. A substituição da termelétrica por usinas solares é um dos projetos já em execução, segundo o secretário estadual de meio ambiente, Sérgio Xavier.

“Vamos ter duas usinas solares em Noronha, que vão possibilitar a economia de 15% de energia, e dois ecogeradores, que vão alimentar prédios públicos”, explicou. Xavier ainda afirmou que estão sendo vistos, na ilha, locais para a recomposição e recuperação ambiental, além de iniciativas de produção eólica.

A data para Fernando de Noronha atingir o objetivo de carbono zero ainda não foi fixada, mas o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, estimou o prazo em cerca de cinco anos. “Acho que até o início do ano que vem tem ideia de prazo e tempo, porque [para tornar a iniciativa possível] são compromissos não só do governo do estado, são de diversos agentes", ponderou. "Por exemplo, 50% da redução das emissões podem ser obtidas através da troca de combustível das aeronaves que fazem o transporte pra lá, que para usar o bicombustível querem alguns tipos de benefícios; alguns dependem do estado, outros da União”, concluiu.

Projeto piloto

Fernando de Noronha vai ser também um espaço para testes de iniciativas sustentáveis, como alterações no descarte do lixo e a troca da frota por veículos elétricos ou híbridos. Essas soluções podem ser adaptadas, depois, para outras cidades, incluindo o Recife. A capital pernambucana também está realizando um inventário das emissões dos gases causadores de efeito estufa a fim de poder enfrentar a situação e traçar metas.

Um dos participantes do encontro, o líder dos Verdes no Parlamento Europeu, Daniel Cohn-Bendit, pontuou que o debate a nível local é uma forma de criar esperanças de que a situação climática possa se reverter no âmbito global. “Podemos ver aqui que existe uma real convicção por parte de sociedade brasileira para resolver o maior problema do mundo. Todos os experimentos que possamos fazer para reduzir são importantes”, declarou.

Por Eduardo Andreassi

  
  

Publicado por em