Rio de Janeiro terá bolsa de valores verde para negociar ativos ambientais

Produtores rurais que preservam vegetação nativa em suas propriedades poderão ganhar dinheiro negociando, através de uma plataforma on-line, e contratos de compra e venda de Cotas de Reserva Ambiental Futura

  
  
A BVRio foi criada objetivando atender às necessidades e exigências contidas no novo Código Florestal

Produtores rurais que preservam vegetação nativa em suas propriedades poderão ganhar dinheiro negociando, através de uma plataforma on-line, e contratos de compra e venda de Cotas de Reserva Ambiental Futura (Crafs).

Os contratos de compra e venda serão negociados na bolsa de valores ambientais BVRio (Bolsa Verde do Rio de Janeiro). Criada há um ano com o apoio da Secretaria de Estado do Ambiente e da prefeitura do município do Rio de Janeiro, a BVRio iniciou na segunda-feira, 10 de dezembro, as suas atividades, possibilitando que, por meio de operações de mercado, produtores e proprietários rurais possam ganhar dinheiro preservando a vegetação nativa de seus imóveis.

A BVRio foi criada objetivando atender às necessidades e exigências contidas no novo Código Florestal, que determina que todos os imóveis rurais são obrigados a manter uma reserva legal (RL) – área de vegetação nativa.

A tendência é que, com o tempo, a bolsa se nacionalize, embora as negociações devam ocorrer entre produtores de um mesmo estado.

A legislação permite também que aqueles que têm reserva legal excedente à sua obrigação possam transformá-la em cotas de reserva ambiental e, posteriormente, vendê-las a quem tem déficit de RL. A obrigação de reserva legal varia de 20% a 80% da área dos imóveis, dependendo do bioma e do estado onde estão as propriedades.

O presidente executivo da BVRio, Pedro de Moura Costa, afirmou que a iniciativa da bolsa verde tem o objetivo de criar um mecanismo de mercado para ajudar no cumprimento da lei da maneira mais eficiente e barata possível.

“As leis existem para serem cumpridas, a gente quer remover as dificuldades inerentes ao cumprimento das leis ambientais, sendo a primeira iniciativa a das cotas de reservas ambientais”, disse.

O executivo observou que as taxas de administração são as praticadas pelo mercado e vão variar, de acordo com o tamanho da área, entre 1% a 3% do valor da transação. "Este é um mercado de centenas de bilhões de reais, podendo chegar a meio trilhão de reais. Vai depender de preço, de liquidez. A gente está tentando criar mais liquidez o tempo todo para que isto realmente se manifeste e a gente efetivamente possa remunerar aqueles que conservam suas florestas”.

Negociações para produtores
Mesmo com as estruturas regulatória e tecnológica do Cadastro Ambiental Rural (CAR) ainda em processo de implementação, os produtores e proprietários rurais, segundo Moura Costa, podem negociar as Crafs na BVRio.

O pagamento só é realizado na entrega das cotas para o comprador. Assim, comprador e vendedor reduzem riscos e, ao mesmo tempo, criam um mercado para as Crafs, passando a conhecer demanda e oferta de preços por cotas.

Produtores rurais de todo o país começaram a se cadastrar na plataforma da BVRio em maio, iniciando o processo de formação de mercado e definição de preços. Na primeira semana de dezembro, a BVRio tinha mais de 300 produtores cadastrados para negociação de Crafs. Desde esta semana, eles podem começar a fechar negócios.

Fonte: EcoD

  
  

Publicado por em